Chatices das marcas de carros: veja as características irritantes de 5 delas

Determinados fabricantes de veículos insistem em adotar soluções de projeto que acabam causando incômodo ao motorista

motorista entediado mao na cabeca
Donos de carros de algumas marcas precisam ter paciência com certos pormenores (Foto: Shutterstock)
Por Alexandre Carneiro
20 de fevereiro de 2022 08:04

Quem convive diariamente com o automóvel costuma ter queixas sobre alguns probleminhas específicos: são aqueles pormenores que parecem não fazer diferença num primeiro momento, mas que acabam incomodando a longo prazo. E, acredite se quiser, algumas dessas características irritantes são comuns a vários carros de uma mesma marca.

VEJA TAMBÉM:

5 características irritantes das marcas de carros

Pois o AutoPapo listou inconvenientes típicos de 5 marcas de carros. Esses “defeitinhos” podem até passar despercebidos para alguns motoristas, mas, para outros, tornam-se fonte constante de aborrecimento. Confira o listão!

1. Fiat: câmbio de engates muito longos

alavanca do cambio manual de cinco marchas do fiat cronos s design
Marca italiana não prima pela precisão dos engates (Foto: Fiat | Divulgação)

É verdade que os câmbios da Fiat já evoluíram bastante. Quem dirigiu os modelos da linha 147, famosos pela dificuldade para se engatar as marchas, sabe muito bem disso. Contudo, até hoje as caixas manuais da marca italiana mantêm uma característica incômoda: a alavanca com curso longo demais, que acaba atrapalhando a precisão.

Um câmbio com engates curtos e precisos, que transmite a sensação ser justinho, mas sem perder a maciez, faz a alegria de qualquer motorista que gosta de dirigir. Suspensão com um bom acerto e direção precisa também são essenciais para o prazer ao volante. Nesses demais quesitos, não há o que reclamar da Fiat. Mas bem que ela poderia dar uma atenção especial à caixa de marchas manual.

2. Renault: estepe externo

roda e pneu estepe sobressalente externo do renault duster
Renault mantém o estepe em posição externa, sob a carroceria, nos modelos Duster e Captur (Foto: Alexandre Carneiro | AutoPapo)

Fixar o estepe em posição externa, sob a carroceria, até traz algumas vantagens, como maior aproveitamento de espaço no porta-malas e melhor acesso no caso de o compartimento estar cheio. Porém, a lista de desvantagens é maior: tal solução dificulta a calibragem do sobressalente, piora o manuseio quando o bagageiro está vazio (situação que é a mais comum) e, o pior, deixa o componente mais vulnerável a furtos.

É por isso que, hoje, pouquíssimos veículos (com exceção das picapes) ainda adotam o estepe externo. Até mesmo as marcas francesas, que, por alguma razão, historicamente aderiam a essa solução, passaram a posicionar o componente do lado de dentro do porta-malas dos próprios carros. Mas a Renault ainda insiste em manter o sobressalente embaixo do assoalho traseiro dos SUVs Duster e Captur.

3. VW: buzina de acionamento difícil

vw virtus 2150
Dar apenas um toquinho na buzina de alguns carros da marca alemã pode ser tarefa difícil (Foto: Alexandre Carneiro | AutoPapo)

De uns tempos pra cá, os carros da Volkswagen andam exigindo muita acuidade dos motoristas durante o simples ato de buzinar. Isso porque o interruptor do volante que a marca alemã utiliza em vários de seus modelos tem pouquíssima sensibilidade.

Se o motorista tenta dar só um toquinho na buzina, simplesmente não consegue acioná-la. Então, coloca mais força e acaba, acidentalmente, fazendo um escândalo desnecessário. Que tal ter mais atenção a esse item simples, mas essencial, daqui para a frente, Volkswagen?

4. Toyota: som que só liga com a ignição

toyota corolla cross hybrid modelo europeu interior central multmidia nova
Entretenimento a bordo de um Toyota? Só com a ignição ligada (Foto: Toyota | Divulgação)

Muitos fabricantes programam o sistema de som dos veículos para desativar automaticamente quando o motorista desliga o motor, ou quando algum ocupante abre a porta. Há ainda aqueles que mantêm o áudio em operação por alguns minutos. Isso, para evitar que o aparelho seja esquecido ligado. Entretanto, Toyota exagera na dose e não permite qualquer tipo de entretenimento sem que a ignição esteja ligada.

