Ford Escort: uma história de tecnologia além do seu tempo (Parte II)

O Escort ficou em linha por 20 anos e teve três gerações; ele foi um dos principais produtos vendidos pela Ford no mercado brasileiro

escort 93 lateral divulgacao ford
Segunda geração do Escort trouxe mais modernidade ao compacto da Ford (Fotos: Ford | Divulgação)
Por Douglas Mendonça
16 de julho de 2022 15:15

No Salão do Automóvel de 1992, a grande novidade da Ford era a apresentação da nova geração do Escort, a família MK5 que havia sido lançada há apenas alguns meses na Europa. Um verdadeiro banho de tecnologia em um produto que o europeu começava a comprar e já estava sendo oferecido por aqui. Esse novo carro tinha como grande novidade um design arrebatador: carroceria de dimensões mais generosas (só o entre-eixos crescia 12 cm) e formas delicadamente mais arredondadas.

VEJA TAMBÉM:

Nova plataforma do Escort

Esse novo Escort, que no mercado brasileiro ficou conhecido como “Sapão”, por causa da sua frente arredondada e boa entrada de ar frontal, que mais parecia uma boca, era oferecido inicialmente apenas na carroceria de duas portas, como de praxe no modelo da Ford. Mas, apesar disso, era cômodo e fácil entrar e sair mesmo no banco traseiro, já que as portas eram grandes. Eram quatro versões (L, GL, Ghia e XR3), e muitas novas tecnologias, como equalizador no sistema de áudio ou ajuste de profundidade do volante, um pioneirismo.

escort 93 divulgacao ford
Segunda geração do Escort foi apelidada de “Sapão” devido ao estilo da seção frontal

Sua plataforma era totalmente nova. Pela primeira vez, o Escort trocava as suspensões independentes pelo esquema convencional com McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira, além de uma nova calibração completa na direção e freios, que, nas versões mais caras, poderiam ser a disco nas quatro rodas. O carro, no geral, continuava bom de guiar e bastante comportado, como esperado.

Seus motores eram conhecidos, e foram apenas aperfeiçoados. Nas versões de entrada estava o 1.6 CHT, com mais potência, torque e economia, ou, para as mais caras, o requisitado VW AP 1.8, que também ganhava melhorias. Outro que estava disponível era o AP 2.0, carburado na versão Ghia e injetado no XR3 com sua proposta esportiva. Todas as versões contavam com câmbio manual de 5 marchas, com escalonamento diferente para cada motorização.

escort 93 interior divulgacao ford
O Escort tinha interior sofisticado, com instrumentação completa

Escort Hobby: popular com carroceria antiga

Curiosamente, apesar da carroceria moderna mostrada no Salão de 1992, permanecia em produção o antigo Escort com o sobrenome Hobby, mas agora com motor 1.6 CHT menos potente, e, depois, o famigerado 1.0. Ele vinha na onda dos populares no início dos anos 90, mesma época da estreia de Fiat Mille, VW Gol 1000 e GM Chevette Junior, todos sob o guarda-chuva de uma menor tributação para que fossem vendidos a preços mais atraentes. E, claro, eram todos bem básicos e simples.

escort hobby 1 0 divulgacao ford
Primeira geração nacional foi mantida para se posicionar na base da linha

Com o motor 1.6 CHT reduzido para 1.0 litro, graças a um virabrequim de curso mais curto e pistões menores, o Escort Hobby sofria com a pouca potência e torque do seu conjunto, sempre acoplado a um câmbio de 5 marchas com relações bastante curtas para compensar a falta de força. Eram pouco mais de 50 cv de potência com 7,4 mkgf de torque, número bem contido para mover o carro. Para se ter uma ideia, o Escort “do povo” levava 20 segundos para ir de 0 a 100 km/h.

Linha 96,5: dançando tango

Depois de lançar a linha 1996 do Escort, a Ford logo se adiantou e trouxe outra linha 1996, mas levemente retocada. Ela ficou conhecida como “linha 96,5”, e, agora, dançava tango ao invés do samba: como as linhas de produção da Ford brasileira eram ocupadas pelo Fiesta (que, inclusive, matou o popular Hobby), o Escort passava a ser importado de Pacheco, na Argentina.

escort 96 divulgacao ford
Em 1996 o Escort recebeu duas mudanças de linha e ganhou grade redesenhada

A principal novidade dessa linha “96,5” era a grade ovalada, que sofria influência do modelo europeu, que já estava a frente do nosso. Como de costume, outros pormenores também eram novos: calotas/rodas, tecidos internos e por aí vai. No restante, o mesmo carro de antes. A notícia triste é que, com a chegada dessa pequena reestilização, a versão esportiva XR3 e topo de linha Ghia deixaram de ser fabricadas, sobrando apenas GL e GLX, sempre equipadas com o motor 1.8 AP da Volkswagen.

