Por que quase todos os carros têm volante de três raios?

Pode acreditar: essa solução de design amplamente utilizada pela indústria automobilística não tem motivação técnica

Por Alexandre Carneiro 13/02/21 às 14h30
motorista com as maos no volante enquanto dirige veiculo
Solução com três raios é adotada por diversos fabricantes (Foto: Shutterstock)

Talvez você não tenha reparado, mas, atualmente, a maioria dos carros tem volante de três raios. Outro ponto curioso é que, em muitos veículos, esse componente não é mais perfeitamente circular: modelos com a base achatada também se tornaram comuns. Por que isso ocorre?

O AutoPapo fez essa pergunta a um designer da indústria automobilística e também a uma ergonomista. E, acredite, as respostas estão muito mais relacionadas a questões sensoriais do que técnicas.

VEJA TAMBÉM:

É o que explica Rafael Peixoto, chefe de design de interiores da Stellantis para a América do Sul. Ele afirma que não há qualquer razão técnica para o predomínio do volante de três raios. Trata-se simplesmente de uma solução clássica de design para o componente, utilizada há décadas pela indústria.

O volante é a roda do interior, tamanha a influência e a relevância que ele exerce na composição. Antes mesmo de tocá-lo, ele já diz muita coisa sobre o tipo de carro que você está prestes a dirigir.”

De acordo com Peixoto, os designers passaram a ter mais liberdade para conceber as carrocerias dos veículos, o que trouxe reflexos para o habitáculo. Ele lembra que, até pouco tempo atrás, o volante com base achatada era utilizado apenas em modelos de corrida: incorporado aos carros de passeio, esse elemento dá um ar de esportividade ao interior.

Volante de dois raios é tendência

Porém, o designer pondera que novas soluções já estão sendo adotadas pela indústria. “Há uma forte tendência para o volante de dois raios, já observado em alguns concept cars. Ele tem aparência mais leve e deixa o interior mais clean”.

novo fiat 500e volante e interior
Volante de dois raios, como o do novo Fiat 500, pode se tornar comum em breve (foto: Stellantis | Divulgação)

Como exemplo, vale citar o novo Fiat 500, da própria Stellantis: enquanto a antiga geração utilizava um volante de três raios, na atual esse componente tem apenas dois. Outros fabricantes também vêm adotando essa solução, como a Chevrolet, na última safra do Corvette.

Como o motorista está em constante contato com o volante, o designer afirma que essa peça deve exibir materiais agradáveis ao toque e acabamento impecável. Por fim, ele destaca que o desenvolvimento do componente envolve ainda questões relacionadas à segurança e à usabilidade.

Afinal, o volante abriga o airbag para o motorista, além das teclas para manusear equipamentos do veículo, como os sistemas de áudio e de telefonia. “Os designers têm a missão de processar cuidadosamente todos esses ingredientes”, conclui Peixoto.

Número de raios não interfere na ergonomia

A fisioterapeuta e ergonomista Flávia Gomes Soares, especialista em fazer avaliações ergonômicas em veículos, não vê relação entre a quantidade de raios do volante e o conforto do motorista. Para ela, o importante é que a peça tenha uma pegada apropriada, o que independe da solução de design:

O local da pega tem que ser mais alargado, porque isso evita a compressão de tecidos moles. Ali, o material deve ser texturizado, para impedir deslizamento acidental”.

Soares salienta ainda que, para proporcionar boa ergonomia a pessoas com diferentes características físicas, o volante deve ter ajustes tanto de altura quanto de profundidade. “O ideal é uma variação de pelo menos 10 cm: com essa medida, é possível atender 85% da população brasileira. Muitos carros até oferecem as regulagens, mas com curso bem menor”, acrescenta.

Volante de um só raio?

Ao longo da história, a indústria automobilística criou diferentes soluções de design para o volante. Embora, atualmente, os componentes de três raios sejam os mais comuns, similares com dois ou com quatro não são tão raros.

Um dos casos mais incomuns é o da Citroën, que adotou volantes de apenas um raio. Vários carros da fabricante, como o DS, o SM e o XM, exibiram tal solução entre as décadas de 1950 e 1980. Outra que apelou para o diferente foi a extinta Austin: no modelo Allegro, a peça tinha formato quase quadrado.