Essa solução torna-se um aborrecimento em situações nas quais o carro está estacionado, mas ainda ocupado pelo motorista ou por algum passageiro. Se, nesse caso, alguém quiser ouvir música, terá que acionar a ignição; ou então esperar até que o condutor retorne com a chave.

5. Chevrolet: trocas de marchas sequenciais só na alavanca

novo chevrolet tracker 2021 cambio marchas automatico manopla
Botõezinhos na lateral da manopla do câmbio desestimulam o uso sequencial (Foto: Chevrolet | Divulgação)

Outra que deixa a desejar com o sistema de câmbio, só que no do tipo automático, é a Chevrolet. É que esse fabricante parece ter uma espécie de antipatia dos paddle-shifts, aquelas “borboletas” posicionadas atrás do volante, que servem para mudar as marchas de modo sequencial. Para fazer essa operação nos carros da marca, é preciso acionar incômodos botõezinhos na alavanca seletora.

Tudo bem: trocar as marchas por meio de paddle-shifts é coisa de quem gosta de dirigir de maneira esportiva. É quase um ato lúdico. Assim, a ausência desse item em carros de entrada, como o Onix, ou com proposta familiar, como o Spin, não causa estranheza. Porém, a Chevrolet não oferece as borboletas sequer nas linhas Cruze e Equinox. Na gama da marca, só mesmo o Camaro permite cambiar no volante.

Tem antipatia por alguma marca de carro? Boris Feldman explica em vídeo, então, porque você deve ter cuidado!

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
67 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Cavalcanti 26 de fevereiro de 2022

Citroën c4 longe. Pra ajustar o ar condicionado tem q ligar o som kkkkk. Multimídia com controle do ar desse carro não foi uma boa. Só queria alterar a temperatura do ar e levo um susto com o som q tava alto…

Avatar
26 de fevereiro de 2022

Tenho um jeep Ford 81. Não tenho nenhuma dessas chatices…

Avatar
Jose luiz fernandes jr 26 de fevereiro de 2022

Meu comentário não é sobre falhas de projeto, mas sobre o chato e desnecessário START STOP do Nivus 2022 . Eu gostaria de desativa-lo por toda eternidade e não toda vez que ligo o carro . Quando esqueço ligado , na primeira esquina o carro ja desliga e isso me deixa furioso pois me lembra daqueles carros velhos , carburados que morria toda hora com a marcha lenta ruim .

Avatar
Antônio Carlos 26 de fevereiro de 2022

Eu tenho um Duster 2021 e só de parar o carro ele já desliga….aí se vc quer sair de imediato esquece….até ele ligar…
Deveria ter configuração no veículo para vc deixar salvo e não toda hora ter que ficar ajustando….

Avatar
Scala 26 de fevereiro de 2022

BMW X1 não regula altura do cinto e está comendo minha orelha. Botão de trava/destrava as portas só no lado do motorista. Buzinadinha, nem a pau, Juvenal, Economia da miséria…….em carro premium…

Avatar
Leandro 25 de fevereiro de 2022

Esqueceu da péssima pintura da Volkswagen nos carros de entrada: difícil não ver um gol sem estar repintado ou com pintura queimada.

Avatar
Cássio 25 de fevereiro de 2022

Tive um polo confortline tsi, reclamei da buzina não possuir um silvo curto, (como do gol, por exemplo) e os funcionários da concessionária, muito que provavelmente, são orientados a dizerem que todos os incômodos do carro são características do veículo. Lamentável descaso.

Avatar
Salomão 25 de fevereiro de 2022

Yuri, 90% dos brasileiros não têm condições de comprar ou manter um carro importado, sem contar que mão de obra especializada para fazer as manutenções é coisa de outro mundo, e nas concessionárias só entra quem tem o bolso forrado.

Avatar
Tadeu 25 de fevereiro de 2022

Chatice do quê mesmo? Me desculpa Boris tive duas Duster e nunca tive qualquer problema para calibrar ou mesmo tirar o estepe. Não vejo dificuldade nenhuma, é muito mímimii.
Se o estepe é na traseira com do Ecosport pq é horários, se fica dentro do porta-malas ocupa espaço. Faça o favor.

