Nada de diesel: já existem caminhões elétricos, a gás, híbridos e outros

Em todo o planeta, inclusive no Brasil, fabricantes investem em modelos movidos a fontes alternativas de energia

volvo fh eletric
Volvo é a primeira montadora a ter uma linha 100% elétrica (Fotos: Divulgação)
Por Érico Pimenta
18 de maio de 2022 08:32

Devido a ima “mentalidade ecologicamente correta”, as montadoras vão fazendo planos para abandonar os motores a combustão até ano X ou Y. Consequentemente, estamos nos acostumando ao lançamento de modelos 100% elétricos ou híbridos. Porém, se para muitos a opção elétrica parece ser a única viável, é válido lembrar que já existem no mercado alternativas que, se não reduzem as emissões a 0%, chegam bem perto disso.

Quando olhamos para o mercado de pesados, a variedade de modelos aumenta quando comparada com a dos carros. Por mais que veículos elétricos pareçam ser do futuro, basta olhar no passado para ver que eles já existiam e, entre os pesados, acontece algo parecido. Por exemplo: em 1984, o mundo sentiu o segundo impacto ou choque da crise do petróleo que havia começado em 1979 e fez o barril de petróleo aumentar de US$ 13 para US$ 34. Na sequência da Revolução iraniana, a Guerra Irã – Iraque aprofundou ainda mais na crise.

VEJA TAMBÉM:

Para contornar essa crise, no Brasil, as montadoras Scania e Volvo, por exemplo, chegaram a apresentar caminhões a álcool. Em 1984, na Brasil Transpo – maior feira especializada em transporte do país -, a Volvo apresentou o modelo N10 XHT a álcool. Por sua vez, a Scania já havia testado caminhões a álcool desde a metade dos anos 70. Em 1984, a montadora vendeu 26 unidades do Scania 112E 6×4 movido a álcool. Os modelos podiam rebocar composições do tipo treminhão com até 80 toneladas de carga.

Em 2016, a Scania voltou a desenvolver caminhões a etanol, e entre as empresas que participaram dos testes, estava a Clariant, que adquiriu três unidades do Scania P270 4×2. Os modelos reduziam a emissão de CO2 em até 90%. É válido ressaltar que, no passado, as demais montadoras também apresentaram modelos a álcool.

scania 112e alcool
Scania desenvolveu modelos a álcool ainda nos anos 80

HVO e Biodiesel

Ainda com base no motor a combustão, existem dois outros combustíveis parecidos com o diesel, que reduzem as emissões de CO2 entre 85 a 90%: um deles é o HVO, mas o mais comum para nós, brasileiros, é o biodiesel.

O Biodiesel (ou Fame, éster metílico de ácido graxo) é um diesel que pode ser feito a partir de diferentes fontes, como óleo de canola, vegetal e óleo de cozinha usado, entre outras. O biodiesel já é comum no Brasil, principalmente em ônibus urbanos, e a sua redução de emissão de CO2 chega a 85%.

Já o irmão “mais limpo” HVO (Hydrogenated Vegetable Oil) é desenvolvido de fontes como óleo residual, óleo de canola, óleo de palma e gordura animal. A grande diferença entre o Biodiesel e o HVO é o processo de fabricação: o biodiesel é feito pelo processo químico de transesterificação, no qual as matérias primas reagem com um álcool, geralmente o metanol.

Já o HVO é produzido pelo processo químico chamado de hidrotratamento (HDT), no qual as matérias primas reagem com gás hidrogênio em condições controladas de temperatura e pressão. A redução de CO2 do HVO chega até 90%.

Modelos a gás: Gás Natural Veicular e Gás Natural Liquefeito

Entre as novidades para o mercado brasileiro estão os caminhões a GNV (Gás Natural Veicular) e GNL (Gás Natural Liquefeito). Até o momento, a única montadora a comercializar modelos desse tipo no Brasil é a Scania.

