Só para patrão: 7 carros importados para servir à diretoria das montadoras

Vendidos em outros países, mas não no Brasil, esses veículos ficaram restritos às mãos de diretores e executivos

Por Alexandre Carneiro 11/10/20 às 07h00

É comum que os fabricantes importem determinados veículos sem ter a intenção de comercializá-los. A vinda ao país pode ser temporária, para exibições em eventos, ou ainda para fins de engenharia, de modo a servir de referência para a linha nacional. Alguns modelos, porém, são trazidos unicamente para servir à diretoria das empresas e tornam-se verdadeiros carros de patrão. Que luxo, hein?

VEJA TAMBÉM:

Pode até parecer uma extravagância, mas essa prática é comum no setor. Tanto que rendeu até um listão: o AutoPapo enumerou 7 dos carros de patrão dos fabricantes. Confira!

1. Volkswagen Phaeton

vw phaeton

O Phaeton entrou para a história por ter sido o automóvel mais luxuoso já produzido pela Volkswagen. Embora nunca tenha nem cogitado vendê-lo no Brasil, a marca alemã trouxe pelo menos uma unidade para cá. No início dos anos 2000, o sofisticado sedã serviu à presidência da empresa.

Projetado para concorrer com Mercedes Classe S e BMW Série 7, o Phaeton foi um retumbante fracasso comercial. Apesar de ter boas qualidades técnicas, o modelo acumulou baixas vendas entre os anos de 2002 a 2015, enquanto foi produzido.

2. Fiat Croma

fiat croma prata frente e lateral

Outro dos carros de patrão que chegou ao Brasil no início deste século foi o Croma. Uma unidade do modelo foi trazida para a diretoria da Fiat, que a utilizou regularmente por alguns anos. Na época, o veículo chamava atenção nas cidades mineiras de Belo Horizonte e Betim.

Desconhecido por aqui, o Croma, ocupou o posto de top de linha da Fiat na Europa entre 1985 e 1996. Após um hiato de uma década, surgiu a segunda geração do modelo, que perdurou só até 2010. Foi exatamente um exemplar dessa segunda leva que atendeu à cúpula regional da empresa.

3. Renault Koleos

renault koleos branco de frente

Esse até já foi cotado para ser importado regularmente. Em 2016, a Renault chegou a anunciar que venderia o Koleos no mercado nacional. De lá pra cá, crises e variações cambiais acabaram inviabilizando os planos da marca francesa. Porém, algumas unidades vieram ao país e atendem à diretoria regional.

Atualmente na segunda geração, o Koleos é produzido regularmente desde 2006. Trata-se de um SUV de grande porte, cujo foco está voltado foco para os mercados da Ásia continental, embora os consumidores europeus também possam comprá-lo.

4. Nissan X-Trail

17tdieulhd xtrailhelios002.jpg.ximg .l full m.smart

O X-Trail não é um total desconhecido para o consumidor brasileiro: alguns lotes do SUV chegaram a ser oficialmente importados entre 2005 e 2009. Desde então, esses carros seguem distantes do país, exceto para quem é patrão na Nissan: algumas unidades atendem, atualmente, os executivos do fabricante.

Vale ressaltar que as unidades do X-Trail utilizados internamente pela empresa estão uma geração à frente daqueles trazidos na década passada. Neste ano, a Nissan apresentou uma safra inédita do modelo, a quarta em nível mundial. E esse novo modelo está cotado para ser vendido no país: será que ele realmente vai voltar?

5. Toyota Sienna

toyota sienna 2015 branca de frente

Geralmente, quando se pensa em carros de patrão, vêm à mente luxuosos sedãs ou SUVs, certo? Pois os dirigentes da Toyota utilizaram um monovolume: o Sienna. Há notícia de pelo menos uma unidade, trazida ao país há alguns anos.

No contexto global, o maior mercado do Sienna é o norte-americano. Com interior espaçoso, capaz de acomodar até 8 ocupantes, dependendo da configuração, é um automóvel familiar por natureza. A Toyota deve apresentar a quarta geração do monovolume ainda em 2020.

