Veículos pesados: futuro não será elétrico, mas eclético…

Presidente da Scania no Brasil dá guinada de 180º em sua estratégia e destaca que não existe “bala de prata” para a descarbonização

caminhoes scania r410 movidos a gnv
Caminhões movidos a GNV (Foto: Scania | Divulgação)
Por Boris Feldman
31 de julho de 2022 07:33

O assunto na berlinda é carro elétrico. Que pretensamente resolveria um dos mais críticos problemas do mundo, o do controle ambiental. Mas nem sempre, até porque em muitos países as baterias são recarregadas por energia “suja”, gerada por usinas de carvão ou diesel. Uma alternativa tipicamente tupiniquim é o etanol, ou em substituição ao derivado do petróleo nos atuais motores a combustão ou como fonte de hidrogênio para as células a combustível (Fuel Cell).

Seja como for, são muitas as alternativas energéticas para reduzir a poluição provocada pelos automóveis. Mas, e os veículos pesados?

VEJA TAMBÉM:

Sempre pensei na dificuldade em “limpar” ônibus e caminhões, que representam um considerável percentual das emissões nocivas ao meio ambiente. Entretanto, etanol não se presta definitivamente para substituir o diesel. Então, a solução se restringiria aos elétricos?

Não é o que pensa a Scania, de acordo com Christopher Podgorski, seu CEO e presidente para a América Latina. Numa entrevista para Fred Carvalho, da revista Transporte Moderno, ele explica como a centenária fábrica sueca de caminhões está investindo para estruturar um futuro limpo e adequado às exigências de proteção ao meio ambiente.

Confissão de culpa

christopher podgorski presidente ceo scania latin america 2 1
Christopher Podgorski, CEO da Scania na América Latina (Foto: Scania | Divulgação)

Podgorski conta sobre um evento internacional da Scania em Paris, em 2015, onde o CEO global da empresa (Henrik Henriksson) impressionou os convidados que aguardavam uma apresentação da nova geração de caminhões, mas o que ouviram foi uma verdadeira confissão de culpa. Ele lembrou que sua empresa produz veículos poluentes e está integrada ao setor de transportes que representa 14% das emissões mundiais. E, se faz parte do problema, deveria fazer parte também da solução.

A partir daí, uma mudança histórica em todos os projetos e ações da Scania, que passaram a agregar a descarbonização, uma verdadeira guinada na trajetória da empresa.

Alternativas energéticas

Na feira de veículos comerciais de Hannover (Alemanha) em 2019, o estande da Scania exibia mais de 15 veículos, nenhum movido a diesel, mas somente com alternativas energéticas: híbridos, elétricos, fuel cell, biometano, diesel renovável, etc. Nada de protótipo: todos reais, prontos para serem comercializados.

Podgorski acrescenta que sua “nova geração de caminhões foca muito mais para a cabina, plataforma eletroeletrônica para ter as soluções de conectividade, já ser preparada para a eletrificação”. E que, dentro de dez anos, “vamos reduzir 50% da pegada de carbono na nossa fábrica no Brasil. E, até 2025, em 20% as emissões da frota circulante Scania”.

Os três pilares

A solução da companhia é baseada em três pilares: o primeiro é pura engenharia e aumenta a eficiência energética do powertrain em 20% numa primera etapa, mais 8% na segunda.

O segundo pilar é o da conectividade que permite uma atuação direta sobre a frota através da mecatrônica no veículo pesado, permitindo melhorar a eficiência operacional e a qualidade de manutenção.

“Quando acontece uma pane no automóvel, você não abre mais o capô. Liga direto para o guincho, plataforma, seguradora. Não se atreve a mexer pois não sabe o que fazer. Com o caminhão ocorre o mesmo. Se a manutenção é adequada, ele nunca vai te deixar na mão. Com o nível de qualidade e diagnósticos, são inúmeras as possibilidades de intervenção antes de uma falha acontecer”, explica Podgorski.

“Mas, se acontece, uma central percebe o problema, entra em contato com o motorista, indica qual concessionária ele deve procurar e ela já o estará aguardando com as peças necessárias para a intervenção”, completa o executivo.

E o terceiro se apoia nas fontes alternativas para tracionar o veículo pesado, como a fuel cell, ou bateria. Ou o próprio o motor a combustão interna sem usar derivados do petróleo, como o “Diesel Verde” (ou  HVO, óleo vegetal hidrotratado), biodiesel ou biometano.

Diesel S10 está estragando os motores? NEGATIVO! Entenda no vídeo:

Não tem ‘bala de prata’ para veículos pesados

Podgorski vai além: “A Scania tomou a decisão arrojada e foi a única a fazê-lo. Muita gente até questionou, pois desenvolvemos a geração mais avançada de motores a combustão interna da história”

“O que vai acontecer nas próximas décadas, mesmo com algumas dificuldades, vai nos conduzir para o grande salto”…”e lá fica claro, muito claro, que não existe uma bala de prata, não existe só eletrificação. O futuro não será só elétrico, ele será eclético”, define o CEO.

O que ele diz para o caminhão, vale para qualquer outro veículo. E o ecletismo será principalmente geolocalizado: cada país ou região definirá a solução mais adequada ao problema. Desenvolvendo o projeto mais indicado de acordo com seus potenciais energéticos.

No Brasil, só existe uma certeza: com os inúmeros problemas para implantar o elétrico, os derivados do petróleo ainda prevalecerão por décadas.

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
SOBRE
0 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário