Vale a pena o Renagade diesel de entrada ou flex completo?

A diferença entre o Jeep Renegade Flex Limited e o Renegade Moab diesel é de mais de R$ 17 mil; um é mais equipado, o outro tem mais desempenho

Por Fernando Miragaya 03/11/20 às 12h40
Especial para o AutoPapo
jeep renegade 2021 moab branco frente
Jeep Renegade Moab (foto: Jeep | Dvulgação)

Tem uma turma aqui no AutoPapo (inclusive, esse que vos escreve) que é fã de motor a diesel. Que os ambientalistas não me leiam, mas esse tipo de propulsor, além da famosa robustez, é uma delícia para dirigir.

O motor diesel tem força em baixos giros, costuma ser econômico e ainda tem aquele tilintar agudo indefectível vindo do capô. Só que nem tudo são flores quando o assunto é carro a diesel.

As discrepâncias ficam evidentes na linha Jeep Renegade 2021. Dentro da gama do SUV compacto da Jeep, as versões turbodiesel são bem mais caras que as flex.

A menor diferença é de R$ 17.300, e isso porque a marca acaba de lançar uma configuração de entrada Moab com o 2.0, bem mais em conta. Ou seja, por menos que um a diesel básico, você pode levar um flex completinho.

VEJA TAMBÉM:

Renegade 2021: preços do flex top e diesel de entrada

Por isso vamos comparar as duas versões em diferentes quesitos para você ver qual Renegade se adequa melhor ao seu perfil. De um lado, a opção topo de linha com o 1.8 flex, o Renegade Limited por R$ 122.390. Na outra ponta, o Renegade Moab, que custa R$ 139.690 e é a de entrada com o propulsor mais robusto.

Desempenho

Bem, como previsto – e sem puxar sardinha -, em performance o turbodiesel vai sobrar. Ainda mais que o rival é um motor flex já defasado.  Com 170 cv, o 2.0 16V Multijet II tem arrancadas bem dispostas e retomadas para lá de animadas. É pisar que o propulsor responde de imediato e despeja os 35,7 kgfm já a 1.750 rpm.

Tudo é embalado por um câmbio automático de nove marchas e a tração integral. A caixa ZF parece ter nascido para este motor, com mudanças ágeis, trancos moderados e relações bem pensadas para uma pegada mais rápida na estrada asfaltada ou para uma proposta mais cautelosa no fora de estrada.

Por falar em off-road, além da tração 4×4 com reduzida, o Renegade 2021 Moab tem capacidades que o permitem ir um (pouco) além da estradinha de terra do sítio. Prova disso são os ângulos de ataque de 30 graus, de saída de 35 graus e o vão livre do solo de 22,4 cm, todos superiores aos do irmão que bebe gasolina e etanol.

jeep renegade 2021 moab branco traseira
Ângulos de entrada e saída são superiores no Renegade diesel em relação ao flex

O Renegade 2021 flex fica mais como aquele SUV de butique para a cidade, com desempenho competente para o uso urbano. O 1.8 E.torQ de até 139/135 cv – que já está para se aposentar – até demonstra disposição nas saídas de semáforo. Porém, a transmissão automática de seis marchas tem muitas imprecisões e atrapalha o cansado propulsor.

Tanto que, segundo dados do fabricante, o 0 a 100 km/h do Renegade flex é quase dois segundos mais lento que o do turbodiesel (11,8 segundos, contra 9,9 s). Para piorar, o motor 1.8 tem rodar áspero, ruidoso e com retrospecto de beberrão (dados de consumo abaixo).

jeep renegade 2021 limited traseira
Consumo do Renegade flex é uma desvantagem do modelo

0 a 100 km/h

  • Renegade flex: 11,8 segundos
  • Renegade a diesel: 9,9 segundos

Ângulo de ataque

  • Renegade flex: 27 graus
  • Renegade a diesel: 30 graus

Ângulo de saída

  • Renegade flex: 31 graus
  • Renegade a diesel: 35 graus

Vão livre do solo

  • Renegade flex: 21,1 cm
  • Renegade a diesel: 22,4 cm

Consumo do Jeep Renegade 2021

Ciclo urbano

  • Renegade flex: 6,4 km/l (etanol) e 9,4 km/l (gasolina)
  • Renegade a diesel: 10,2 km/l

Ciclo rodoviário

  • Renegade flex: 8,0 km/l (etanol) e 11,0 km/l (gasolina)
  • Renegade a diesel: 12,9 km/l
Jeep Renegade Flex Limited Jeep Renegade Moab
2 ★★☆☆☆ 4 ★★★★☆

Equipamentos e custo-benefício

Neste quesito, o Renegade 2021 Limited vence com facilidade. Ela é a mais cara com motor bicombustível, porém tem itens de série a mais – mesmo assim, é 12% mais barata que a Moab. A diferença já se nota em itens de segurança: são seis airbags da flex contra apenas as duas bolsas obrigatórias frontais da versão de entrada a diesel.

Monitoramento da pressão dos pneus, retrovisor eletrocrômico, sistema start/stop do motor, bancos de couro, sensores de luminosidade e de chuva e chave presencial também são itens que só o Renegade flex mais completo tem neste duelo. O controle automático de descida é o único “diferencial” do SUV com motor turbodiesel em relação ao irmão.

Em comum, os dois saem de fábrica com controles de estabilidade e tração, assistente à subida em rampas, ar-condicionado automático bizona, direção elétrica, freios a disco nas quatro rodas, Isofix, rodas de liga leve, bancos de couro e volante com regulagens de altura e de profundidade.

A central multimídia tem telas de tamanhos diferentes. A do Renegade Flex é maior, com 8,4 polegadas, enquanto no Reneegade Moab o display tem 7”. Ambos oferecem conectividade Apple CarPlay e Android Auto, comandos de voz e entrada USB.

