O Clone? Veja 5 carros chineses que são cópias de outros modelos

Os chineses vem encontrando o seu estilo no mundo automotivo, mas alguns clones ainda são inevitáveis. Listamos cinco bastante curiosos

landwind x7 3
Essa carinha não parece familiar? (Foto: Landwind | Divulgação)
Por Eduardo Rodrigues
05 de outubro de 2021 10:01

Lembra de O Clone? Sim, aquela novela que está fazendo 20 anos, na qual o Dr. Albieri cria um… clone humano. Mas esse tipo de coisa não acontece apenas na ficção.

A indústria automotiva chinesa ganhou notoriedade mundial quando começaram a entrar em mercados internacionais usando “cópias idênticas” de veículos conhecidos. Um caso notório foi a tentativa de vender o Shuanghuan SCEO, uma cópia do BMW X5, na Alemanha.

VEJA TAMBÉM:

Hoje os chineses encontraram seu estilo próprio e os clones estão em baixa. Alguns fabricantes ainda insistem nessa prática, já que o sistema legal do país não se importa para essas quebras de direitos.

O AutoPapo selecionou alguns dos clones automotivos mais inusitados da China, que você talvez nem tenha ouvido falar.

Yema F99, clone do Subaru Forester

O F99, de 2002, foi o primeiro carro produzido em série pela Yema, uma empresa fundada em 1994. Esse fabricante foi um dos vários chineses que utilizaram a plataforma do Austin Maestro como base para seus carros.

E sobre essa base britânica do início dos anos 80 foi criado o F99, uma cópia do Subaru Forester de segunda geração. Para completar a salada, o carro utilizava um motor 1.5 da Toyota.

Mais tarde a Yema reestilizou o carro para deixá-lo menos parecido com um Subaru, adicionando uma grade inspirada na Audi. Uma segunda reestilização trouxe uma dianteira de Kia Sportage à carroceria de Forester feita sobre plataforma da Austin.

Great Wall Deer, clone do Toyota Hilux

A Great Wall se prepara para chegar ao Brasil e hoje traz uma linha bem atualizada de carros para o padrão internacional. Mas nem sempre foi assim. Fundada em 1984, os primeiros carros da Great Wall foram cópias de sedãs da Toyota e da Nissan.

Em 1996, o fabricante optou por focar em picapes e utilitários, iniciando com a picape Deer (veado em inglês). Essa picape não é uma simples cópia da Toyota Hilux: ela era uma engenharia reversa do modelo japonês.

Tanto peças de motor quanto de carroceria são intercambiáveis, a exceção é o para-brisa. Na Hilux é colado, enquanto os chineses usam a técnica antiga de usar uma moldura de borracha. O motor GW491QE da Great Wall nada mais é o 4Y da Toyota.

Landwind X7, clone do Range Rover Evoque

O Landwind X7 foi um dos casos onde o fabricante chinês foi penalizado por copiar uma marca estabelecida. O estilo do SUV chinês lançado em 2015 era tão parecido com o do Land Rover Range Rover Evoque que existiam kits de emblemas para deixá-los idênticos.

Após quatro anos do lançamento do X7, a corte chinesa aceitou que o carro copiou o estilo do Evoque e obrigou o fim de sua produção. O Landwind utilizava um motor da Mitsubishi, que mais tarde seria trocado pelo EcoBoost 1.5 da Ford.

Tirando o design copiado, o Landwind X7 era um SUV médio comum. Seu preço era 1/3 do valor cobrado pelo Evoque de entrada.

Sinogold GM3, clone do Citroën Grand C4 Picasso

A Sinogold GM3 é tão parecida com o Citroen Grand C4 Picasso que poderia ser um caso de engenharia reversa como a Great Wall Deer. Mas na prática, é uma cópia à moda antiga, trazendo um desenho diferenciado na dianteira e traseira. O interior também é diferente e não traz o estilo criativo da Citroën.

A Sinogold é um fabricante de veículos elétricos, a minivan GM3 é o primeiro e único modelo da empresa. O motor elétrico na dianteira produz 165 cv e 25,5 kgfm, números próximos dos gerados pelo 1.6 THP da C4 Picasso.

Duas opções de baterias são oferecidas: uma de 55 kWh e outra de 66 kWh. A autonomia é de 300 km ou 405 km, respectivamente, medida no ciclo NEDC. O tempo para uma recarga completa é de oito horas, mas com 40 minutos é possível garantir 80% de carga.

BAIC BJ80, clone do Mercedes-Benz Classe G

O Mercedes-Benz Classe G é um jipão icônico. Seu estilo é diferente do que é visto em outros utilitários e virou um símbolo de status pelo mundo. A chinesa Beijing Auto quis um pouco desse brilho para si e criou seu próprio Classe G, o BJ80.

Visualmente o BAIC BJ80 traz algumas mudanças pontuais na dianteira, traseira e formato das molduras das janelas. Apenas o suficiente para evitar que a Mercedes ganhe algum processo de plágio. Essa mudanças o deixaram com aparência de carros de videogame.

Uma coisa em comum entre o BJ80 e o Classe G é o uso militar. O exército chinês, o nigeriano e o Exército Unido do Estado Wa usam esse SUV. Na versão militar chinesa ele é equipado com o motor Cummins ISF 2.8, o mesmo que foi usado pelos caminhões Ford F-350 e F-4000 no Brasil. Na Nigéria o motor usado é um 2.4 a gasolina da Mitsubishi.

As versões civis buscam um posicionamento de jipe de luxo, assim como o Mercedes-Benz que o inspirou. O interior traz confortos como ar-condicionado automático, central multimídia, bancos de couro e acabamento simulando madeira. Mas nada que chegue perto do luxo do Classe G.

Sob o capô da versão civil residia o antigo motor B 2.3 turbo da Saab, que teve os direitos de produção comprados pela Beijing Auto. Em 2019 esse motor foi trocado por um V6 3.0 biturbo de origem desconhecida. E não podia faltar uma versão 6×6 do BJ80, claramente inspirada no G63 AMG 6×6.

0 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário