‘Harmonização facial’ em carros nem sempre dá certo: veja 10 casos

Há décadas, a indústria realiza procedimentos estéticos em projetos de carros, mas os efeitos, às vezes, não são positivos

Por Alexandre Carneiro 31/01/21 às 08h00
projetista faz sketch de design de um carro em tablet
Assim como a harmonização facial, a reestilização permite alterar o design do carro com medidas relativamente simples (foto: Shutterstock)

A harmonização facial é última onda da indústria da beleza. Com esforços relativamente baixos, essa técnica promete grandes ganhos estéticos. De certo modo, os fabricantes de automóveis também utilizam recursos semelhantes, conhecidos como face lifts ou reestilizações. Em vez de reprojetar  todo o veículo e, assim, criar uma nova geração, os designers alteram só a dianteira e, eventualmente, também a traseira e o painel.

VEJA TAMBÉM:

Pronto, já é o suficiente para voltar a despertar o interesse pelo produto, sem gastar muitos recursos. O caso é que essa artimanha estética nem sempre dá certo: às vezes até funciona, mas há casos em que a aparência do veículo fica pior do que antes. Duvida? Pois o AutoPapo fez um listão com alguns exemplos de harmonização facial em automóveis já vendidos no Brasil.

Harmonização facial malfeita

Vamos começar, então, com 5 carros que ficaram piores com a harmonização facial feita pelos fabricantes. Nesses casos, a intenção pode até ter sido boa, mas o resultado não foi exatamente positivo…

1. Ford Fiesta

O Fiesta foi o primeiro hatch compacto que a Ford fabricou no Brasil (antes dele, havia apenas o médio Escort). Em 2002, o modelo ganhou uma nova geração e passou a ser produzido em Camaçari (BA). Até aí, nada a reclamar do design, que era moderno e agradável para os padrões da época.

A primeira reestilização veio em 2006: não ficou exatamente ótima, mas também não comprometeu. Contudo, em 2010, uma nova harmonização facial trouxe resultados nada positivos. O Fiesta só voltou a ter design atraente com o lançamento de uma geração inteiramente nova, no ano seguinte.

2. Volkswagen Golf

O ano era 2007. A Volkswagen já havia desenvolvido uma nova geração para o Golf (a quinta em âmbito mundial), mas, por questão de custo, decidiu não produzi-la no Brasil. Porém, o modelo nacional já estava há quase uma década no mercado e exigia atualizações.

A solução do fabricante foi providenciar, por aqui, mesmo, uma reestilização para o modelo. Só que a modificação não surtiu o efeito desejado: as linhas perderam harmonia, ao mesmo tempo que pareciam não ter relação com o tradicional estilo do hatch.

3. Fiat Tempra

Em 1997, a Fiat reestilizou o sedã Tempra. A harmonização facial não surtiu um bom efeito, pelo contrário: o modelo ganhou maçanetas e para-choques arredondados, que pareciam não combinar com as linhas retas da carroceria.

Para completar, a grade frontal passou a exibir o emblema do fabricante em posição elevada. Para algumas pessoas, esse detalhe fazia parecer que o modelo estava dentuço. Não por acaso, essa safra do Tempra ganhou o apelido de “Ronaldinho”.

4. Peugeot 207

O caso do 207 tem algumas similaridades com o do Golf, ao menos no que diz respeito aos modelos nacionais. A Peugeot precisava renovar o produto, mas não quis investir em uma geração inteiramente nova, que já existia na Europa. Só que a marca francesa foi além: não só reestilizou o 206, como passou a chamá-lo com o nome do sucessor.

No fim das contas, o 207 não herdou nem as qualidades técnicas nem a beleza do similar europeu. O design da dianteira parecia não combinar com o restante da carroceria: o ressalto no capô, que a Peugeot utilizava em sua gama na época, deu ao hatch uma aparência “nariguda”.

5. Chevrolet S10

A S10 fabricada no Brasil sempre teve aparência diferente da similar estadunidense. Quando foi lançada no país, em 1995, a picape tinha linhas suaves, até um tanto esportivas: agradou em cheio o consumidor. Esse estilo foi até o ano 2000 sem grandes alterações.

Entretanto, para a linha 2001, a S10 foi submetida a uma harmonização facial que não pode ser chamada de bem-sucedida. Talvez a ideia do fabricante fosse dar uma aparência mais robusta à picape, mas o design ficou desajeitado e pesado. Só em 2012 veio uma safra totalmente reprojetada.

Harmonização facial “top”

Enumerados os casos de harmonização facial malsucedidos, é hora de relembrar 5 carros que ficaram mais belos após a intervenção. No fim das contas, parece que não há problema algum com essa técnica: ocorre que ela nem sempre é aplicada corretamente.

1. Chevrolet Spin

A frente abrutalhada, com faróis e grade muito grandes, associada à traseira sem graça, colocaram o monovolume na berlinda dos críticos desde o lançamento. Há quem diga que o Spin se parecia com uma capivara.

A solução veio em 2015, com uma harmonização facial que tornou faróis e grade mais alongados e estreitos, além de ter trazido um capô mais esculpido e lanternas que se prologam sobre a tampa do porta-malas. O Spin não virou referência em design, mas a evolução salta aos olhos.

2. Kia Magentis

Lembra-se do Kia Magentis? Conhecido como Optima em outros mercados, ele teve uma passagem bem discreta pelo Brasil. Não era exatamente um automóvel feio, mas tampouco podia ser considerado atraente. Suas linhas eram bem genéricas, algo que marcou os veículos coreanos por muito tempo.

Eis que o designer Peter Schreyer assumiu a Kia e fez uma verdadeira revolução na gama: antes de projetar a terceira geração a partir do zero, ele reestilizou o sedã seguindo a nova linguagem de estilo da marca, com a grade frontal ao estilo “focinho de tigre”. Melhorou da água para o vinho!

3. BMW Série 1

A segunda geração, lançada em 2012, não rompeu muito com o estilo do antecessor, exceto por um detalhe: os faróis ganharam o formato de um trapézio invertido, que não foi bem-aceito pelo público. Não tardou para o hatch ser apelidado de “Angry Birds”.

Em 2015, quando a fábrica da BMW em Araquari (SC) iniciou suas atividades, o Série 1 nacional já chegou com uma reestilização adotada em todo o mundo, que deu à dianteira um aspecto mais agradável.

4. Toyota Corolla

A geração conhecida como E110 foi a oitava da história do Corolla e a segunda comercializada no Brasil. A Toyota adotou estilos próprios nos diferentes mercados em que o modelo foi vendido, alterando elementos da dianteira e da traseira. O visual adotado na Europa e na Oceania era o mais ousado e também o mais controvertido, com faróis circulares.

Essa foi a configuração escolhida para chegar, via importação, ao Brasil. Rapidamente o modelo ganhou o apelido de “ralador de queijo”, por causa do aspecto da grade frontal.  O fabricante, porém, agiu rápido: quando nacionalizou o modelo, em 1998, deu a ele as linhas da versão japonesa, mais sóbrias.

5. Fiat Doblò

O projeto de um veículo utilitário envolve questões bem diferentes que o de um carro de passeio. Nesse caso, o que importa é a praticidade, e não a beleza. O Fiat Doblò é um exemplo disso: o formato quadradinho da carroceria, por exemplo, tem o objetivo de maximizar o espaço interno. É o triunfo da função sobre a forma.

Independentemente dessas questões, o fato é que, quando foi lançado, em 2002, o Doblò tinha linhas esquisitas até para um veículo comercial. O remédio veio com uma harmonização facial, em 2009, que deixou a dianteira do utilitário bem mais palatável.

Importância do design vai muito além do visual: Boris Feldman explica em vídeo!

