Carros clássicos que a gente só guia nos videogames

A simulação nos aproxima da realidade e muitas vezes é o único caminho para guiar um lenda de colecionador ou um herói das pistas

mercedes 190e evolution dtm
Muitas vezes, apenas os games podem nos transportar para dentro de uma lenda do automobilismo (Foto: Reprodução Slightly Mad Studios | Divulgação)
Por Marcelo Jabulas
25 de junho de 2022 18:03

Na coluna passada comentei sobre como os simuladores podem ensinar o motorista a ser mais prudente no trânsito. Mas essas experiências virtuais também podem trazer mais diversão e nos levar a degustações quase platônicas. Se o amigo não é um bilionário, jogador de futebol ou astro do rock, dificilmente terá acesso a carros clássicos. Nesse caso bora jogar videogame.

VEJA TAMBÉM:

Muito se ouve dizer sobre carros lendários como a Ferrari 330 P4 ou o Ford GT40, que rasgaram as curvas de Le Mans nos anos 1960, assim como os Porsches 917 ou 935 “Moby Dick”. Certamente a forma mais fácil de tentar sentir uma máquina dessas é num game. Em games “Gran Turismo Sport” ou “Gran Turismo 7” e “Project CARS 2” é possível conferir o comportamentos dos bólidos.

porshce 935 project cars 2
Porsche 935 triunfou em Le Mans e pode ser pilotado nos games (Foto: Reprodução Slightly Mad Studios | Divulgação)

É interessante perceber o comportamento dinâmico de um carro desses na curva. A maneira que o motor enche. Claro que não se tem a sensação de força G, que só existe com o carro em movimento. No entanto, alguns kits permitem chegar perto disso.

Alguns projetos de simuladores contam com assentos com braços articulados. Eles são capaz de reproduzir a oscilação do carro. Não tem força G, mas dá para chacoalhar direitinho.

Carros clássicos imaginários

Um exemplo é o vídeo abaixo. Nele o “piloto” conduz um Audi Quattro Rally A2. Outro carro que dificilmente a maioria de nós teríamos acesso às chaves. Mas no videogame o feliz jogador teve a possibilidade de levar o carro ao limite. E, caso, perdesse a traseira do Quattro e estourasse numa árvore, bastava reiniciar a partida.

Certa vez, conversando com o Boris sobre o Porsche 911 – naqueles fim de expediente em que a preguiça de encarar o trânsito é maior que vontade de chegar em casa – divagávamos sobre o comportamento do Nive Eleven. Ele se queixou de como o motor pendurado na traseira é traiçoeiro e que acha mais legal o 718 Cayman.

Confesso que deu vontade de me fazer de São Tomé e dizer que só acreditaria vendo. Mas resolvi tirar a prova diante da TV. “Gran Turismo”, “Project CARS”, “Forza Motorsport” ou “Assetto Corsa” podem ajudar a comprovar a tese do senhor Feldman. Se o amigo quiser algo mais próximo da realidade pode fazer o teste em “iRacing” ou “RFactor”.

porsche 930 turbo vermelho gran turismo sport
O boxer atrás do eixo do 911 faz com a traseira teime em desgarrar (Foto: Reprodução Polyphony Digital | Divulgação)

Às vezes acontece de um carro de jogo se tornar uma breve realidade. Foi assim com carros como BMW M6, M4, Audi RS6 Avant, R8 V10, Mercedes C63 AMG, AMG GTS e até mesmo o Ford Mustang Mach 1. Com o sexteto alemão foi possível aproximar do que se pode fazer no game. Afinal, foram experiências em circuito fechado.

Foi interessante ver como o M6 espalha mais que o M4 e como a entrega de torque do RS6 é bem mais rápida que do R8, pelo fato de ter dois caracóis sobrando ar dentro das bancadas do V8. Com as “Merças” chamou atenção como o sedã é pesadão, mesmo com tanta força disponível e como o AMG GTS ataca bem as curvas.

Só com o Mustang que tivemos que nos ater ao ronco do Coyote 302. Em vias públicas não convém abusar da sorte. Afinal não tem botão Start para voltar a partida depois que o muscle car perder a traseira e parar sobre o paralelepípedo.

ferrari f40 gt sport carros clássicos
Onde mais se pode acelerar uma F40 em Nurburgring sem medo de ser traído pela Adenauer Forst, do quem em um game? (Foto: Reprodução Polyphony Digital | Divulgação)

Onde mais além do videogame poderíamos acelerar carros clássicos como um Alfa Romeo 155 DTM? Ou um Suzuki Escudo Pikes Peak? Ou mesmo um Volvo 850 Race Car, do BTCC de 1994 a terrível Mercedes-Benz 190E Evolution?

É só no videogame mesmo. E não pense que é besteira, afinal simulamos experiência reais desde os 12 e convivemos com isso numa boa.

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
SOBRE
1 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Diego 27 de junho de 2022

Deveria ser proibido jogar esses games sem um óculos VR. Recomendo, é uma experiência, realmente, arrepiante.

Avatar
Deixe um comentário