Como foi dirigir um caminhão pela primeira vez

Dei uma volta no novo Volkswagen Constellation 32.360, projetado para operar fora da estrada, dentro de uma mineradora

caminhao volkswagen constellation 32360 barbara angelo
Por Bárbara Angelo
24 de junho de 2019 21:05

No início deste mês, tive a oportunidade de dirigir um caminhão pela primeira vez. Ela surgiu durante o evento de lançamento de um novo modelo da Volkswagen, o Constellation 32.360, criado para operações fora de estrada. Eu não apenas pude descobrir como é comandar um veículo pesado, como o fiz em seu habitat natural, dentro da mineradora Santiago, nos arredores de Belo Horizonte.

Eu não me propus a avaliar o caminhão, já que eu não teria com o que compará-lo, mas, sim, tentar perceber as principais diferenças entre dirigir o meu carro – um hatch – e aquele veículo de 3 metros de altura e 7,5 m de comprimento. Para piorar, ele estava carregado com 15 toneladas de cascalho – para dar uma impressão mais fiel à realidade de seu uso cotidiano.

A distinção mais notável foi o câmbio automatizado, o que tornou a condução do gigante mais simples que a do meu compacto, que tem câmbio manual. A transmissão do Constellation 32.360 tem 16 velocidades, além de 2 marchas ré.

caminhao volkswagen constellation 32360

Assim, para dirigir esse caminhão, tive que aprender a operar a manopla da transmissão, muito macia e de uma lógica simples, baseada em movimentos para a esquerda e direita.

A segunda diferença que eu percebi foi como as manobras eram lentas, e eu parecia ter que girar o volante mais vezes até o veículo alcançar o ângulo que eu desejava.

Como comentou o assessor técnico da Volkswagen que me acompanhava e instruía, o diâmetro do volante, maior que o de um carro, era o culpado. Essa mudança, contudo, torna as curvas ao dirigir o caminhão mais fáceis de controlar. Isso parece auxiliar o motorista a manter controle sobre o veículo.

caminhao volkswagen constellation 32360 barbara angelo

Dirigir caminhão requer mais paciência e cuidado

Por serem grandes e pesados, os caminhões devem ser manejados com mais cuidado que os carros. Eles vão demorar mais tempo para acelerar e, o mais perigoso, frear.

E essa foi outra grande diferença que percebi ao dirigir o caminhão. Ao pisar no acelerador, o veículo parecia demorar a responder. E isso acontecia mesmo considerando que o Constellation 32.360 tem 360 cavalos de potência e 169 kgfm de torque.

Pensei que poderia ser uma questão de controle da aceleração, mas o instrutor me informou que aquela era a resposta normal do veículo. Com isso, concluí que eu não teria coragem de andar muito rápido com aquele caminhão – especialmente carregado – e não chegaria nem perto dos 95 km/h de sua velocidade máxima.

Por fim, na hora de estacionar, puxei o freio de mão – uma pequena alavanca no painel, ao lado do volante, e ouvi o “espirro” característico do freio a ar.

3 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Sir.Alves 12 de junho de 2021

Como seria dirigir aqueles caminhoes de escavacoes de represa e mineracao? 50 toneladas acho que eh o peso dele sem carga… Imagina o consumo e metros por litro… E as pecas de reposição… Seria uma boa materia para o auto papo…

Avatar
Jeff 20 de setembro de 2019

Que massa! Existe uma distância/folga grande entre as marchas? O mais próximo que passo disso é uma D-10, e o cambio é todo solto.

Avatar
Nanael Soubaim 25 de junho de 2019

A diferença é como estar acostumado a levar um cãozinho para passear, e de repente colocar a coleira num touro. É duro, mas mais duro é lidar com o FNM D11000, é como colocar a coleira em um brontossauro.

Avatar
Deixe um comentário