Linha 1997 com nova geração

Cerca de seis meses depois desse Escort “96,5”, a marca do Oval Azul atropelava suas próprias estratégias lançando um novo Escort, já de sétima geração. Na realidade, plataforma e principais elementos da carroceria eram os mesmos de antes, mas tudo foi aprimorado e reestilizado, transformando o modelo em um novo carro, praticamente. Oficialmente, a família Escort estava maior: tinha uma carroceria sedã e outra Station Wagon (SW), enquanto a tradicional de dois volumes e meio passava a ser sempre de quatro portas. A carroceria de duas portas vinha depois, em um paliativo do XR3 chamado RS.

escort 5p 1997 divulgacao ford
Pouco depois da linha “96,5” a Ford apresentou sua terceira geração para o Brasil e sétima na Europa

O objetivo era alcançar um público ainda mais diverso: consumidores solteiros, casais, famílias, jovens, um público de meia-idade e por aí vai. A produção se mantinha na Argentina, enquanto o motor, agora único para toda a linha (com versões GL e GLX), era totalmente novo: da família Zetec, com 1.8 litro, 16 válvulas e duplo comando de válvulas, garantindo uma boa dose de força sem abrir mão da economia de gasolina. Eram 115 cv de potência e mais de 16 mkgf de torque nesse 1.8, moderno e de projeto europeu, que continuava casado com um câmbio manual de 5 marchas.

Seu sucessor e novo motor para 2001

No final de 2000, chegava ao mercado nacional o Ford Focus, projeto bastante moderno e tecnológico que ainda era novidade na Europa. Por lá, inclusive, ele já chegou tomando completamente o lugar do Escort, prenunciando o que aconteceria no Brasil algum tempo depois. Logo a Ford brasileira já adequou a família Escort para a chegada da novidade Focus nas carrocerias hatch e sedan: saíam de cena o Escort Sedan e os duas portas. SW e quatro portas continuavam.

escort rs 2p 98 divulgacao ford
Com a chegada do Focus, o Escort perdeu prestígio na gama da Ford

E, claro, aos poucos o Escort foi cedendo espaço para o Focus, com reduções de versões e preços. Ainda assim, na mesma época, como linha 2001, o bom e velho Escort recebia um novo coração: o motor 1.6 8v Zetec Rocam, com comando de válvulas roletado e oco para reduzir a inércia (ROller CAMshaft, daí seu nome). Com 95 cv, era mais econômico e até ágil quando comparado com o 1.8 16v, ganhando ainda no consumo de combustível com o novo cabeçote e sistema de distribuição exclusivo.

Dali em diante, nada mais mudou no Escort nacional. Assim, com o 1.6 Rocam e dois tipos de carroceria (SW e 4p), ele continuou sendo produzido na Argentina até meados de 2003, quando finalmente saiu de linha no mercado nacional após 20 anos e cerca de 1 milhão de unidades vendidas. Em que pese o sucesso do Focus no mercado nacional, o Escort se manteve entre nós por duas décadas e até conviveu com seu sucessor por algum tempo, mostrando que, mesmo defasado, era um produto bem interessante, maduro e acertado.

  • Confira o canal do AutoPapo no YouTube.

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
SOBRE
8 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Polvo 19 de julho de 2022

Tive 2 Escorts e gostava muito deles. Um AP GLX 96 e um Zetec GL 97 e eram carros muito bons. Esse Zetec 1.8 16V era relativamente econômico pelo porte e peso e tinha um câmbio bem longo, lembro que era muito bom de estrada.

Avatar
Rafael 18 de julho de 2022

Eu que mande a pergunta sobre o Escort CHT na ultima live número 101.

Avatar
Leonardo 17 de julho de 2022

Escortao vai ficar quase q eternamente,o Zetec 16v só perde em uma certa pegada contra o Rocam,o 1.8 faz10 a12 na cidade tranquilo e 16 na estrada fácil a 100…120….e na hora de acelerar Rocam tem pegada a qualquer giro antes dos 5000….já o 16v não é assim,tem q estar no momento certo,mas se pega na veia numa reduzida de 5 para 3 a 90….o bicho tem joga no banco e cola 160 que vc até dúvida dos 115 cv’s e 16 de torque rsrs…tenho um ..hoje turbo de 500cvs,meu xodó inteiramente restaurado,um carro robusto e que chama atenção por onde passa,não troco e não vendo por naaaada!!!!

Avatar
Rafael 18 de julho de 2022

Leonardo o teu da muito problema nos sensores? Esse carro é maravilhoso apesar de algumas peças serem um pouco mais caras e alguns mecânicos fazerem vista grossa a esse carrão.

Avatar
Antônio Carlos dá Silva 17 de julho de 2022

Eu tenho Escort eropeu ano 93 direção hidráulica teto solar manual vidro elétrico 2.01 muito bom é um ótimo carro

Avatar
Henrique Cesar louvisi 17 de julho de 2022

Gostaria de ver a matéria do Escort 1989?

Avatar
Gilberto Fetzner Filho 17 de julho de 2022

Eu tenho um escort 2001, 1.6 8v. Um carro muito bom mesmo, mecanica boa e durável, econômico. Bom mesmo.

Avatar
José loureiro 16 de julho de 2022

Muito boa e interessante a reportagem do Escort vulgo Cicatriz. Possuo um GLX 97 desde zero e com 117.000 km em prefeito estado. Continue com essas reportagens. Parabéns.

Avatar
Deixe um comentário