Avatar
Tadeu 25 de fevereiro de 2022

Pq é horroroso e não horário como saiu.

Avatar
Valdemir 26 de fevereiro de 2022

O tal startup que desliga o motor quando o veículo estiver parado também é uma chatice. Não vejo economia nisso, só aumenta o valor da bateria.

Avatar
Antônio Carlos 26 de fevereiro de 2022

Tenho uma 2021 e fui para o Piauí visitar meus sogros….tem uma estrada de terra com 45 km,por azar furou o pneu dianteiro…
Tive que deitar na terra para tirar o pneu….e para melhora é o bendito pneu fino….em um SUV…. é muita sacanagem….tive que ir a 20 por hora para não perder o controle da dianteira do carro…pois quando passava por cima de algumas pedrinhas o pneu puxava a direção

Avatar
Matheus 25 de fevereiro de 2022

Ao Desenvolvedor da página: simplesmente impossível ver o conteúdo no celular. Alguma propaganda aparece após alguns segundos, cobrindo a tela (quando o conteúdo de fundo fica meio apagado), mas aí perdemos o controle, não conseguindo mais rolar mais a tela nem fazer nada, tampouco fechar a propaganda (ou se é um bug, não sei). Enfim, verifiquem, por favor!

AutoPapo
AutoPapo 2 de março de 2022

Obrigado pelo feedback

Avatar
Rogerio Marcos silva 24 de fevereiro de 2022

Tudo comércio

Avatar
RPDBH 24 de fevereiro de 2022

Saudades do Uninho S, que buzinava com aquele toquinho na alavanca da seta, com admirável precisão e elegância…

Avatar
Wilson 24 de fevereiro de 2022

E muito mimimi ! Tenta dirigir um opala 6 cilindro 1977 então não vai conseguir nem abrir a porta kkkkkkk

Avatar
Geraldo 24 de fevereiro de 2022

Muito engraçado estes comentários, q são corretos. No meu Fusca tô de boa, tem até quebra vento….saudades dele nos atuais.

Avatar
Paulo Machado 24 de fevereiro de 2022

E tem muito mais chatices. Excesso de automação. Parece que somos burros. Não abre a porta do passageiro se não fizer isso ou aquilo. Alarme de cinto, alarme de chave, alarme de alavanca, etc… A mala não abre se vc não fizer isso ou aquilo. É muita estupidez das montadoras, ou melhor, dos paranoicos da atualidade, que o mundo está cheio…

Avatar
Regis Costa Santos 24 de fevereiro de 2022

Kicks não dá pra dar um toquinho na buzina.

Avatar
Luiz AG 24 de fevereiro de 2022

“Até mesmo as marcas francesas, que, por alguma razão, historicamente aderiam a essa solução, passaram a posicionar o componente do lado de dentro do porta-malas dos próprios carros.”
A “alguma razão” são os constantes roubos de estepes que acontecem. Já tive um 207 e um Sandero que tiveram o estepe roubado. No Sandero desisti e coloquei um estepe temporário dentro do portamalas.
Engraçado perceber que o suporte continua lá e está cada vez mais amaçado, pelo automatismo de quem rouba esse estepes já puxar o suporte.

Avatar
RPDBH 24 de fevereiro de 2022

Luiz, a dúvida no texto é porque as francesas aderiram à solução de colocar o estepe do lado de fora, não o retorno ao lado de dentro…

Avatar
Sergio Sá 24 de fevereiro de 2022

No Etios e Yaris o total de voltas no volante da direção é mais q 4 voltas. Qdo vc precisa desviar rapidamente de obstáculos, outros carros, virar esquinas, etc., sempre falta esterçar mais um pouco, isso compromete inclusive a segurança.

Avatar
yuri 2 de março de 2022

Detalhes importantes, muito boa sua contribuição. Esses modelos da Toyota deveriam desaparecer e trazer somente 1 modelo de Corolla hatch importado.

Avatar
yuri 24 de fevereiro de 2022

carro, só importado.

Avatar
Salomão 25 de fevereiro de 2022

Yuri, 90% dos brasileiros não têm condições de comprar ou manter um carro importado, sem contar que mão de obra especializada para fazer as manutenções é coisa de outro mundo, e nas concessionárias só entra quem tem o bolso forrado.

