Genesis GV80: melhor ter sacos de enjoo no porta-luvas

"O Genesis GV80 não é o carro mais desconfortável que já dirigi porque guiei um Nissan GT-R Nismo, mas chega perto"

genesis gv80 2022 5
Modelo faz parte da divisão de luxo da Hyundai (Fotos: Genesis | Divulgação)
Por Jeremy Clarkson
12 de novembro de 2021 19:03
Tradução: Bob Sharp

Eu nunca entendi muito bem o grave acidente do golfista Tiger Woods em fevereiro. Claro, a polícia diz que estava a mais de 130 km/h quando perdeu o controle, só que ele estava numa estrada larga e é um jovem decidido e de gestos rápidos, com uma mente afiada, de modo que a velocidade não deveria ser a causadora.

O que é mais relevante é que ele bateu na mureta central e depois cruzou a pista de volta, antes de colidir com uma árvore que peritos dizem ter sido a 120 km/h. Fica claro que ele não freou forte enquanto o carro andava. E então ele capotou várias vezes para depois sair do carro com nada mais que um ferimento numa perna. Como gosto de dizer, é estranho.

VEJA TAMBÉM:

Também nunca entendi muito bem que carro ele estava dirigindo. Fomos informados pelas equipes de reportagens locais da Califórnia que era um “Genesis” e supus que fosse um daqueles derivados estranhos e sem sentido como o Saturn, que a General Motors criou como estratégia de futuro num dos seus seminários escondidos. Por que Genesis? Porque Pink Floyd tinha o nome devidamente legalizado e Yes era muito estranho.

Genesis não é banda

genesis gv80 2022 9

Mas eu estava errado. Genesis na verdade é uma invenção sul-coreana, criada pela Hyundai para ser o que Lexus é para a Toyota. E agora, após algumas modificações para torná-lo mais apropriado às vias europeias, está sendo comercializado no Reino Unido.

Experimentei o topo de gama GV80 de tração nas quatro rodas e ficou imediatamente óbvio o que a Hyundai fez. Produziram uma máquina que parece bem “bentlês”, com bastante cromados na parte externa e muito couro macio dentro, e eles estão esperando que este duplo ataque estético e tátil, junto com o novo nome — Gong, certo? — seja bastante para arrastar negociantes de euros de dentro dos seus Audis, Volvos, BMWs e Mercedes.

Não ria. O fato é que a Nissan fracassou miseravelmente ao tentar um truque similar com sua marca Infinity, mas ao custo de 11 trilhões de dólares, o que a Toyota conseguiu com o Lexus. E a Hyundai está com um rolo agora. Alguns dos seus carros comuns são extremamente bons e as quentes versões N são absolutamente brilhantes. Mas o Barclay James Harvest GV80 não é. É um carro horrível.

Talvez por terem adotado algo chamado de “tecnologia de antecipação da estrada”, o que significa que câmeras fazem varredura da via à frente e quando o vigilante eletrônico percebe uma lombada ou buraco chegando, ele instrui a suspensão para certeza de que os ocupantes nada sintam.

Só não é pior do que o GT-R Nismo

Simplesmente não funciona. Mesmo no modo ‘conforto’ este carro anda como um avião leve numa tempestade tropical, arfando, batendo e cambaleando mesmo em partes lisas do asfalto.

Não é o carro mais desconfortável que já dirigi porque guiei um Nissan GT-R Nismo, mas chega perto. Com certeza eu manteria alguns sacos de enjoo no porta-luvas, pois se houver passageiros a bordo eles serão necessários.

E para piorar as coisas, o carro tem todos os usuais alertas sonoros feitos para certeza de se estar na estrada e em velocidade-limite. Mas quem quer que seja que projetou esses circuitos elétricos, nunca esteve nas colinas Costwolds;

A ideia — e ela nada tem de novo — é que ele leia as linhas brancas ao longo da via à frente e ao pensar que você está desgarrando para a faixa errada, ele assume o controle da direção. Em outros carros é uma intervenção discreta e consequentemente é apenas um incômodo discreto. Mas no King Crimson GV80 é como a Fúria Tyson na outra ponta da árvore de direção. E isso me fez subir pelas paredes.

Numa estreita estrada secundária é quase impossível não chegar perto da beira verde da grama ou da linha branca, de modo que o Tyson fica virando o volante como que dizendo ‘não!’ e você vai sentindo os solavancos causados pela rude suspensão, e aí quando você excede o limite de velocidade em 1 quilômetro por hora que seja, uma vívida luz vermelha acende-se projetada no para-brisa.

Tudo por que eu estava 82 km/h numa estrada que conheço bem e me senti tomando parte de uma exibição dos Red Arrows, o esquadrão de demonstrações aéreas da Força Aérea Real.

Encostei, procurei meus óculos…

O som do escapamento nem mesmo começou a superá-los. Pouco depois tive de fazer o que nunca fiz: encostar e parar, achar meus óculos e passar algum tempo tentando descobrir como todos os sistemas elétricos de saúde e segurança podem ser desligados.

Não havia nada que pudesse ser feito sobre a suspensão turbulenta, mas por fim desativei os avisos de velocidade e a Fúria Tyson montada no painel. Tudo isso significa que completei a viagem ao meu destino num carro que era simplesmente horrível em vez de completamente imprestável.