Jeep Renegade Flex Limited Jeep Renegade Moab
4 ★★★★☆ 3 ★★★☆☆

Pós-venda: preços de revisões

Os planos de revisões das versões do Renegade 2021 são bem diferentes quando se muda de motor. Nos prazos e na conta final até os 60 mil km, as variantes equipadas com o turbodiesel são mais atraentes em termos de custos e prazos.

Afinal, os intervalos do Renegade Moab são a cada 20 mil km, contra a cada 12 mil km do Renegade Limited flex. Dê uma olhada nos preços fixos de manutenção informados pela Jeep.

Revisões: Renegade 2021

Renegade 1.8 flex

  • 12.000 km: R$ 469
  • 24.000 km: R$ 813
  • 36.000 km: R$ 897
  • 48.000 km: R$ 813
  • 60.000 km: R$ 1.472
  • Total: R$ 4.464

Renegade 2.0 turbodiesel

  • 20.000 km: R$ 906
  • 40.000 km: R$ 1.250
  • 60.000 km: R$ 1.696
  • Total: R$ 3.852
Jeep Renegade Flex Limited Jeep Renegade Moab
2 ★★☆☆☆ 3 ★★★☆☆

Fotos: Jeep| Divulgação

12 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    Amarildo rossi papa 5 de novembro de 2020

    Fico pensando aqui se alguém em sã consciência pagaria 122.990 num Renegade por mais completo que seja… Eu não achei meu dinheiro no lixo…

  • Avatar
    Erich Bendlin 4 de novembro de 2020

    Não dá pra comprar, são 2 motores diferentes, com cavalaria e torque muito maior no diesel, apesar do carro ser quase o mesmo com vantagem tecnologica ao flex Faltou custo com seguro, etc etc, será que em 3 ou 4 anos eu gastaria os 17mil em combustível e manutenção? Será mesmo? Vamos as contas = Rodando 12mil km num ano eu gastaria pela sua média 1.666 litros de etanol daria R$ 5.316 (3,19 o litro em Curitiba) e no diesel com a mesma km e sua média gastaria 1.039 litros e custaria R$ 3.211 (3,09 o litro em Curitiba). Concluindo só em combustível uma diferença de R$ 2.105 em favor ao diesel… É pra se pensar melhor! Fora que manutenção em carro a diesel não é qualquer oficina que trabalha.

  • Avatar
    Marcelo 4 de novembro de 2020

    Carro a diesel polui demais além de ser caro. Custa caro para o bolso e para o meio ambiente. As montadoras têm que apostar mais em carros híbridos e elétricos.

  • Avatar
    Marcelo 4 de novembro de 2020

    Carro a diesel polui demais além de ser caro. Sai caro para o bolso e para o meio ambiente. A indústria automobilística tem que inovar e apostar mais em carros híbridos e elétricos.

  • Avatar
    BRUNO VILELA DE OLIVEIRA 4 de novembro de 2020

    Testes e comparativos de carros não se limitam a desempenho, existem milhões de coisas tão importantes quanto. E o desempenho do diesel só dá uma impressão de ser melhor, na comparação prática são bem similares.

  • Avatar
    Guilherme Sillero 3 de novembro de 2020

    Tem um vídeo no YouTube do Razuk, acho que é esse o nome
    Comparação de desempenho
    Ele não viu diferença gritante não
    Um abraço

  • Avatar
    Samarone 3 de novembro de 2020

    Renegade por Renegade é melhor ir de Diesel seminovo, já teve a maior depreciação que é quando sai da loja e as demais são bem menores, e um motor Diesel bem cuidado dura uns 600000km.

  • Avatar
    Felipe 3 de novembro de 2020

    Caro Jorge Nicolau… Você se confundiu… são apenas 3 trocas de óleo a mais… aos 10, 30 e 50 mil km.
    Quanto à sua escolha, entendo como parcialmente correta se pensarmos apenas em custo e desempenho… mas é bem menos espaçoso e de projeto já cansado. Aí, vai do gosto do freguês escolher qual a sua prioridade…

    • Avatar
      Jorge Nicolau 3 de novembro de 2020

      Vc está correto Felipe. Me equivoquei e esqueci que aos 20-40 e 60 a troca já está inclusa. Apertado por apertado a diferença é mínima e o EcoSport ainda ganha no porta malas apesar de que os dois são péssimos.

    • Avatar
      Milton 5 de novembro de 2020

      Francamente ninguém fez as contas cento e quarenta mil na poupança quanto renderia sem falar em seguro manutenção combustível obs:com certesa um Uber sairia 100 por cento mais barato sem dores de cabeça com motorista e até carros executivos a disposição com presos ótimos.

      • Avatar
        Felipe 12 de novembro de 2020

        Sua opção está longe de ser ruim, mas para quem roda pouco… e ainda assim, se sujeita aos incômodos de não conseguir Uber em horários de pico ou em momentos de urgência, dependendo do bairro que você mora/trabalha. E eu, pessoalmente, me incomodo bastante com os muitos “ruins de roda” e meliantes que resolvem sair dirigindo como motoristas de Uber… não confio.

  • Avatar
    Jorge Nicolau 3 de novembro de 2020

    Um erro grave na reportagem, as revisões dos motores diesel são a cada 20 MKM, mas as trocas de óleo são a cada 10 MKM, então no custo até os 60 MKM tem que incluir o custo de 5 trocas de óleo. Entre estes dois eu escolho o EcoSport Storm AWD, é mais equipado que o Renegade Flex e o desempenho é similar ao Renegade diesel, e pela diferença de preço posso rodar no mínimo 4 anos a custo zero inclusive o seguro.

Avatar
Deixe um comentário