Avatar
yuri 2 de março de 2022

Ué, o antigo Tracker custava menos que o modelo falsificado atualmente à venda, e era extremamente popular.

Avatar
Santiago 25 de fevereiro de 2022

Vale lembrar que os importados não se resumem apenas às marcas premium, acessiveis à pouquissimos coterrâneos como já bem citado.
Se considerarmos os modelos “comuns”, não existem diferenças notáveis de qualidade em relação aos nacionais. Existem sim é desvantagens, quando se busca peças de reposição ou necessita-se de algum reparo especifico.

Avatar
Rafael 24 de fevereiro de 2022

Para mim a tela do multimídia para fora do painel do Argo não atrapalha em nada, até acho melhor para as manobras com a câmera de ré.

Avatar
Antônio 24 de fevereiro de 2022

Quanto mimimi.

Avatar
Bagrehead 24 de fevereiro de 2022

Dar 150 mil em um carro e anos poder ouvir música com o carro parado? Isso é mínimo?

Avatar
Rodrigo Chicralla de Almeida 24 de fevereiro de 2022

Ao acionar o botão, você liga todo sistema elétrico já preparando para dar a partida. Cuidado ao manter um período prolongado assim. Em minha SW4 não deixo ligar o rádio sem dar a partida no motor, a não ser que seja breve.

Avatar
Thiago Garcia 24 de fevereiro de 2022

Peugeot 308.
Buzina de acionamento pesado ele tem.
Rádio que só funciona com a chave ligada ele tem também.
Farol de milha que no manual diz que tem que levar na concessionária pra trocar as lâmpadas ele tem (não tem acesso pra realizar a troca).
Aquele teto de vídro enooorme em uma peça só que não abre, só serve pra esquentar o carro.
Ausência de vareta de verificação do nível do óleo do câmbio.

Avatar
Tony Pacheco 24 de fevereiro de 2022

A minha queixa é quanto à durabilidade da bateria do controle remoto do Ford EcoSport Storm: quando comprei o carro em 2020, as duas baterias dos dois controles duraram de julho de 2020 até agosto de 2021. A partir daí, tive que substituir pelas baterias que estão à venda no mercado: Sony, Panasonic e Elgin e elas não duram mais que um mês. Por que a Ford não vende as mesmas baterias dos controles que ligam seus carros em suas próprias revendedoras? Somos obrigados a comprar no mercado e ficamos apavorados, porque a qualquer momento ficamos sem acesso. Lembro-me que os 2 controles que vieram no meu Jetta TSi 2012, os usei durante 8 anos e as baterias nunca precisaram ser trocadas.

Avatar
JRoberto 24 de fevereiro de 2022

A informação “Toyota: som que só liga com a ignição” está errada”.
Já tive vários carros, inclusive 3 Toyotas e, como em outras marcas, no Toyota também possui a função “acessório”. Isso, tanto naqueles Toyotas com partidas acionadas por chave, como naqueles acionadas por botão.
Na posição “acessório” é possível acionar o limpador de pára-brisas, ouvir o som do rádio/bluetooth, atender o celular no multimídia, regular a abertura dos vidros elétricos, regular os retrovisores externos, etc..

Avatar
CLÁUDIO CRUZ 25 de fevereiro de 2022

Acredito que o articulista quisesse dizer que é necessário que a chave esteja na ignição. Se não estiver, nada feito.
Abçs.

Avatar
JRoberto 25 de fevereiro de 2022

Se for isso, o articulista. deve ser um chato porque isso ocorre com quase todos os carros novos e usados.
No caso deste item, quem estiver descontente pode fazer uma ligação direta do rádio para a bateria sem passar pela chave. Também pode instalar módulos que mantem o rádio e/ou alguns acessórios ligados até o alarme ser ativado.
Ao invés de relacionar características irritantes, o articulista poderia apresentar as características que mais agradam em cada carro (marca/modelo).

Avatar
ANTENOR FISCHER 23 de fevereiro de 2022

O pior de tudo é abrir o compartimento do motor do FORD FOCUS. Tem que usar a chave que liga o carro, levanta o Logo e abrir.

