Solução mecânica do Ford Bronco é a mesma do Agrale Marruá

Câmbio manual com "super" primeira marcha resultava em maior versatilidade do jipe e ainda burlava a lei do diesel 

Por Boris Feldman 24/07/20 às 21h45

A Ford acaba de relançar o jipe Bronco nos Estados Unidos, que virá para o Brasil na versão Sport, a ser importada do México. Foi produzido durante 30 anos (1966 a 1996) e descontinuado, pois o mercado estava, segundo os marqueteiros da empresa, mais a fim de um SUV do que um jipe.

Erraram: a Jeep apostou uma pilha de fichas nos utilitários esportivos, sem contudo abandonar o lendário jipe Wrangler, um sucesso da marca até hoje.

A Ford voltou atrás 24 anos depois e foi além: Bronco não é mais um modelo, porém uma nova marca da empresa, dedicada aos clientes apaixonados pelo off-road.

Uma das novidades mecânicas do novo Bronco é que, além do câmbio automático (deve ter norte-americano que nunca viu um pedal de embreagem na vida…) tem também um manual de sete velocidades. Além de constar no pomo da alavanca a numeração de “1” a “6” e “R” (reverse ou ré), tem outra marcha com letra ao invés de um dígito: “C”, inicial de Crawler, que significa rastejar em inglês.

VEJA TAMBÉM: 

Subindo parede

Esta solução mecânica substitui a necessidade de uma caixa de redução para vencer rampas extremamente íngremes. Como se fosse uma primeira marcha super-reduzida para “subir parede”.

No caso do Bronco, quase sobe mesmo, pois sua relação é de 6,588:1, enquanto a primeira (que já é bem curta) fica em 4,283:1. Ou seja, 53% mais reduzida e engatada juntamente com a tração nas quatro rodas.

A marcha “C” resulta num torque tão violento nas rodas que, engatada, atinge velocidade máxima de apenas 11,2 km/h (7 mph) e permite que o Bronco rode a apenas 1,6 km/h (1 mph) sem que o motorista tenha que acionar a embreagem, evitando seu desgaste em trechos mais radicais.

Por que o Ford Bronco e não o Troller? Veja o vídeo e entenda

Burlando a lei

Curiosamente, esta solução foi adotada no Brasil pela Agrale em seu jipe Marruá, que tinha uma primeira marcha chamada de “Primeira Trator”, também super reduzida e para evitar a caixa de redução.

No caso do Marruá, sua Crawler, além dos fins operacionais, servia também para burlar a legislação brasileira que exige (até hoje) a caixa de redução (“reduzida”) para se classificar um veículo como jipe e ter direito ao  motor diesel. A Agrale convenceu o Contran que esta “superprimeira” substituía a reduzida e o Marruá foi homologado para o combustível.

agrale marrua am 200 no off road
Agrale Marruá: modelo apela para a “Primeira Trator” (Foto: Agrale | Divulgação)

Aliás, depois da Agrale, várias outras empresas “convenceram” o órgão de trânsito a terem seus automóveis homologados para o diesel apesar de não contarem com a caixa de redução.

A primeira da fila foi a Mercedes-Benz, que obteve permissão para importar o utilitário esportivo ML 320: a empresa acionou seu lobby em Brasilia para convencer o Contran que os recursos eletrônicos eram uma solução mais moderna para tracionar o veículo no off-road.

Depois do caminho aberto pela Mercedes, outras marcas conseguiram burlar a legislação e até hoje fabricam e importam SUVs com motor diesel sem a caixa de redução.

Exatamente na contramão da legislação que proibia este combustível em veículos de passeio exatamente pela redução de impostos para baratear o transporte de carga e passageiros (caminhões e ônibus) e algumas exceções para veículos agrícolas e picapes.

4 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    Nanael 27 de julho de 2020

    Legislação bem estúrdia, diga-se de passagem, não se justifica mais. Se foi tão simples para a Mercedes-Benz conseguir contornar, então a GM poderia fazer o mesmo pelo Tracker, ou até pela Spin, assim que a clientela começasse a pedir.

  • Avatar
    Maurício moreno 26 de julho de 2020

    Tiozinho está com o prazo de validade vencida. Mete o pau no troller, falando que a Ford não quis por o nome dela no troller. Mas vangloria a própria Ford que tb não vai dar o nome no bronco,vai por marca própria. Acho que faltou ar,no cérebro dele, e ele, a mistura está fraca.

    • Avatar
      Vini 27 de julho de 2020

      Ele não é gaga, é só um hater da Troller. Critica até o material usado na carroceria…

  • Avatar
    Antônio Bazi 25 de julho de 2020

    Esperamos que seja um valor acessível para a população de classe média.

Avatar
Deixe um comentário