Carro elétrico pode virar ‘coringa’ na venda de modelos que poluem mais

Oitava fase do programa de controle de emissões terá números mais rígidos, mas uma brecha bem permissiva para manter em linha veículos mais poluentes

Para quem gosta de ficar muitos anos com o carro, o elétrico pode ser uma opção viável
Elétricos vão salvar os carros a combustão (Fotos: Shutterstock)
Por Leonardo Felix
25 de fevereiro de 2022 18:33

O Proconve L7, sétima fase do programa governamental de controle de emissões de poluentes em veículos que circulam no país, fez um estrago enorme nos catálogos das empresas que vendem carros por aqui.

Inicialmente, eu estimava 59 modelos e 15 motores sendo tirados de linha por conta da legislação, que vale desde 1º de janeiro deste ano para qualquer veículo aqui produzido ou comercializado.

Uma brecha permite que automóveis e comerciais leves cuja montagem tenha começado no final do ano passado, sem finalização por falta de peças, tenham a produção concluída sob os parâmetros antigos até o fim de março, com faturamento nas lojas permitido até 30 de junho.

Na prática, muitas fabricantes já se anteciparam e tiraram de linha mais de 60 modelos ou configurações de modelos, visto que produtos como Hyundai HB20X, Hyundai ix35, Hyundai New Tucson, Mitsubishi Outlander Sport e Suzuki Jimny, que eu não havia contabilizado, entraram ou ainda podem entrar na conta.

VEJA TAMBÉM:

Isso aconteceu porque o Proconve L7 não poupou nenhum tipo de veículo leve: automóveis, comerciais leves (como picapes e furgões) e utilitários a diesel (como SUVs e picapes médias) tiveram de entrar na dança. Além disso, os limites são considerados por modelo, independentemente do porte. Todos precisam cumprir um teto de:

  • 80 mg/km de Nmog (gases orgânicos não metanos) + Nox (óxidos de nitrogênio), no caso de carros de passeio;
  • 140 mg/km de Nmog + Nox para comerciais leves flex
  • 320 mg/km de Nmog + Nox para utilitários a diesel

Mal passou o baque e as fabricantes já têm que pensar no Proconve L8, previsto para entrar em vigor em 2025. A oitava fase do programa estabelecerá números ainda mais rigorosos para carros de passeio, mas deve proporcionar um cenário paradoxal, muito bem explicado pelo meu colega Renan Bandeira, da Mobiauto.

Média pelo volume de vendas

De um lado, carros de passeio terão o limite de emissão de poluentes reduzido de 80 para 50 mg/km (para comerciais leves e utilitários a diesel, não haverá mudanças até 2027), mas a exigência deixará de ser individual por modelo e passará a ser por grupos de produtos. É a média desse grupo, levando-se em conta o volume de emplacamentos de cada modelo, que será usada para calcular a meta.

Por exemplo, se uma marca possui quatro carros de passeio em linha, poderá manter dois que emitem mais de 50 mg/km de Nmog + Nox em catálogo, desde que compense com outros dois que poluem menos do que o teto. Tudo será calculado através do volume de vendas de cada modelo.

Destarte, para seguir comercializando carros a combustão com projetos mais antigos e motores menos eficientes, que poluem acima do exigido, as fabricantes poderão usar truques como lançar modelos híbridos ou até 100% elétricos (que, lembremos, têm índice zero de emissões de poluentes) no mercado só para se manterem dentro da média.

Isso será permitido mesmo que os produtos eletrificados em questão tenham uma demanda baixíssima ou mesmo inexistente no mercado, pois a legislação não leva em consideração o volume de vendas na hora de fechar a conta.

Se fossem um país, os SUVs seriam mais poluentes do que a Alemanha
Motor a combustão terá sobrevida

Proconve L8: quatro etapas

O Proconve L8 será dividido em quatro etapas, que se sucederão após períodos de dois anos cada. Em 2027, o limite médio de emissões de Nmog + Nox para carros de passeio cairá para 40 mg/km e o de comerciais leves flex, de 140 para 110 mg/km. Em 2029, ambos serão reduzidos para 50 e 30, respectivamente. Em 2031, para 30 e 30.

Isso se a realidade de mercado permitir, pois as metas podem ser revisadas ao longo desse tempo. Já a progressão no caso de utilitários a diesel ainda não foi divulgada.

Todavia, é bom ficarmos ligados. Conforme os números arrocharem, deveremos ver uma enxurrada cada vez maior de modelos híbridos e, especialmente, elétricos sendo lançados em nosso país.

Chegarão com um discurso ecologicamente correto, de “amigos do meio ambiente”, mas sua verdadeira missão será garantir a sobrevida de carros a combustão que poluem mais e seguirão sendo oferecidos nas lojas aos borbotões.

Boris Feldman explica o que é o Proconve L7:

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
SOBRE
2 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Rodolfo 25 de fevereiro de 2022

De que adianta essas exigências rígidas se a fiscalização é precária… estou cansado de ver carros e caminhões soltando fumaça preta (motor desregulado) ou azul (óleo lubrificante), esses veículos deviam ser multados.

Avatar
Júlio César 25 de fevereiro de 2022

Tem toda razão! Não existe fiscalização. Carros, motos e caminhões com escapamentos furados, poluindo o ar e nossos ouvidos.

Avatar
Deixe um comentário