Avatar
Paul Muadib 24 de fevereiro de 2022

Eu considero isso uma vantagem porque assim um meliante não acessa facilmente o cofre do motor, sem contar que você não precisa abrir o carro para verificar água ou óleo.

Avatar
Paul Muadib 24 de fevereiro de 2022

E na geração 3 (2014) isso infelizmente morreu…voltou a ser por alavanca embaixo do painel.

Avatar
Paul Muadib 24 de fevereiro de 2022

Eu considero melhor para a segurança, assim nenhum meliante mete a mão no cofre do motor. E esse recurso infelizmente foi abandonado na geração 3 (2014-).

Avatar
Oliveira 23 de fevereiro de 2022

E tem ainda a monomidia do jeep compass de 10.1 mas só pode usar 4 pegadas o restante são botões eletrônicos que não podem serem movidis nem excluídos. Mono porque só toca rádio na minha opinião e tenho o carro a pior do mercado. E o preocupante, comprei zero km e rodei 2.300km com compass longitude 1.3 turbo é baixou 2.9 litros de óleo de motor, fiquei preocupado se vc tem um jeep 1.3 turbo leva na autorizada para ver o óleo do motor.

Avatar
Oliveira 23 de fevereiro de 2022

Ah outra coisa os carros com chave de presença porque os pedreiros digo engenheiros não põe o botão de partida no console ao invés detrás do volante

Avatar
César 23 de fevereiro de 2022

Tenho um virtus highline e foi questão de costume, buzinou normal.

Avatar
Tony Pacheco 24 de fevereiro de 2022

Pois eu tive Bora de 2008 a 2012, e Jetta TSi de 2012 a 2020, e as buzinas não funcionavam com simples toque para saudar outros motoristas ou dar pequenos alertas para pedestres desprevenidos: tem que apertar com força de Hulk.

Avatar
Luan 24 de fevereiro de 2022

Vdd, tive uma tiguan e um passat, só buzinava na base da pancada, dava até raiva kkk

Avatar
Luciano carvalho 21 de fevereiro de 2022

E essas telas suspensas da fiat.
O carro e pequeno e aquela tela acima do painel.
Alem de ser horrora ainda dificulta a visao.

Avatar
Sir.Alves 23 de fevereiro de 2022

A CMM do Argo parece um tablet PositivoYpe… há quem ame.. e outros que não, não mesmo(sou um deles). Se pelo menos a CMM recolhesse para dentro do painel com em algumas Audi e Mercedinhas…

Avatar
Rafael 24 de fevereiro de 2022

Para mim a tela do multimídia para fora do painel do Argo não atrapalha em nada, até acho melhor para as manobras com a câmera de ré.

Avatar
Santiago 21 de fevereiro de 2022

A buzina “travada” não é uma gafe só da VW.
No Toyota Etios também precisa-se ter cautela na hora de dar um toque leve e curto na buzina. Senão o que deveria ser um pequeno alerta, ou um agradecimento, pode acabar virando um baita mal entendido.

Avatar
jo 20 de fevereiro de 2022

toyota ta certa – consumir energia sem reposição acaba com a bateria – depois vai dizer q a bateria não presta

Avatar
rodrigo 21 de fevereiro de 2022

Em compensação pelo mesmo no Etios, o farol fica ligado até a bateria acabar.

Avatar
Sir.Alves 23 de fevereiro de 2022

Não, não, o problema… Sabe por que? AToyota adotava uma TV de TUBO no corola!kkkkk por isso descarrega a bateria amigo! rsrsrs

Avatar
Emerson Fernandes 20 de fevereiro de 2022

Boris, acredito que você tenha cometido um equívoco de forma não intencional ou esta um pouco desatualizado, pois essa característica que você descreveu sobre o sistema de som dos carros da Toyota não e verídica, na sua grande maioria os carros da Toyota hoje vem com botão para partida do motor, sendo que basta aperta o botão por um único vez, que liga o sistema de som, sem a necessidade de dar partida do motor ou até mesmo ligar toda a parte elétrica do veículo. Sendo assim, acredito que seria interessante pesquisar melhor antes de postar uma matéria.

Avatar
Paulinho 23 de fevereiro de 2022

Sim e “aperta” o botão uma vez é como você acionar o sistema elétrico.