Os modelos a gás funcionam de forma bem semelhante aos tradicionais, com motores a combustão a diesel. A maior diferença está no sistema de injeção, que é do tipo Ciclo Otto. O GNV apresenta uma redução de até 15%, mas quando o caminhão é abastecido com biometano, essa redução chega à casa dos 90%.

Essa é uma das vantagens do caminhão a GNV: ele automaticamente pode ser abastecido tanto com GNV ou biometano. Além do mais, o biometano é o combustível de energia renovável, mais amigável ao ambiente.

Já o GNL tem algumas particularidades, principalmente por ser um gás liquefeito. Ou seja, ele é armazenado a temperaturas super baixas, chegando a -150 graus. Por isso, o tanque de armazenamento é diferente e requer uma tecnologia mais avançada que a de um tanque a GNV, já que ele é como uma grande garrafa térmica, para manter o gás a -150 graus.

Outra vantagem é que, devido à temperatura, o volume do gás em si é reduzido, então o transporte desse combustível é mais fácil, e o caminhão quando tem maior autonomia. Na Europa, a Iveco detém o “recorde” de autonomia de um caminhão a GNL, chegando a 1.728 km. O recorde foi feito em uma viagem de Londres até Madri, na qual foi frito apenas um abastecimento de GNL. O caminhão estava carregado com 30 toneladas de carga.

iveco stralis 400np 4x2
Caminhão a GNL da Iveco  bateu o recorde ao percorrer 1.728 km

Elétricos, Híbridos e Híbridos do tipo Plug-in

Aqui temos três diferentes tipos de caminhões elétricos. Primeiro, o modelo 100% elétrico, ou seja, aquele que funciona com um motor elétrico e, logicamente, baterias. No Brasil, já existem caminhões 100% elétricos, entre eles o Volkswagen e-Delivery, que é comercializado em duas versões, sendo o e-Delivery 11 um modelo 4×2 (2 eixos) e o e-Delivery 14 um 6×2 (3 eixos). A JAC Motors e a BYD também ofertam caminhões 100% elétricos no Brasil.

Na parte híbrida, a Scania oferta para o mercado europeu os modelos L, P e G híbridos. O funcionamento é simples: o caminhão é equipado com um motor a diesel e um elétrico. Diferentemente de alguns carros, no caminhão é possível escolher qual motor usar: em algumas situações, como uma rua muito íngreme, por exemplo, o motor elétrico pode não ser o suficiente. Além disso, o motor a diesel pode receber combustível do tipo Biodiesel ou HVO, já mencionados anteriormente.

scania l 320 6 2 hybrid
Scania série L é desenvolvido para aplicações nas quais o motorista precisa descer e subir muitas vezes na cabine

Por fim, temos o híbrido do tipo plug-in, que funciona da mesma maneira que um híbrido. A grande diferença é que, nele, é possível recarregar as baterias, como um caminhão 100% elétrico. Esse modelo é mais indicado para o cliente de entregas urbanas, com diferentes pontos de recarga, que podem “abastecer” o caminhão durante os processos de carregamento ou descarregamento.

Hidrogênio

Uma das soluções mais esperadas são as células de combustível a hidrogênio para caminhões. Isso porque do escapamento sai, literalmente, água pura. No mercado, a Hyundai já produz e comercializa o pesado Xcient, com célula de combustível a hidrogênio. Ainda de acordo com a montadora, o modelo leva de 8 a 20 minutos para abastecer e tem autonomia de até 400 km.

A Mercedes-Benz anunciou, em 2021, o início dos testes do seu pesado a célula de combustível a hidrogênio, chamado de GenH2. Ele deve ter as primeiras entregas para os clientes em 2027, de acordo com a montadora.

mercedes benz genh2 truck
Mercedes-Benz GenH2 Truck deve chegar aos clientes em 2027

Os modelos a célula de combustível tem um grande potencial, principalmente no Brasil. Afinal, é possível ter hidrogênio extraído do etanol, aquele combustível que nós produzimos em massa. Outro ponto interessante é que o bagaço de cana-de-açúcar pode virar Biogás, um segundo combustível que pode alimentar tratores, caminhões e carros, tornando o processo mais limpo.