6. Honda Odyssey

honda odyssey prata 2007 de frente

A Toyota não foi a única a trazer um movovolume para disponibilizar aos diretores. A Honda também já teve um modelo desse tipo na frota: o Odyssey. Aproximadamente 10 anos atrás, a cúpula da empresa no Brasil utilizava-o regularmente .

Os monovolumes da Honda e da Toyota são, inclusive, concorrentes diretos. No caso do Odyssey, a geração atual é a sexta de uma longa linhagem, que começou em 1995. Algumas unidades chegaram a ser importadas justamente nessa época, em meados dos anos 90, após a abertura do mercado. Porém, desde então, o monovolume se mantém distante do país.

7. Chevrolet Suburban

chevrolet suburban vermelha frente

A diretoria da GM no Brasil não passava despercebida pelas ruas, ao menos de estivesse a bordo do Suburban. Enorme, com quase seis metros de comprimento, o modelo inevitavelmente se destaca em meio ao trânsito brasileiro. É um SUV bem ao estilo americano, com capacidade para transportar até 8 ocupantes.

Nos últimos meses, notícias extraoficiais apontam que o fabricante estuda a possibilidade de comercializar a última geração do Suburban por aqui. Porém, há pelo menos cinco anos, o grandalhão já circula em solo nacional, transportando executivos. Será que o SUV vai deixar de ser exclusivo do patrão e passará a integrar a gama de carros da GM?

Fotos: Divulgação

14 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    Marcelo 12 de outubro de 2020

    Tbm tinha o Renault Safrane dos Executivos da marca.

  • Avatar
    Evaldo Benatti 12 de outubro de 2020

    Boa tarde.

    Trabalho na segurança da presidência da Volkswagen e o veículo informado, Phaeton, nunca foi utilizado pelos presidentes. Os que vieram para cá, só foram utilizados em testes e em uma visita do presidente da República à empresa. Era um bom carro, mas seu consumo era exorbitante, por ser um W12. A presidência utiliza as Touareg V8, desde o lançamento destas.

    • AutoPapo
      Alexandre Carneiro 13 de outubro de 2020

      Olá, Evaldo.
      Caro, não sei dizer se foi por muito tempo, mas Hans-Christian Maergner utilizou um Phaeton enquanto ocupava a presidência da Volkswagen no Brasil. No mais, agradeço pelo comentário e pelas informações adicionais.
      Abraço!

  • Avatar
    Lucas 11 de outubro de 2020

    Aqui em Londrina, PR, já vi dois desse Toyota Sienna. E tenho certeza de serem dois pq um era prata e outro preto e mais novo. Então somado com o da reportagem já dá três…

    • Avatar
      Eduardo Cachich 12 de outubro de 2020

      Aluguei um quando viajei para o exterior. Carro maravilhoso! Deveria ser comercializado no Brasil!!!!!

      • Avatar
        JoséPaulo 12 de outubro de 2020

        Esta explicado.se e maravilhoso não vem para o Brasil.nos aceitamos comprar lixo…

      • Avatar
        Leandro 13 de outubro de 2020

        Se é bom não vem pro Brasil e se vier vão dar um jeito de capar pra ficar ruim.

  • Avatar
    Fabio 11 de outubro de 2020

    Bem provável esses carros irem para o Museu da Fabricante ou colecionador que para achar peças só mandando importar.

  • Avatar
    João 11 de outubro de 2020

    esses caras chegam até ser engraçados com tantas versões de carros, chamam essas toyotas e honras de monovolume e depois chamam zafira e for de minivam, não da pra entender mais nada rsrsrs.

  • Avatar
    Reginaldo 11 de outubro de 2020

    Tudo carro feioooo …kkkkk

    • Avatar
      Luka 11 de outubro de 2020

      Meu amigo são carros de 7 lugares o que esperava ? E só tem SUV

  • Avatar
    Wemerson 11 de outubro de 2020

    The best car ever produced by VW Phaeton 6.0 W12, my consumer’s dream!

  • Avatar
    FRANCISCO RICARDO 11 de outubro de 2020

    esqueceram falar do malibu da gm !

    • Avatar
      Luiz 11 de outubro de 2020

      Viajou, heim?? Malibu teve importação e regular, sendo normalmente vendido no mercado.

Avatar
Deixe um comentário