Todavia, meia hora mais tarde iniciei a viagem de volta para casa e não podia acreditar. Todos os itens de segurança voltaram a funcionar. Já ouviu uma vaca depois que sua panturrilha foi retirada? É som de miséria e desespero, e foi o mesmo barulho que fiz quando o volante de direção voltou a brigar comigo.

Não muito tempo atrás a Hyundai lançou um automóvel executivo na Inglaterra chamado Hyundai Genesis. Silenciosamente tiraram-no de produção, tendo vendido apenas 50 unidades. Um desastre de vendas, e acho que com GV80 será ainda pior.

O motor do meu carro de teste era um quatro-cilindros a gasolina muito fraco. Mas pelo menos emitia pouco dióxido de carbono. Me disseram que o diesel é melhor, mas quem quer um diesel hoje em dia?

Acho que nesse ponto devo falar sobre as câmeras voltadas para trás que mandam imagem para o painel do que está na faixa ao lado ao se ligar setas. Imagino ser menos provável atingir o apresentador Jeremy Vine ao dobrar à esquerda. Mas em compensação eu preferiria ter um Volvo e usar meus espelhos. Confio neles. Exceto o do meu banheiro, que mente toda manhã.

POR QUE SUV NÃO PRESTA? | Opinião do Boris Feldman

Não é a ‘praia’ da Hyundai

O problema é que a Hyundai está tentando fazer algo para o qual não está realmente preparada. Um fabricante como este procurando fazer um carro de luxo tipo Audi é como o McDonald’s tentar fazer um jantar gourmet ou eu resolver escrever sobre música clássica ou a Ferrari tentar vender chapéus.

O primeiro carro da Hyundai, lá atrás nos anos 1960, sob licença Ford, foi um Cortina de volante na esquerda. E então contrataram um grupo de ex-funcionários da British Leyland, que por serem interioranos, não entendiam problemas de gírias com rimas como chamar um carro de Pony.

Mas esta simples e prática máquina superou a parte de “e ratoeira” para se tornar o leito de pedra no qual a operação sul-coreana cresceu. E cresceu, até engolir a Kia para se torna o terceiro maior fabricante de automóveis do mundo. E agora resolveram fazer ovos para superar os Fabergé, verdadeiras joias. Não funcionou.

Mas o breve tempo que passei com a banda Jethro Tull me ajudou a entender por que Tiger Woods falhou totalmente em reduzir a velocidade uma vez que sabia que uma batida era iminente. Senti algo parecido ao dirigi-lo: “Por favor, Deus, deixe-o acabar.”

Nota do Clarkson
1 ★☆☆☆☆
Ficha técnica  Genesis GV80 2.5T 8AT AWD
Motor 2.497 cm³, 4 cilindros, turbo, gasolina
Potência 304 cv a 5.800 rpm
Torque 43 kgfm a 1.650 rpm
0-100 km/h 7,7 s
Velocidade máxima 236 km/h
Consumo 8,9 km/l
Peso 2.145 kg
Preço 50.600 libras

Você sabia que o AutoPapo também está presente em suas redes sociais favoritas? Clique e confira:

TikTok YouTube Facebook Twitter

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
SOBRE
8 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Faber 26 de novembro de 2021

Nota-se claramento que este velho é um psicopat@. Merece levar muito tap@ nas oreias grandes para deixar de ser trouxa

Avatar
Cynical Bastard 20 de novembro de 2021

Genesis GV80 2.5 Turbo tem relação peso/torque pior do que de uma SW4 7 lugares 2.8 Turbodiesel.

GV80 2.5T: 2145 Kg ÷ 43 Kgfm = 49,9 Kg/Kgfm

SW4 7L 2.8 TD: 2175 Kg ÷ 50,9 Kgfm = 42,7 Kg/Kgfm

Avatar
Marcos 17 de novembro de 2021

Genial pontuação dos atributos( se tiver algum) do veículo. Para quem já dirigiu quase todos os carros do mundo, é uma boa aula para a fabricante aprimorar seu produto.

Avatar
Diego 16 de novembro de 2021

Gibson, Kaio. Jeremy é old school (adora motores a combustão), mas não desconectado do mundo (automotivo). Não olha para um automóvel como um simples gadget tipo tablet com milhões de funções. Para ele, um automóvel é uma máquina que fabrica paixões. Sob esse ponto de vista, dirigir é uma terapia que não deve ser atrapalhada. E aí ele ataca tudo o que diminui, ou extingue, o prazer em dirigir, como esse ambicioso (desastroso) sistema de suspensão. O ápice de tecnologia dos carros dos anos 60, talvez, sejam as regulagens elétricas dos vidros e bancos, e isso é ótimo para um entusiasta! Sem contar que aqueles carros eram verdadeiras obras de arte sobre rodas.

Avatar
Antônio 15 de novembro de 2021

Que tradução PÉSSIMA

Avatar
Cynical Bastard 21 de novembro de 2021

Sim, ficou horrível. Traduziram até o nome do Tyson Fury para “Fúria Tyson”. É como se tivessem copiado o texto original em inglês e colado no tradutor do Google.

Avatar
Gibson 14 de novembro de 2021

Que análise tóxica. Dá pra notar que esse senhor gosta é das carroças dos anos 60. Ou o tradutor viajou na maionese.

Avatar
Kaio Souza 14 de novembro de 2021

Isso é o que acontece quando um velho guia um automóvel altamente tecnológico kkkkkk é como dar um smartphone para um idoso de 80 anos, não irá saber utilizar sem ajuda kkkkkkk.

Avatar
Deixe um comentário