‘Empurroterapia’: tem concessionária que não perdoa…

Consultor sugere lubrificar porcas das rodas. Deveria usar também outro óleo, o de peroba, para lustrar a cara de pau

Por Boris Feldman 15/08/20 às 08h00

A lenga-lenga é sempre a mesma: o dono leva o carro para a oficina da concessionária e procura o “consultor técnico” (nova denominação de recepcionista) para a revisão obrigatória.

O consultor confere a papelada e passa o orçamento: “Vai ficar em R$ 950”. O dono protesta e aponta para um cartaz bem ali na parede informando que aquela revisão é tabelada em R$ 350. “Por que quase o triplo?”, pergunta.

Hora das “explicações” na ponta da língua: o valor anunciado é da revisão standard, sem outros serviços importantes a serem também realizados. Os mais frequentes:

Troca do rolamento da correia dentada

Na quilometragem recomendada no manual, só consta a troca da correia, preventivamente. Em alguns raros casos (Renault, por exemplo) também o rolamento. Argumento do consultor: já que o conjunto foi desmontado, vamos trocar também o tensor/rolamento, para evitar abrir tudo de novo daqui a dois meses… E o rolamento – ainda em ótimas condições – vai para o lixo (será?).

Limpeza da sonda lambda

Situada no escapamento, informa para a central eletrônica – do carro flex – qual o combustível no tanque, se gasolina ou etanol. Ou uma mistura. Só que inexiste limpeza de sonda lambda.

Descarbonização do motor

Apesar de ter sido sempre abastecido com etanol (baixíssimo teor de carbono) e o motor estar limpo, o consultor “percebe” (sabe-se lá como) a necessidade deste serviço.

Balanceamento

O alinhamento é realmente recomendado em determinada quilometragem, mas nada a ver com balanceamento de rodas, exceto se o motorista percebe uma vibração no volante.

balanceamento roda traseira shutterstock
Fez o alinhamento, precisa fazer o balancamento? Não necessariamente (Foto: Shutterstock)

Lubrificação

Nada mais se lubrifica no automóvel moderno. Nem mesmo a suspensão, que exigia este serviço no passado. Talvez as dobradiças das portas, se estiverem rangendo. Ou coisa semelhante. Mas, recentemente, tentativa de extorsão sofrida pela dona de um Honda levado para a revisão foi a insistência de se lubrificar  “as porcas das rodas”. Pode? Aliás, além do óleo para lubrificá-las, o consultor deveria usar também o de peroba para lustrar a cara de pau…

Na revisão, prevista a troca de óleo do motor. Entra então em cena a empurroterapia: um aditivo para “prolongar a vida do motor”. Pode ser até perigoso, pois o óleo já vem de fábrica com os aditivos necessários. Ora, se os extras não combinarem quimicamente com os originais, o motor pode até ser danificado.

Limpeza do tanque

O carro pode rodar centenas de milhares de quilômetros e dezenas de anos sem exigir manutenção do tanque de combustível. Exceto na quase impossível situação de ter ficado estacionado por muitos anos com o tanque vazio.

Trocar discos

A oficina observa a necessidade de trocar as pastilhas de freio, que é normal. Mas – atenção! – vem também a recomendação da desnecessária troca dos discos, que não é automática, como alegam: só se estiverem danificados, riscados, empenados e impossível retificá-los por já terem atingido a espessura mínima especificada.

Limpeza do sistema de injeção

Só se limpa o que está sujo. E que se percebe pelo funcionamento irregular do motor. Mas o consultor já sapeca na ordem de serviço “limpeza de bicos (ou válvulas) injetores’, ou do TBI (corpo da borboleta) sem que o dono tenha reclamado nenhum problema de marcha lenta, tossir, engasgar, perder desempenho, aumentar consumo…

Falo mais sobre esse assunto neste vídeo:

Os consultores das concessionárias que exercem a empurroterapia se armam de uma inexplicável sabedoria para sustentar seus insustentáveis argumentos. Contam com a ignorância técnica do freguês e a inexorável – e falsa – alegação de que, se o serviço não for autorizado, o carro perde a garantia. Poucos sabem que o “consultor” tem função dupla: a técnica e a comercial, pois é comissionado para impingir os extras aos fregueses.

