Automóvel: cuidado, até os números podem mentir 

'Capacidade de 700 kg na caçamba' ou '500 litros no porta-malas'. Números ajudam a convencer, mas podem ser mentirosos...

como medir porta malas do carro
Este é o jeito correto de como um porta-malas deve ser medido (Foto: Chevrolet | Divulgação)
Por Boris Feldman
23 de abril de 2022 07:31

Para vender carro vale tudo. Muitas fabricantes adoram usar números como argumento irrefutáveis de venda… Mas até eles podem ser “distorcidos”

Mais vendido

O modelo é anunciado como o mais vendido do mercado, forte argumento estatístico para convencer o freguês. Mas é apenas meia-verdade: o campeão de vendas engloba não apenas o número de unidades adquiridas pelo consumidor final, mas também as chamadas “vendas diretas”, centenas de milhares de carros vendidos para frotistas e locadoras.

Explico isso melhor no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM:

IPI reduzido

“Aproveite a redução do imposto para levar seu zero km”. Muitas vezes não passa de conversa “pra boi dormir”: o governo o reduziu recentemente em 25%. Mas o preço do carro aumentou. Como assim? A explicação marota do fabricante: “Já estava previsto um aumento de 7% na tabela. Com a redução do imposto, nós aumentamos apenas 3%”…

Consumo hibrido/elétrico

Aferir consumo num motor a combustão não é tarefa simples. No Brasil, já existe uma padronização, implantada pelo Inmetro. Mas as coisas se complicam com a entrada de modelos híbridos e elétricos no mercado. Até porque existem dois padrões de medição. O mais usado hoje é o WLTP, mas o primeiro foi o NEDC, menos rigoroso.

Peso admissível

ford courier picape prata de frente

Fundamental no caso de picapes, as fábricas costumam praticar verdadeiro malabarismo nas mensagens publicitárias. Caso famoso foi no lançamento da Ford Courier: a fábrica exibiu um vídeo com um caixotão (“700 kg” pintado em corpo garrafal) sendo colocado na caçamba. Sim, este era realmente o peso admitido pela Courier. Mas o total, incluindo motorista e passageiro…

Marchas ‘virtuais’

Uma das caixas automáticas aplicadas atualmente  é a CVT. Que significa  “Transmissão Continuamente Variável” e que  não tem marchas definidas, pois varia a relação continuamente, como diz o nome. Mas o motorista pode bloquear o sistema em alguns pontos, o que passou a ser chamado de “marcha virtual”. A fábrica pode decidir quantas: três, quatro, nove, dez, vinte, trinta…

Explico melhor sobre o CVT. Confira o vídeo:

Garantia

De 3, 5 e até 6 anos. O que a fábrica não explica é que vários componentes não estão incluídos neste prazo. Em alguns outros, recorre-se ao nebuloso argumento do “mau uso” para se isentar de responsabilidade. E sobra sempre para o dono do carro. Que imaginava dormir tranquilo ao comprar um “zero km”.

Películas

Há uma regulamentação do Contran que limita o escurecimento dos filmes que se aplicam sobre os vidros. O que não fica bem explicado para o dono do carro é que, além do percentual gravado na película, deve-se somar o do próprio vidro. Se o filme tem 28% e o vidro sai de fábrica com 10%, passa a valer a soma: 38%. Se o policial estiver munido do aparelho de medição (“Luxímetro”), é possível configurar a infração e o motorista pode ser autuado.

Redução da dívida

Novo golpe na praça é anunciar a possibilidade de se obter um bom desconto na dívida por atraso nas prestações do financiamento. “50% de redução” é o que anuncia a quadrilha que entra em contato com o dono do carro sem que a instituição financeira credora saiba como os marginais obtiveram o valor, nome, endereço e telefone da vítima. Cobra uma taxa para reduzir a dívida e o dono do carro só percebe que caiu no “conto do vigário” quando o oficial de justiça bate á porta.

Carro de “entrada”

Algumas fábricas sequer enrubescem ao anunciar um modelo que jamais existirá: é o tal “básico dos básicos”, desprovido de qualquer equipamento ou acessório e oferecido por um valor bem atrativo. Mas uma versão que só existe na lista de preços, jamais será produzida, e apenas cumpre o papel de atrair o interessado à concessionária.

Porta-malas

Volume de bagagem admitida no porta-malas é uma característica importante para o motorista que viaja com frequência e carrega uma razoável tralha. Mas há diversas formas de se medir (e anunciar) este volume. A mais mentirosa é a que se utiliza de saquinhos de água para avaliar quantos litros ele comporta. Só que estes saquinhos se acomodam em qualquer espaço que, a rigor, jamais terá utilidade para coisa alguma. Existe uma norma (VDA) para aferir este volume, preenchendo o porta-malas com blocos de um litro (1 dm³).

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
SOBRE
1 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Fernando B. 25 de abril de 2022

A longa garantia de fábrica (3, a 6 anos) é um engodo criado para ludibriar leigos. Se o carro não apresentar qualquer anomalia no primeiro ano, pare de levar o carro lá. O preço é o dobro (no mínimo) do mesmo serviço realizado fora. Peças como amortecedores, pastilhas, discos, velas etc já não estarão mais cobertas, entrando no famoso “mau uso” do condutor. Aliás, essas são outras peças que custam no mínimo o dobro do valor nas oficinas das montadoras. Eu sempre aconselho a quem compra carro zero, faça a primeira SIM na rede autorizada (em geral, essa primeira é com 12 meses e só inclui a troca de óleo e filtros), as demais, caso o carro não apresente anomalias, faça por fora e guarde as notas fiscais para quando quiser vender o carro e ter um valor melhor devido manutenção.

Avatar
Deixe um comentário