Só para patrão: 7 carros importados para servir à diretoria das montadoras

Vendidos em outros países, mas não no Brasil, esses veículos ficaram restritos às mãos de diretores e executivos

Por Alexandre Carneiro 11/10/20 às 07h00
fiat croma prata frente e lateral
Fiat Croma (Fiat | Divulgação)

É comum que os fabricantes importem determinados veículos sem ter a intenção de comercializá-los. A vinda ao país pode ser temporária, para exibições em eventos, ou ainda para fins de engenharia, de modo a servir de referência para a linha nacional. Alguns modelos, porém, são trazidos unicamente para servir à diretoria das empresas e tornam-se verdadeiros carros de patrão. Que luxo, hein?

VEJA TAMBÉM:

Pode até parecer uma extravagância, mas essa prática é comum no setor. Tanto que rendeu até um listão: o AutoPapo enumerou 7 dos carros de patrão dos fabricantes. Confira!

1. Volkswagen Phaeton

vw phaeton

O Phaeton entrou para a história por ter sido o automóvel mais luxuoso já produzido pela Volkswagen. Embora nunca tenha nem cogitado vendê-lo no Brasil, a marca alemã trouxe pelo menos uma unidade para cá. No início dos anos 2000, o sofisticado sedã serviu à presidência da empresa.

Projetado para concorrer com Mercedes Classe S e BMW Série 7, o Phaeton foi um retumbante fracasso comercial. Apesar de ter boas qualidades técnicas, o modelo acumulou baixas vendas entre os anos de 2002 a 2015, enquanto foi produzido.

2. Fiat Croma

fiat croma prata frente e lateral

Outro dos carros de patrão que chegou ao Brasil no início deste século foi o Croma. Uma unidade do modelo foi trazida para a diretoria da Fiat, que a utilizou regularmente por alguns anos. Na época, o veículo chamava atenção nas cidades mineiras de Belo Horizonte e Betim.

Desconhecido por aqui, o Croma, ocupou o posto de top de linha da Fiat na Europa entre 1985 e 1996. Após um hiato de uma década, surgiu a segunda geração do modelo, que perdurou só até 2010. Foi exatamente um exemplar dessa segunda leva que atendeu à cúpula regional da empresa.

3. Renault Koleos

renault koleos branco de frente

Esse até já foi cotado para ser importado regularmente. Em 2016, a Renault chegou a anunciar que venderia o Koleos no mercado nacional. De lá pra cá, crises e variações cambiais acabaram inviabilizando os planos da marca francesa. Porém, algumas unidades vieram ao país e atendem à diretoria regional.

Atualmente na segunda geração, o Koleos é produzido regularmente desde 2006. Trata-se de um SUV de grande porte, cujo foco está voltado foco para os mercados da Ásia continental, embora os consumidores europeus também possam comprá-lo.

4. Nissan X-Trail

17tdieulhd xtrailhelios002.jpg.ximg .l full m.smart

O X-Trail não é um total desconhecido para o consumidor brasileiro: alguns lotes do SUV chegaram a ser oficialmente importados entre 2005 e 2009. Desde então, esses carros seguem distantes do país, exceto para quem é patrão na Nissan: algumas unidades atendem, atualmente, os executivos do fabricante.

Vale ressaltar que as unidades do X-Trail utilizados internamente pela empresa estão uma geração à frente daqueles trazidos na década passada. Neste ano, a Nissan apresentou uma safra inédita do modelo, a quarta em nível mundial. E esse novo modelo está cotado para ser vendido no país: será que ele realmente vai voltar?

5. Toyota Sienna

toyota sienna 2015 branca de frente

Geralmente, quando se pensa em carros de patrão, vêm à mente luxuosos sedãs ou SUVs, certo? Pois os dirigentes da Toyota utilizaram um monovolume: o Sienna. Há notícia de pelo menos uma unidade, trazida ao país há alguns anos.

No contexto global, o maior mercado do Sienna é o norte-americano. Com interior espaçoso, capaz de acomodar até 8 ocupantes, dependendo da configuração, é um automóvel familiar por natureza. A Toyota deve apresentar a quarta geração do monovolume ainda em 2020.

