Potência para inglês ver…

Depois de pelejar para arrancar mais cavalos do motor, teve fábrica que chutou o balde e apelou até para o.... velocímetro

Por Boris Feldman 26/09/20 às 09h00

Qual a origem da expressão “para inglês ver”?

Entre as hipóteses, uma frase famosa do poeta inglês Lord Byron (1788-1824): “O inverno inglês, que acaba em julho e retorna em agosto”. Talvez uma alusão ao inexistente “verão” na Inglaterra. Ou seja, de acordo com Byron, só “para inglês ver”. (*)

Conterrâneo e contemporâneo de Lord Byron, James Watt (1736-1819) foi matemático, engenheiro e responsável pelo desenvolvimento do motor a vapor, decisivo para a revolução industrial que se originou na Inglaterra no final do século XIX. Seu sobrenome acabou virando unidade de potência.

Os dois ingleses acabaram se “encontrando” no Brasil, com a autoconcedida licença (poética…) das fábricas ao anunciar a potência (…) dos motores.

Uma das primeiras mentiras da lista do “m’ingana que eu gosto” foi da Vemag, ao lançar em 1964 o Fissore, sedã de duas portas. Mecânica idêntica à dos outros DKW (sedã Belcar, perua Vemaguete, jipe Candango), com motor 2T, de 50 cv. Embora muitos digam hoje ser uma tecnologia moderna, já era 1.0 de três cilindros.

VEJA TAMBÉM:

Luiz Fernandes, presidente da Vemag, foi à Itália em 1961 encomendar um projeto ao estúdio Fissore, mas não entendeu a demanda de seu marketing: esportivo, leve e aerodinâmico.

Tempos depois chegava na Vemag o molde de um pesado e nada aerodinâmico sedã que pesaria mais de 1.000 kg. E mais para luxuoso do que esportivo. Do que solicitara o marketing ao presidente, só as duas portas.

dkw fissore
DKW Fissore: desempenho raquítico!

Os primeiros testes confirmaram a apreensão dos engenheiros:  “raquítico” de desempenho mesmo com o motor  anabolizado para render supostos 60 cv, pois pesava 100 kg mais que o Belcar.

O motor (utilizado depois também no Belcar S) tinha um ligeiro “veneno” em relação ao de 50 cv. Mas aplicado em motores cuidadosamente selecionados entre os que já rendiam uns cavalinhos a mais no dinamômetro, beirando 55 cv.

Mesmo assim o Fissore ainda desempenhava menos que o Belcar e então o competente Jorge Lettry, “mago” das preparações e chefe do departamento de competições da Vemag, fez o possível e o impossível: reduziu espessura de vidros, encurtou a relação do diferencial e outras peripécias. Mas nem assim o desempenho superava o do Belcar.

O recurso final foi apelar para a VDO, fábrica de velocímetros: “Seria possível, por obsequio, envenenar o ponteiro?”.

E com este velocímetro “especial” o carro foi lançado em 1964.

  • Veja também: apresento um DKW com desempenho empolgante, o GT Malzoni

Octanagem mágica

Outra “enganação” mais recente foi da Volkswagen em 2007, ao lançar a versão esportiva do Golf, a GTI. O motor era 1.8 turbo, de quatro cilindros, com 180 cv.

No início de 2007, um mês depois de a Honda lançar o Civic Si com 192 cv, a engenharia da VW fez das tripas coração para superar o concorrente. Mas não passava dos 187 cv, até que alguém sugeriu medir a potência com gasolina Podium. Na época, a única com octanagem RON 102/103.

Bingo! O motor rendeu 193 cv, 1 cv mais que o do Civic e abrigando o maior haras entre os nacionais. Porém, um problema: a Podium só era disponível em algumas capitais e outras poucas cidades. Na maioria dos casos, o GTI jamais teria a potência anunciada.

Outro detalhe: a Honda se manteve com elegância no episódio, jamais declarando os 195 cv do Civic Si desde que abastecido com a Podium.

volkswagen golf gti
VW Golf GTI precisava de gasolina Podium para ter potência máxima

Potros no navio

O Hyundai Veloster, invocado cupê esportivo de três portas, só tinha velocidade no nome, daí os apelidos jocosos como Vagaroster, Devagoster…

Sua importadora, a Caoa, anunciava potência de 140 cv no motor com injeção direta. Mas, desembarcava no Brasil com injeção indireta e mesma potência da linha HB20: 128 cv.

Foi o bastante para um jornalista (eu…) observar que nasciam 12 potros no navio, entre o embarque na Coreia e desembarque no Brasil…

(*) Outra hipótese: o Brasil assinou um tratado com a Inglaterra em 1831 comprometendo-se a abolir a escravidão. E publicou uma lei nesse sentido, que só foi respeitada em 1888. Até então, a lei era só “para inglês ver”.

hyundai veloster
Hyundai Veloster ‘perdeu’ uns cavalos ao desembarcar no Brasil

Fotos: Divulgação

SOBRE
2 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    Luiz Roberto Imparato 1 de outubro de 2020

    Boris as informações enganosas das montadoras aqui no Brasil precisam ficar registradas num livro. Por que você não faz isso? Ralf Naider já ficou esquecido mas a má fama dos executivos da GM em enganar o consumidor continua. Vide o livro do Ralf, o vídeo “Quem matou o Carro Elétrico”, o Escândalo Cobalt nos EUA e o episódio não muito apurado aqui no Brasil, onde a GM parece ter retirado as barras das portas para baratear o ONIX. Esse do Fissore e do GOL são fantásticos.
    Só para relembrar, eu recebi você na VWCO em Resende na sua primeira visita a pedido do Marcos Brito. Nós estamos envelhecendo mas essas montadoras tem suas assessorias de imprensa para tentar limpar o seu passado junto aos consumidores. O livro poderia relatar o fato e se for o caso as providências. Como a GM fez com o Ralf Naider contratando ex funcionários do FBI para denegrir sua imagem. Pense nisso e eu poderei relatar alguns casos a você. Um abraço!

  • Avatar
    Claudiomir Elton Temp 26 de setembro de 2020

    Tenho um carro gol special ano 2002 , modelo 2003, não troco este carro por ser muito econômico .

Avatar
Deixe um comentário