[Vídeo] Novo Honda City já matou o Fit: próxima vítima é o WR-V

"Novo City resolve três problemas mercadológicos: substitui o Fit com o hatch; as versões de entrada do Civic com o sedan, e ainda faz nascer mais um SUV"

city hatch 13
Novo modelo chega nas configurações hatch e sedan (Foto: Honda | Divulgação)
Por Boris Feldman
24 de novembro de 2021 08:45

Por que toda essa “revolução” nos modelos produzidos pela Honda no Brasil? Deixar de produzir o Civic e passar a importá-lo foi uma decisão correta? Faz sentido o fim de linha do Fit? E o WR-V, como fica nessa história. A Honda desenvolveu uma nova geração do City, com duas carrocerias, hatch e sedã.

Coincidência, ou não, tem tudo a ver com o fim de um hatch (Fit) e um sedã (Civic)? Na verdade, ela não lançou um carro, mas uma nova família de modelos.

Assista ao vídeo e saiba tudo sobre a nova gama do Honda City!

VEJA TAMBÉM:

Quanto ao Civic, a verdade é que não valia a pena investir numa nova geração por dois motivos:

  • Sua pequena participação no segmento dos sedãs médios, dominado pelo Corolla;
  • Sua nova geração tem muita tecnologia envolvida, inclusive a motorização híbrida, a mesma do Accord, seu irmão maior, o que exigiria um significativo investimento, de difícil retorno. Sem sentido em tempos muito mais favoráveis para utilitários esportivos do que para sedãs. Então ele será importado, o que subirá mais ainda seu preço no Brasil. Chegada prevista para o segundo semestre de 2022. A manter mesma proporção de preços, se nos EUA ele custa 10% menos que o CR-V, ele chegaria aqui por R$ 250 mil, tornando-se nicho de mercado e difícil de concorrer com importados premium.

Honda City Hatch é substituto perfeito do Fit

E o Fit? Embora fosse uma espécie de versão hatch do antigo City, ele usava uma outra plataforma, que encarecia seu custo.

Então, o novo Honda City resolve três problemas mercadológicos da marca: substitui o Fit com o hatch e também as versões de entrada do Civic com o sedã. E mais um SUV…

A rigor, o City Hatch é o substituto perfeito do Fit. Oferece mais espaço interno pois ganhou 7 cm de entre-eixos, de 2,53 m para 2,60 m. Além disso, boba nada, a Honda transportou para o novo hatch o sistema Magic Seat (UTL) que permite rebaixar o banco traseiro e aumentar de forma plana o porta-malas. Uma atração do Fit mantida no City Hatch.

E haja tecnologia eletrônica de segurança e conforto: foi quase todo o abecedário em letrinhas que explicam modernos dispositivos, inclusive o “pacotão” de segurança da Honda chamada Sensing e que não tinha sido incorporado ao Civic nacional.

Um “problema” chamado WR-V

Mas o novo Honda vai resolver também o “problema” WR-V, um SUV projetado sobre a plataforma do FIT, que não vende tão bem como se esperava. Por isso mesmo, a engenharia da Honda no Brasil projeta um novo utilitário esportivo compacto baseado no novo ZR-V já lançado em países asiáticos. Um substituto do WR-V que será lançado em meados de 2022 sobre plataforma semelhante à do novo City.

Ou seja, a Honda não lançou um carro, mas uma nova família. Que poderá ter mais um irmão: a marca japonesa tem o BR-V, de sete lugares, também construído sobre a plataforma (alongada) do City. Comentários na fábrica insinuam ser possível sua vinda para o Brasil.

Outra dúvida em relação ao lançamento do novo City é seu motor 1.5 que, ao contrário das tendências, não é turbinado. Os engenheiros da Honda provaram por “a+b” que as outras tecnologias aplicadas, como injeção direta, 16 válvulas e dois sistemas de variação dos dois eixos de comando, o i-VTEC e o VTC. Que proporcionam eficiência semelhante à do turbo. E que seus 126 cv dão conta do recado. É ver (ou acelerar) para crer.

Você sabia que o AutoPapo também está presente em suas redes sociais favoritas? Clique e confira:

TikTok YouTube Facebook Twitter

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
SOBRE
4 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Isabella D'Ávila 25 de novembro de 2021

A Honda vai também subsistir o wr-v , parece ser um estratégia por que, ele não vende muito bem e por o novo Honda city no lugar do Civic de entrada e um erro.

Avatar
AUGUSTO 24 de novembro de 2021

DISCORDO ME MUITA COISA: O CITY PODE SUBSTITUIR O CIVIC DE ENTRADA EM PREÇO MAS NAO EM QUALIDADE CONSTRUTIVA, SUSPENSAO, ETC. O CITY HATCH NAO SUBSTITUI O FIT POIS TEM PORTA MALAS MENOR E DE ACESSO MAIS ALTO DIFICULTANDO A ENTRADA DE OBJETOS MAIORES. OUTRA COISA, O FIT QUE SAI DE LINHA NAO USAVA PLATAFORMA DIFERENTE DO CITY E SIM A MESMA PLATAFORMA COM CARROCERIA DIFERENTE.

Avatar
Alexandre Zamariolli 24 de novembro de 2021

O WR-V vende menos que o esperado porque é PI-CA-RE-TA-GEM, um hatch compacto travestido de SUV e vendido como se fosse um carro totalmente diferente do Fit.

Avatar
Strady 24 de novembro de 2021

De todas as novidades da Honda, nenhuma me empolgou. Preferiria um Civic com câmbio manual e de acabamento espartano.
De que vale a pena fabricar um Civic que poucos irão poder comprar?

Avatar
Deixe um comentário