6. Honda Odyssey

honda odyssey prata 2007 de frente

A Toyota não foi a única a trazer um movovolume para disponibilizar aos diretores. A Honda também já teve um modelo desse tipo na frota: o Odyssey. Aproximadamente 10 anos atrás, a cúpula da empresa no Brasil utilizava-o regularmente .

Os monovolumes da Honda e da Toyota são, inclusive, concorrentes diretos. No caso do Odyssey, a geração atual é a sexta de uma longa linhagem, que começou em 1995. Algumas unidades chegaram a ser importadas justamente nessa época, em meados dos anos 90, após a abertura do mercado. Porém, desde então, o monovolume se mantém distante do país.

7. Chevrolet Suburban

chevrolet suburban vermelha frente

A diretoria da GM no Brasil não passava despercebida pelas ruas, ao menos de estivesse a bordo do Suburban. Enorme, com quase seis metros de comprimento, o modelo inevitavelmente se destaca em meio ao trânsito brasileiro. É um SUV bem ao estilo americano, com capacidade para transportar até 8 ocupantes.

Nos últimos meses, notícias extraoficiais apontam que o fabricante estuda a possibilidade de comercializar a última geração do Suburban por aqui. Porém, há pelo menos cinco anos, o grandalhão já circula em solo nacional, transportando executivos. Será que o SUV vai deixar de ser exclusivo do patrão e passará a integrar a gama de carros da GM?

Fotos: Divulgação

SOBRE
16 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Silvio 15 de dezembro de 2020

Quando algum fabricante importou a doblô para seus diretores? Adoro o meu

Avatar
Marcelo 12 de outubro de 2020

Tbm tinha o Renault Safrane dos Executivos da marca.

Avatar
Evaldo Benatti 12 de outubro de 2020

Boa tarde.

Trabalho na segurança da presidência da Volkswagen e o veículo informado, Phaeton, nunca foi utilizado pelos presidentes. Os que vieram para cá, só foram utilizados em testes e em uma visita do presidente da República à empresa. Era um bom carro, mas seu consumo era exorbitante, por ser um W12. A presidência utiliza as Touareg V8, desde o lançamento destas.

AutoPapo
Alexandre Carneiro 13 de outubro de 2020

Olá, Evaldo.
Caro, não sei dizer se foi por muito tempo, mas Hans-Christian Maergner utilizou um Phaeton enquanto ocupava a presidência da Volkswagen no Brasil. No mais, agradeço pelo comentário e pelas informações adicionais.
Abraço!

Avatar
Lucas 11 de outubro de 2020

Aqui em Londrina, PR, já vi dois desse Toyota Sienna. E tenho certeza de serem dois pq um era prata e outro preto e mais novo. Então somado com o da reportagem já dá três…

Avatar
Eduardo Cachich 12 de outubro de 2020

Aluguei um quando viajei para o exterior. Carro maravilhoso! Deveria ser comercializado no Brasil!!!!!

Avatar
JoséPaulo 12 de outubro de 2020

Esta explicado.se e maravilhoso não vem para o Brasil.nos aceitamos comprar lixo…

Avatar
Leandro 13 de outubro de 2020

Se é bom não vem pro Brasil e se vier vão dar um jeito de capar pra ficar ruim.

Avatar
Fabio 11 de outubro de 2020

Bem provável esses carros irem para o Museu da Fabricante ou colecionador que para achar peças só mandando importar.

Avatar
João 11 de outubro de 2020

esses caras chegam até ser engraçados com tantas versões de carros, chamam essas toyotas e honras de monovolume e depois chamam zafira e for de minivam, não da pra entender mais nada rsrsrs.

Avatar
Reginaldo 11 de outubro de 2020

Tudo carro feioooo …kkkkk

Avatar
Luka 11 de outubro de 2020

Meu amigo são carros de 7 lugares o que esperava ? E só tem SUV

Avatar
Wemerson 11 de outubro de 2020

The best car ever produced by VW Phaeton 6.0 W12, my consumer’s dream!

Avatar
FRANCISCO RICARDO 11 de outubro de 2020

esqueceram falar do malibu da gm !

Avatar
Luiz 11 de outubro de 2020

Viajou, heim?? Malibu teve importação e regular, sendo normalmente vendido no mercado.

Avatar
Silvio 15 de dezembro de 2020

Quando algum fabricante importou a doblô para seus diretores? Adoro o meu

Avatar
Deixe um comentário