Posição correta para dirigir? Confira as dicas do Boris Feldman no vídeo!

SOBRE
10 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Rodrigo MARTINIANO 21 de fevereiro de 2021

Certamente os volantes de três raios são menos ‘charmosos’ que o de quatro, tanto é assim que um volante famosíssimo é o ‘QUATRO-BOLAS’, da VW.
Porém, por motivo óbvio, volantes de três raios são bem mais acertados. Por quê? Por sobrar espaço para as mãos do motorista.
Num volante de três raios, o motorista medianamente treinado consegue espalmar a mão esquerda ao contrário e firmá-la no volante fazendo curvas à esquerda, sendo ‘suporte’ a mão direita, do lado oposto.
Quanto aos volantes ‘dois raios’, a PORSCHE tinha um lindíssimo, enfim, utilizado nas ‘Brasília DACON Porsche’.
Já o de um raio, da CITROEN, VÁ PARA O ‘um raio’ QUE O PARTA!
QUE MARMOTAGEM ‘FRANCESÓIDE’ RIDÍCULA!
É como ir ao banheiro sem se limpar após, porque vai haver outra ida…
. . . . .

Avatar
Alberto 15 de fevereiro de 2021

Poxa….que matéria legal…..na década de 80 ,era comum ver os entusiastas por equipamentos ,que obviamente tinham modelos VW,colocar o volante do Passat TS,era um modelo lindo de quatro raios.Depois foi a vez do modelo herdado do Passat Pointer,o “quatro bolas”.
Hoje eu gosto de dois raios , maior visibilidade do painel ,e conforto ao dirigir.
Gostei muito da matéria.

AutoPapo
Alexandre Carneiro 15 de fevereiro de 2021

Muito obrigado, Alberto.
Abraço!

Avatar
Rodrigo MARTINIANO 21 de fevereiro de 2021

E, meu caro, o volante do Passat TS tinha o “TURMIX” da VW. Eu tenho um volante desse aqui comigo, sem uso, pois ERA A ÉPOCA DO VOLANTINHO. Daí, o volante original do TS foi trocado por um volantinho F1.

Avatar
Renato Christofoli 13 de fevereiro de 2021

Engraçado como a indústria do consumo dita regras. Antes o volante melhor era o de 4 aros. Mesmo assim carros como Mille continuaram com 4 aros herdados dos 1os Unos próximos aos projeto italiano de lançamento mundial. Modelos mais caros como alguns Monzas tinham volantes de 2 aros, daqui a pouco nem volante tem mais..kkk!!

Avatar
nei ribeiro 13 de fevereiro de 2021

Deve ser,,kkkk principalmente de um só raio,,,,p/ facilitar para o usuário kkkkkkkkkk!

Avatar
nei ribeiro 13 de fevereiro de 2021

Agora de um raio só ,ai pegou pesado,HORRIVELLLLLLLL !

Avatar
João Farias 18 de fevereiro de 2021

Um só raio permite visibilidade quase total do painel. Mas, fica impossível apoiar as duas mãos, em viagens mais longas.

Avatar
Rodrigo MARTINIANO 21 de fevereiro de 2021

Certamente os volantes de três raios são menos ‘charmosos’ que o de quatro, tanto é assim que um volante famosíssimo é o ‘QUATRO-BOLAS’, da VW.
Porém, por motivo óbvio, volantes de três raios são bem mais acertados. Por quê? Por sobrar espaço para as mãos do motorista.
Num volante de três raios, o motorista medianamente treinado consegue espalmar a mão esquerda ao contrário e firmá-la no volante fazendo curvas à esquerda, sendo ‘suporte’ a mão direita, do lado oposto.
Quanto aos volantes ‘dois raios’, a PORSCHE tinha um lindíssimo, enfim, utilizado nas ‘Brasília DACON Porsche’.
Já o de um raio, da CITROEN, VÁ PARA O ‘um raio’ QUE O PARTA!
QUE MARMOTAGEM ‘FRANCESÓIDE’ RIDÍCULA!
É como ir ao banheiro sem se limpar após, porque vai haver outra ida…

Avatar
Valter Le Grazie 13 de fevereiro de 2021

Só esqueceram de dizer que é pra poder enxergar o painel de instrumentos. Solução lógica. Ó pá!!!

Avatar
Deixe um comentário