Mas, de forma prática, quais fabricantes já têm pesados que não bebem diesel? As montadoras que oferecem essa solução são:

Mercado norte-americano

Peterbilt – Elétricos

Comercializa os modelos 220EV, 520EV e 579EV sendo 100% elétricos.

Kenworth – Elétricos

Comercializa os modelos 2 Kenworth T680E, K270E e K370E, todos 100% elétricos.

Volvo – Elétricos

Atualmente comercializa apenas o VNR 100% elétrico.

Nikola – Elétricos

Comercializa o TRE, modelo 100% elétrico, desenvolvido com base no Iveco S-Way. O caminhão é fabricado na cidade de Ulm, na Alemanha,  mas já existem unidades sendo fabricadas nos Estados Unidos. Recentemente, o modelo apareceu no registro do INPI brasileiro, e há especulações para a sua importação extra-oficial para o Chile em 2023.

Mercado brasileiro

Volkswagen – Elétricos

Fabrica e comercializa o e-Delivery, modelo 100% elétrico, em duas versões: 4×2 e 6×2, além de oferecer opções com 3 e 6 packs de baterias.

JAC – Elétricos

A montadora chinesa comercializa no Brasil o iEV1200T e o JAC iEV350T, esse considerado o único VUC 100% elétrico do Brasil.

BYD – Elétricos

A também chinesa BYD, além de ônibus elétricos, também oferta os modelos eT7 12.220 e eT18 21.250.

Scania – Modelos a Gás

A montadora sueca oferta no Brasil a sua gama de caminhões a gás. Ela é a única até o momento a ofertar modelos a GNV e a GNL.

Mercado Europeu

DAF – Elétrico, Híbrido e Hidrogênio

A montadora Holandesa que pertence ao grupo Paccar, dona das montadoras Kenworth e Peterbilt, oferta os modelos CF e LF 100% elétricos. Já na parte hibrida ela oferta o CF é já esta em desenvolvimento uma linha a hidrogênio.

Hyundai – Hidrogênio

Apesar de atuar de maneira tímida no mercado europeu, a montadora já comercializa o Xciente Fuel Cell, modelo a hidrogênio.

Iveco – Modelos a gás

A Iveco lidera as soluções para caminhões a gás na Europa . Atualmente, oferta a linha NP (Natural Power) para a série S-Way. Na Argentina já é produzido o modelo Tector a gás.

Mercedes-Benz 100% elétrico

A montadora comercializa o modelo eActros, semipesado 100% elétrico. Atualmente, trabalha em um modelo a célula de combustível.

Scania – Elétrico, Gás, Híbrido, Híbrido Plug-in e HVO

No mercado europeu, a Scania tem um amplo portfólio com diversas soluções. Para a linha elétrica, a marca oferta os modelos 25 L e 25 P. Já na linha de gás, ela oferta modelos a GNV e GNL, assim como faz no Brasil. Na gama de híbridos e híbridos plug-in, há os modelos L, P e G, com potências de 220 a 360 cv.

Volvo – Gás e Elétricos

Se no Brasil a montadora não oferta nenhuma solução além do diesel, para o mercado europeu há uma linha completa de elétricos, composta pelos modelos FL, FE, FM, FMX e FH.

Já entre os modelos a gás, a fabricante oferta o Volvo FH e FM a GNL e o FE a GNV.

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
SOBRE
2 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Santiago Artur Wessner 22 de maio de 2022

A VWCO desenvolveu um ônibus hibrido-flex, cuja carga das baterias é garantida por um motor flex 1.6 do Fox (abastecido com etanol.
Um ônibus, tecnicamente movido por um motor de automóvel usando etanol.
Ou seja, há soluções mais práticas e inteligentes (além de mais baratas) do que se querer massificar a tecnologia elétrica à bateria recarregável

Avatar
Georges 19 de maio de 2022

Acabei de ler que a MWM está com um motor a hidrogênio pronto. Uma solução melhor que elétricos no quesito passivo ambiental. Será?

Avatar
Deixe um comentário