Tanto a empurroterapia se disseminou que as fábricas, preocupadas, divulgam os preços das revisões obrigatórias. Inutilmente, pois não conseguem conter a “criatividade” de algumas concessionárias sedentas por maior faturamento, ainda que ignorando os mais elementares princípios de honestidade.

SOBRE
6 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    Marcos Cardoso 25 de setembro de 2020

    Na concessionária Ford em Anápolis trocaram as velas do Fusion que eu tinha com 13.000km. Outra vez, na revisão, me venderam um filtro de ar, quando cheguei em casa, resolvi verificar o novo filtro, vez que pedi o filtro antigo e o “consultor” disse que haviam descartado, quando abri, estava um filtro claramente usado. Voltei no outro dia e o “consultor” primeiro disse que havia sido trocado, quando eu disse para ele abrir a caixa do filtro para verificar ele puxou OS e falou de que fato não havia sido trocado pois não havia filtro em estoque, pedi meu dinheiro de volta, então ele disse que o filtro não havia sido cobrado, então mostrei a OS no valor X e a informei que havia pago os mesmos X pela revisão, então ele insistiu que eu não havia pago pelo filtro, então resolvi comparar item por item entre a OS e a nota fiscal, descobri que ele tirou a OS com o filtro por R$130,00, como não tinham o filtro, ele tirou o filtro da nota e aumentou a mão de obra em R$130,00 como teste de rodagem. Pedi para chamar a gerente de serviços, expliquei a situação e ela ordenou que ele tirasse um vale no caixa em me pagasse os R$130,00. Pensei: o “consultor” não foi honesto, então será dispensado. 6 meses depois voltei na concessionário e estava o “consultor” trabalhando normalmente, então tive certeza que este era um procedimento comum e tolerado pela concessionária. Conclusão: não fiz mais revisões do carro na concessionária Ford em Anápolis e não compro mais carros da Ford.

  • Avatar
    C. Fondeville 20 de agosto de 2020

    Muito oportuno o seu comentário sobre lubrificar “as porcas das rodas” pois seria um ato perigoso podendo soltar as mesmas.

  • Avatar
    Fernando B 16 de agosto de 2020

    Concordo que existe má fé de muitos “consultores”, mas o proprietário precisa pelo menos ler o mínimo do manual para não ser passado para trás. Lá geralmente se diz tudo que é obrigatório para manter a garantia ( em geral óleo, filtro, vela, correia e mais um ou outro item) os demais é sempre fazer por fora e somente se necessário.

  • Avatar
    Laercio 15 de agosto de 2020

    Normal. Em um país de ladrões não se pode esperar outro comportamento de ladrões a serviço de empresas e comércios pertencentes a ladrões. Durante o prazo da garantia todos os proprietários de veículos são roubados descaradamente.

  • Avatar
    Uberto Guimarães Toledo Júnior 15 de agosto de 2020

    O que fazer se houver ” insinuação ” de perda de garantia se um serviço desnecessário não for feito?

  • Avatar
    LUIS PIRES 15 de agosto de 2020

    Esqueceu-se de outras coisas como: Alinhamento = SEMPRE tem que fazer uma “cambagem” mesmo quando o carro nunca esbarrou num buraco ou meio fio sequer; MUITOS serviços NÃO SÃO FEITOS dentro da concessionária, são terceirizados pra fora. Resumindo: O fabricante do carro lhe dá um livrinho chamado MANUAL DO PROPRIETÁRIO. Lá tem tudo o que precisa fazer e não te obriga a ser na concessionária, pois seria crime de venda casada.

Avatar
Deixe um comentário