Para reduzir consumo de combustível, carros têm que perder peso

"Para quem costuma carregar ou esquece coisas desnecessárias no carro, a cada 50 kg o consumo de combustível aumenta em 1%"

Por Fernando Calmon 17/04/20 às 12h30
carro peso balanca shutterstock
Peso e consumo de combustível estão intimamente ligados (Shutterstock)

Você certamente já ouviu falar em luta contra a balança. As pessoas desejam manter a forma física ou se adequar à estética atual em que peso a mais pode significar desleixo ou desinteresse com a saúde. Da mesma forma a balança é um dos itens de grande importância no projeto de um automóvel a partir do zero. Isso porque peso e consumo de combustível estão intimamente ligados.

Os números parecem desprezíveis, mas não são. Para quem costuma carregar ou esquece coisas desnecessárias no carro, a cada 50 kg o consumo de combustível aumenta em 1%.

VEJA TAMBÉM:

Estudos mais recentes apontam que, para os mesmos 50 kg extras, o consumo em ciclo urbano regulamentado sobe 2% e no ciclo rodoviário, 1,6%. Se você transportar quatro pessoas de 75 kg, vai gastar mais 12% de gasolina ou etanol. No aplicativo Uber, modalidade Juntos, há inclusive sobretaxa na tarifa. Lembre-se disso ao voltar a guiar seu carro no dia a dia, após esse período de quarentena.

Economizar combustível é palavra de ordem no mundo por ser uma forma de diminuir emissões de gás carbônico (CO 2), responsável por mudanças climáticas. Na Europa há pesadas multas para os fabricantes que não atingirem as metas impostas a partir de 2021 — tal como no Brasil, porém em prazos mais dilatados.

Para qualquer novo carro são traçados objetivos de projeto de acordo com o orçamento de engenharia. Como são muitos os parâmetros em discussão cada fabricante parte de um número. Mas, na média, se aceita que dá para investir algo como até US$ 500 (R$ 2.500), além do previsto, para cada 100 kg economizados no peso. Se isso se refletir no preço de venda final, haverá implicações de aceitação mercadológica.

Graças ao baixo peso, Onix e Tracker alcançaram números excelentes de consumo de combustível no Programa de Etiquetagem Veicular
Graças ao baixo peso, Onix e Tracker alcançaram números excelentes de consumo de combustível no Programa de Etiquetagem Veicular (foto Chevrolet | Divulgação)

Veja o exemplo do projeto GEM (Mercados Emergentes Globais, na sigla em inglês) que deu origem aos novos Onix (hatch e sedã) e Tracker. Comparei a redução de peso, nas versões mais caras. No primeiro caso, a diferença é de 39 kg, mas, no segundo, atinge substanciais 142 kg.

Não à toa os dois modelos alcançaram números excelentes de consumo de combustível no Programa de Etiquetagem Veicular, tornando-se os mais econômicos do Brasil no resultado geral e entre os SUVs. Motores de quatro cilindros foram substituídos por novos, de três cilindros, mais leves.

Outra estratégia foi utilizar seis airbags de série a fim de obter nota máxima em segurança nos testes de impacto contra barreira. Uma conta deve ter sido feita: airbags de teto ficaram mais em conta do que reforçar a estrutura e aumentar peso e consumo dos três modelos.

Peso menor também permite até usar freios a tambor atrás, mais baratos que os a disco. As distâncias de frenagem são boas, mas em longas descidas e altas cargas pode haver perda de eficiência que a GM afirma ter compensado tecnicamente. Mas do ponto de vista de marketing já não funciona bem. Na faixa de preço, principalmente do Tracker, ausência de discos nas rodas traseiras soa como economia pura e simples.

O projeto de modelos totalmente novos é um quebra-cabeça orçamentário. Além de segurança passiva e ativa, entram na conta itens de série ou opcionais de conforto, comodidade e conectividade, sendo este último um dos que mais atraio comprador. Obviamente, desempenho também entra na equação, pois produzir um veículo frugal em consumo de combustível e de baixo desempenho de nada adianta.

Alta Roda

AINDA há muita incerteza sobre como será a volta da produção de veículos, após o fim da quarentena causada pelo novo coronavírus. Dependerá da decisão de cada Estado. São Paulo, que concentra maioria das fábricas, só decide no próximo dia 22. Toyota anunciou que voltará a produzir só em 22 de junho, mas poderá antecipar de acordo com areação do mercado.

PLANOS novos de financiamentos foram anunciados pela FCA em contraponto às dificuldades atuais. Primeiro para Renegade e Compass, até 5 de maio. Dependendo do valor da entrada e do prazo, até as primeiras oito parcelas de um financiamento em 36 meses serão assumidas pela fábrica. Já a Fiat, em promoção que vai a 30 de abril, adiou o vencimento da primeira parcela para janeiro de 2021.

ALTERNATIVAS criativas são palavras de ordem em momentos como esse. Outra promoção até o fim deste mês é da Peugeot para modelos 208, 2008 e 3008. O esquema é de cashback, ou seja, devolução de valores de R$ 3.000, R$ 5.000 e R$ 7.000, respectivamente, diretamente na conta bancária do comprador. A primeira parcela do financiamento só vence em julho.

MODELOS de marcas premium, como BMW, estão cada vez mais sofisticados e com alta tecnologia. A marca alemã decidiu abrir para qualquer interessado uma série de 100 filmes curtos no Youtube, com legendas em português,explicando todos os recursos disponíveis. Haverá, em breve, também filmes produzidos no Brasil. Endereço: https://bit.ly/2wGLO9G.

COMPONENTE de filtros de ar, combustível e óleo de motores podem também servir de matéria-prima para fabricação de máscaras respiratórias N95 (95% de eficiência), para ambientes que precisam de maior proteção dos profissionais de saúde. Cummins e DuPont, nos EUA, juntaram forças para industrializar o produto, assim que for homologado por agência oficial.

SOBRE
0 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário