Chevrolet Cruze RS prova: hatches médios vão deixar saudade

Único sobrevivente de segmento em extinção, modelo agrada pela dirigibilidade, mas está sem perspectivas no mercado

chevrolet cruze hatch rs 2022 vermelho de frente
Design do hatch ainda se mantém atual (Fotos: Alexandre Carneiro | AutoPapo)
Por Alexandre Carneiro
07 de maio de 2022 16:36

O Cruze Sport6 é o último bastião entre os hatches médios no mercado brasileiro. Depois que ele sair de linha – a Chevrolet já confirmou que não haverá nova geração em âmbito mundial -, o segmento será, literalmente, extinto: sobrará apenas uma ou outra opção de marca premium. Porém, por enquanto, o modelo ainda vive, e a versão RS, a única da gama atualmente, revela bons atributos. Assista ao vídeo:

VEJA TAMBÉM:

Assim como ocorre em todos os veículos RS da Chevrolet, a esportividade do Cruze é puramente visual: o fabricante aboliu os cromados da grade frontal, da base das janelas e até dos logotipos. Nessa versão, esses itens são pretos, assim como as máscaras dos faróis, os retrovisores, o teto e o spoiler traseiro. Um conjunto de rodas de liga leve de 17 polegadas redesenhadas (as mesmas do Sedan Midnight) completam o visual, que ficou agradável.

Dirigibilidade é ponto alto

Apesar de não ter promovido alterações na mecânica do Cruze RS, ao menos a Chevrolet manteve a calibragem mais agressiva que o da configuração Sedan: em relação a ela, o Sport6 tem suspensão traseira 10% mais rígida e acerto próprio da direção, que tem assistência elétrica. Esses itens, somados ao centro de gravidade mais baixo, típico dos hatches médios, fazem do modelo um verdadeiro devorador de curvas, sem torná-lo desconfortável em pisos irregulares.

Na verdade, o maior apelo do Cruze RS é justamente a dirigibilidade, que agrada a quem realmente gosta de dirigir. Além da ótima estabilidade, também se destaca o motor 1.4 turbo com injeção direta de combustível: embora ele já não esteja mais entre os líderes de potência na respectiva faixa de cilindrada, ainda entrega, com gasolina, bons 150 cv, além de 24 kgfm de torque. Com etanol, os números sobem discretamente, para 153 cv e 24,5 kgfm.

As grandes vantagens desse motor são a linearidade na entrega de torque e a suavidade de funcionamento, mesmo em altas rotações. Ele não faz do Cruze RS um autêntico esportivo, mas proporciona um desempenho acima da média, mais que suficiente para encarar ultrapassagens ou subidas de serra sem sustos. A performance dos freios, com discos nas quatro rodas, também é digna de elogios.

O câmbio é que merece ressalvas. A caixa automática de seis marchas não atua com a rapidez que o carro merece; além do mais, eventualmente faz trocas desnecessárias, ou então deixa de fazê-las nos momentos desejáveis. Seria mais fácil contornar esse inconveniente existissem borboletas no volante para operar o sistema sequencialmente, mas, para fazer isso, é necessário dar toques na alavanca. Trata-se de um item que merecia maior atenção, já que o Cruze RS, segundo a própria Chevrolet, tem a dirigibilidade como apelo.

Consumo do Chevrolet Cruze RS

No consumo, o Sport6 revelou números razoáveis: o AutoPapo aferiu 9 km/l na cidade e 12,1 km/l na estrada, com gasolina.  Assim, com esse combustível, o tanque de 52 litros proporciona uma boa autonomia de 629 km.

Amplo espaço interno, mas com porta-malas pequeno

No interior, o Cruze RS traz todos os revestimentos em negro, inclusive a forração do teto. Com exceção da cor preta, o padrão de acabamento não mudou: o Sport6 tem enxertos acolchoados no painel e nas forrações das quatro portas. Nesses locais, o plástico é duro: na parte dianteira, ele exibe boa qualidade; contudo, nas portas traseiras, esse material é nitidamente mais simples e demonstra aspereza ao toque, como ocorre em carros de segmentos inferiores.

O espaço interno também é amplo, inclusive no banco traseiro. Ali, dois passageiros se acomodam com bastante conforto e mesmo a presença eventual de um terceiro ocupante não causará martírio. Porém, o porta-malas, de 290 litros, é digno de hatch compacto: mesmo que o formato do compartimento permita bom aproveitamento desse volume, era de se esperar mais.

O  espaço para pequenos objetos também é escasso. O nicho do console central, por exemplo, já não comporta perfeitamente um smartphone atual. Efeito do tempo, afinal, já se passaram 6 anos desde o lançamento global do modelo, que já começa a mostrar algumas rugas. Mas não há nada a se queixar da ergonomia, que é muito boa, com bancos confortáveis, acesso direito a todos os comandos e leitura fácil dos instrumentos. A visibilidade é ótima para a frente, mas limitada para trás.

Equipamentos do Chevrolet Cruze RS

Cruze RS tem pacote de equipamentos baseado na extinta versão top de linha Premier. Desse modo, há ar-condicionado automático (mas com uma só zona de temperatura), bancos com revestimento que mescla couro e material sintético, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, retrovisor interno eletrocrômico e teto solar, chave presencial com botão de partida, faróis e limpadores de para-brisa automáticos, entre outros itens.

No que diz respeito à segurança, o modelo traz seis airbags (frontais, laterais e de cortina) e controle eletrônico de estabilidade e tração com assistente de partida em rampa. Em relação à versão Premier, porém, há algumas ausências, como os alertas de mudança de faixa e de frenagem.

A conectividade é garantida pela central multimídia com tela de 8 polegadas, compatível com as plataformas, Android Auto e Apple CarPlay. Há ainda espelhamento sem fio, WiFi nativo e o serviço de concierge que a Chevrolet chama de OnStar. Mas falta um carregador de celular por indução, item que o Onix oferece.

Espécie em extinção

No fim das contas, o que pesa contra o Cruze RS é a falta de perspectiva no mercado. No ano passado, o hatch emplacou, segundo a Fenabrave, apenas 1.733 unidades no país. É um bom carro, não há dúvida, mas fica difícil pagar R$ 155.050 por um produto que tem pouco tempo de vida pela frente: não há certeza sequer se ele chegará a 2023.

A verdade é que, provavelmente, a versão RS será o canto do cisne para o Cruze Sport6. Com um futuro tão desanimador pela frente, o modelo acaba atuando quase como um produto de nicho, voltado para um público mais entusiasta: pelo menos não há dúvida de que o hatch é capaz de agradar a esse perfil de consumidor.

Pontos fortes do Chevrolet Cruze RS

  • Desempenho
  • Estabilidade

Pontos fracos do Chevrolet Cruze RS

  • Porta-malas
  • Falta de perspectiva no mercado
Ficha técnica Chevrolet Cruze Sport6 RS 2022
Motor Dianteiro, transversal, a gasolina, 1.399 cm³, com quatro cilindros, de 74 mm de diâmetro e 81,3 mm de curso, 16 válvulas com duplo comando variável, injeção direta e turbocompressor
Potência 150 cv a 5.600 rpm com gasolina e 153 cv a 5.200 rpm com etanol
Torque 24 kgfm a 2.100 rpm com gasolina e 24,5 kgfm a 2.000 rpm com etanol
Transmissão automática de seis marchas, tração dianteira
Suspensão McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira
Rodas e pneus Rodas de liga leve 17”; pneus 215/50 R17
Freios discos ventilados na dianteira e discos sólidos na traseira, com ABS e EBD
Direção assistida eletricamente
Diâmetro de giro 10,9 m
Dimensões 4,448 m de comprimento, 1,807 m de largura, 1,484 m de altura e 2,700 m de distância entre-eixos
Peso 1.336 kg
Carga útil 450 kg
Tanque de combustível 52 litros
Porta-malas 290 litros

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
3 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Polvo 9 de maio de 2022

Os hatches médios deixaram saudade. Esses SUVs compactos atuais estão bem distantes no quesito dirigibilidade, estilo e conforto que os hatches médios entregavam, não tem nem comparação.

Avatar
Jo 8 de maio de 2022

Já dirigi o sedan. Excelente veículo. Ao meu ver uma opção melhor que o Tracker.

Avatar
HAF 8 de maio de 2022

Veiculo muito Bom. Quem sai de um treko(tracker) e entra num Cruze se admira coma difença de acabamento para muito melhor no Cruze.

Avatar
Deixe um comentário