Avatar
Rodrigo Chicralla de Almeida 24 de fevereiro de 2022

Ao acionar o botão, você liga todo sistema elétrico já preparando para dar a partida. Cuidado ao manter um período prolongado assim. Em minha SW4 não deixo ligar o rádio sem dar a partida no motor.

Avatar
Emerson Fernandes 27 de fevereiro de 2022

Se você apertar o botão apenas uma vez sem pisar no freio do carro, ele ira ligar apenas o sistema de som do carro, se apertar duas vezes o botão sem pisar no freio irá ligar toda a parte elétrica, se pisar no freio e apertar no botão você liga o motor. Logo você consegue ligar apenas o sistema de som do carro.

Avatar
Rafael 24 de fevereiro de 2022

E que diferença faz em apertar botão e girar a chave do carro, ambos não servem para dar a partida no carro?

Avatar
J Roberto 24 de fevereiro de 2022

Rafael. Em todos os carros que conheço, inclusive o Toyota, é possível ouvir o rádio, acionar os vidros elétricos, regular o retrovisor externo, ligar o limpador de pára-brisas, o ventilador (não o ar condicionado), etc.., utilizando a posição “acessório”.
Isso tanto no Toyota com chave, como no Toyota com botão para ligar o motor.
Quando é na chave, é só girar a chave até uma posição intermediária, antes da ignição para usar os “acessórios”. Quando é no botão, é só pressionar o botão, sem pisar no pedal do freio.

Avatar
Emerson Fernandes 27 de fevereiro de 2022

Se você apertar o botão apenas uma vez sem pisar no freio do carro, ele ira ligar apenas o sistema de som do carro, se apertar duas vezes o botão sem pisar no freio irá ligar toda a parte elétrica, se pisar no freio e apertar no botão você liga o motor. Logo você consegue ligar apenas o sistema de som do carro.

Avatar
Ricoinside 20 de fevereiro de 2022

E quando a Renault (sempre ela) insistia em colocar os botões de acionamento dos vidros elétricos em baixo do freio de mão??!!!

Avatar
Andre Rocha 20 de fevereiro de 2022

E a linha Citroën um pouco mais antiga, com a buzina igual à do Del Rey, acionada no comando de setas?

Avatar
braulio 23 de fevereiro de 2022

Mas isso é característica de vários carros, desde Gordini, Corcel, (sei lá por quê) Celta, Uno…

Avatar
Marcelo 24 de fevereiro de 2022

Eu dirigi uma vez só um carro com a buzina na chave de setas. Sinceramente, achei o máximo, bem melhor que o normal, que são as buzinas no volante. Enfim, opinião minha. A buzina no volante não me incomoda, mas acho que mudar da chave de seta para o volante foi um retrocesso. Esse problema de dureza do interruptor simplesmente não existe quando é na chave de seta. Se o cara quiser tirar uma onda, se tiver boa coordenação motora, dá até pra tocar uma musiquinha na buzina quando ela é na chave de seta kkkkkkkk… e a manutenção deve ser mais simples também. Tá certo que é um item quase impossível de dar defeito, mas, se der, pra arrumar, capaz de ter que desmontar até o air-bag nos carros atuais.

Avatar
Andre Rocha 24 de fevereiro de 2022

@Braulio sim, concordo. É que citei esses pois são carros mais recentes que tive. As primeiras versões da Uno também etc etc etc…

@Marcelo Eu acho muito incômodo a buzina na chave de setas, ainda mais quando se está acostumado com veículos com a buzina no centro do volante. Não foi nem 1 nem 2 situações que passei onde se fez necessário o acionamento da buzina e quase houve colisão, e tava lá eu igual um trouxa apertando o centro do volante e nada do som sair, e só depois que lembrei que era no comando de seta nesse meu último carro (Citroën Xsara Picasso). E respondendo sua dúvida, sim, tem que desligar a bateria e desmontar o airbag do volante para fazer o reparo na buzina dos veículos atuais.

Avatar
FE 21 de fevereiro de 2022

Não é ela também que colocou o botão de regulagem do espelho elétrico (quando tem) na frente do cambio?

Avatar
Jovi 23 de fevereiro de 2022

Há um tempo peguei um Duster alugado e quis morrer com esse comando dos vidros embaixo do câmbio. Para ficar péssimo tinha que melhorar muito!

Avatar
Deixe um comentário