Duas alemãs enfrentam ‘caveira de burro’; sueca foi mais esperta

Estimuladas pelo governo brasileiro, marcas premium investiram em fábricas aqui no país. Nem todas se saíram bem

mercedes benz classe c nacional
Mercedes Classe C feito no Brasil (Foto: Edson Lopes Jr | A4 Divulgação)
Por Boris Feldman
19 de dezembro de 2020 07:00

Não era novidade: Philipp Schiemer, ex-presidente da Mercedes no Brasil (ele voltou para a Alemanha em junho deste ano) avisou que estudava fechar a fábrica de automóveis em Iracemápolis, no interior de São Paulo.

Ela produzia lá dois modelos desde 2016, o GLA e o Classe C. Foi construída para se valer dos incentivos do plano Inovar Auto estabelecido pelo governo federal em 2012. As marcas que viessem a produzir aqui teriam incentivos, o que levou Mercedes, BMW e Jaguar Land Rover a implantar fábricas no pais.

VEJA TAMBÉM:

A Audi também aderiu ao plano, voltando a se utilizar da fábrica da VW (do mesmo grupo) no Paraná, onde já tinha produzido o A3 hatch.

Na quinta-feira (17), a Mercedes anunciou oficialmente o fechamento da fábrica. Fez as contas e percebeu ser mais barato trazer o GLA e a série C da Alemanha que produzir localmente. O baixo volume de vendas e o elevado Custo Brasil inviabilizaram a operação.

Iracemápolis é o segundo fracasso da marca. O primeiro foi com o Classe A em Juiz de Fora, produzido apenas de 1999 até 2005. A fábrica tornou-se um elefante branco e os alemães decidiram substituir o Classe A pelo Classe C para exportação. Depois passou a fabricar caminhões e, agora, só cabines.

Audi também tentou duas vezes

A Audi repetiu os dois fracassos da Mercedes:

  1. Associada com a Volkswagen, construiu uma fábrica em São José dos Pinhais (PR) para dividir a produção do A3 hatch com o VW Golf. O carro da Audi durou apenas sete anos, de 1999 a 2006.
  2. Em 2016, com o estímulo do Inovar Auto, voltou a produzir na mesma fábrica. Desta vez, o A3 sedã e o SUV Q3.

Volume de mercado e custos inviabilizaram o empreendimento e a Audi está prestes a encerrar novamente a produção local. O Q3 deu adeus no final de 2019 (o novo modelo já chega importado). O A3 sedã terá mesmo destino, pois deixa, este mês, de ser produzido por aqui e a nova geração virá da Europa.

audi a3 sedan prestige plus 25 anos
A3 Sedan feito no Brasil ganhou até série especial de 25 anos de mercado (Foto: Audi | Divulgação)

A empresa não anuncia – como a Mercedes – que encerra definitivamente a produção local, mas “analisa possibilidades”. E argumenta que a matriz está insatisfeita com a postura do governo brasileiro e não aprova mais investimentos aqui, pois leva um calote de mais de R$ 100 milhões (relativos aos incentivos) dos cofres públicos. Cansou da “caveira de burro” e vai manter apenas a importação de automóveis.

Inglesa e alemã vão bem, obrigado

 A BMW, aparentemente mais hábil que as outras germânicas, driblou empecilhos, investiu numa fábrica em Araquari (SC) onde produz vários modelos de utilitários (linha X) e o sedã 320 e conquistou a liderança do segmento premium. Enquanto as outras duas alemãs se retiram de mala e cuia, ela continua firme e forte em sua operação brasileira.

A Jaguar Land Rover se instalou em Itatiaia, no interior do estado do Rio de Janeiro. Operação bem mais modesta, ela monta hoje, após passar pelos percalços pandêmicos, o Discovery Sport. Discreta (sob todos os aspectos), diz que o compromisso e estratégia da Jaguar Land Rover no mercado brasileiro é de longo prazo”.

Apresento um BMW que é um verdadeiro “foguetinho”:

Volvo cortou o mal pela raiz

O anúncio do Inovar Auto entusiasmou executivos de algumas marcas premium, mas o suecos da Volvo foram mais cautelosos e parecem  conhecer melhor o Brasil. Depois de debruçarem meses em cálculos, simulações e projeções, concluíram pela inviabilidade de investir numa operação industrial, mesmo abrindo mão dos incentivos oferecidos pelo governo federal. E continuaram importando seus automóveis, pois concluíram que:

  1. A demanda do mercado doméstico seria insuficiente para viabilizar a operação;
  2. O “Custo Brasil” inviabilizaria exportar parte da produção;
  3. A instabilidade da economia brasileira não inspirou confiança da matriz.

A estratégia dos suecos revelou-se adequada ao país, pois depois de alguns anos amargando um quarto lugar no ranking dos importados premium (à frente somente da Jaguar Land Rover), a Volvo alcançou este ano o segundo lugar em vendas, atrás da BMW, mas à frente da Mercedes e Audi.

SOBRE
8 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Fabrício Santos 25 de dezembro de 2020

“… O carro da Audi durou apenas sete anos, de 1999 a 2006.” Apenas?! Acho que o advérbio ficou um cadinho encabulado de acompanhar os sete anos!

“… argumenta que a matriz está insatisfeita com a postura do governo brasileiro e não aprova mais investimentos aqui, pois leva um calote de mais de R$ 100 milhões (relativos aos incentivos) dos cofres públicos.” Verdade, verdadeiríssima! Além do problema endêmico brasileiro que é a concentração de renda, a desordem, a instabilidade e a falta de confiança em nossas instituições arruínam qualquer projeto desse porte.

A concentração de renda é, na minha opinião, a origem de todo esse caos: há ricos riquíssimos no Brasil, mas são poucos. Uma família da classe A ou B, que tem poder aquisitivo de sobra para encarar automóveis desse nível, não precisaria de adquirir mais do que dois ou três, por mais dinheiro que sobre. Ou seja, não é vendendo para esse público seleto e exclusivo que uma montadora pode se fiar. Enquanto não se mudar a estrutura e a distribuição de renda no Brasil, o carro que aqui se produz tem seu teto e sua viabilidade limitados.

Avatar
Alberto 21 de dezembro de 2020

Essas marcas nao sao para o mercado brasileiro. Os precos sao impeditivos. Nuncao vao concorrer com gm ford vw e fiat. Ja pensou se a fiat so produzisse ferrari no brasil. Teria que fechar tambem. Os europeus precisam entender que os seculos XV ja passaram faz tempo.

Avatar
CoffinatorBR 20 de dezembro de 2020

O problema de Mercedes, Audi e outras foi também continuar “fabricando” os carros aqui com o mesmo preço de quando eles eram importados, não adiantando nada no preço para o consumidor final, que foi buscar outras alternativas melhores. Colocar a culpa apenas no país é lugar comum e faltou aos interessados a aula de estratégia, strategy, estrategia…

Avatar
William Cezar 19 de dezembro de 2020

Só um adendo… Araquari é no norte de Santa Catarina, não no Paraná, como disse a reportagem.

AutoPapo
AutoPapo 19 de dezembro de 2020

Tem razão! Obrigado

Avatar
Rodrigo MARTINIANO 19 de dezembro de 2020

Gostei demais da expressão popular “caveira de burro”, ou falta de sorte.

Avatar
Carlos Rocker 19 de dezembro de 2020

Municipio de Araquari é no Estado de Santa Catarina onde produz BMW, nao no Parana como afirma a reportagem.

AutoPapo
AutoPapo 19 de dezembro de 2020

Corrigimos a derrapada, obrigado

Avatar
Deixe um comentário