Fotos: Divulgação

15 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Irlan 5 de fevereiro de 2021

Senão me engano, a reestilização da Spin veio em 2018, não em 2015

Avatar
cleriston rabelo dos santos 2 de fevereiro de 2021

nossa que lista pobre e na moral o primeiro deveria ser o HB20

Avatar
Rodrigo 1 de fevereiro de 2021

O Golf Sportline ficou tão desarmonico que foi o Golf que mais vendeu no País…kkkkk

Avatar
Rodrigo MARTINIANO 1 de fevereiro de 2021

Permitam-me um comentário.
Não sei ao certo se é resultado de ‘face-lift’ ou se é simples mal gosto, aquele malgostoso.
Os carros europeus são, via-de-regra, discretos na aparência: nada de “olhos-puxados”, nem de baboseira alguma.
Imagine um VW com “olhos-puxados”, ou um Porsche, ou um BMW, ou um AUDI…
Ferrari e Lamborghini eu deixo de mencionar, pois são ‘hors-concours’.
Agora, feio ‘marmota’ é o Citroen C4 Pallas!
Permitam-me outra vez, o Citroen C4 Pallas me lembra uma coisa chamada ARREMEDO, algo de péssimo gosto, diga-se ‘en passant’ !!!

Avatar
Allan 1 de fevereiro de 2021

O fiesta da faltando uma versão antes desta da foto, que foi bem feia. Informação incompleta.

Avatar
Kaká 1 de fevereiro de 2021

Fiesta 1 para Fiesta 2 foi uma boa melhoria, as lanternas traseiras do 1 pareciam ser dos anos quarenta. Kkkkkkkk

Avatar
Sisifo 31 de janeiro de 2021

Bom tema para matéria. O ponto alto são alguns comentários que abordaram inúmeras outras “harmonizações”. E o HB20, minha nossa, realmente, que coisa absurda. Um tipo de mudança que alterou completamente a identidade visual do carro. Aliás, esse quesito parece que não é o ponto forte de algumas fábricas japonesas. Simplesmente “esquecem” o modelo anterior. Como é que fica daqui uns anos se a pessoa quiser um parachoque, lanterda e etc, hein…

Avatar
Rodolfo Azevedo 31 de janeiro de 2021

Hb20 ridículo

Avatar
ALEXANDRE SOARES CAVASSIN 31 de janeiro de 2021

Legal a reportagem. Um aviso, a matéria fala de harmonização, não nova geração ou mudanças profundas como o HB20. Mas aí da há casos de tentativas mal sucedidas, como o Do Gol “G4” ( que na verdade era um geração 2 na segunda reestilização). O “G3” era um belo modelo, o G4 horroroso… O Uno Mille 2005 também teve uma mudança pra pior, que o seguiu até o fim da vida. Também temos o Monza tubarão 1991 que perdeu a beleza do modelo 90 pra misturar linhas tetas e curvas. Demorou pra acostumar. Enfim, parece que a regra é ficar pior mesmo…

Avatar
FAYEZ JOSÉ RIZK 31 de janeiro de 2021

E o HB 20???? è a pior “atualização” da história do automobilismo! Um frankstein, com frente do Ford K, uma lanternas traseiras abaixo do ridículo, parecem até que é um adesivo plástico colocado á guisa de lanternas… Trabalho tosco!…

Avatar
Sísifo 31 de janeiro de 2021

Bom tema para matéria. O ponto alto são alguns comentários que abordaram inúmeras outras “harmonizações”. E o HB20, minha nossa, realmente, que coisa absurda. Um tipo de mudança que alterou completamente a identidade visual do carro. Aliás, esse quesito parece que não é o ponto forte de algumas fábricas japonesas. Simplesmente “esquecem” o modelo anterior. Como é que fica daqui uns anos se a pessoa quiser um parachoque, lanterda e etc, hein…

Avatar
Filipe 31 de janeiro de 2021

A matéria mistura velhos e novos , e não falaram o mais obvio e do momento brasileiro. O mais bizarro e ridícula atualização é do HB20 , era bonitinho e ficou ordinário.

Avatar
Rodrigo Carvalho Viana 31 de janeiro de 2021

Esqueceram de mais alguns:

*Que piorou
HB20 Hatch – Tosco
HB20 Sedan – Deplorável, nada combina com nada
Palio G4 com aquela traseira de Daihatsu Horrível
Gol G4 – perdeu a beleza e requinte do G3
Monza Tubarão – sinceramente, perdeu a harmonia do anterior
Montana – a do Corsa era infinitamente mais bonita que essa do Agile

*Que melhorou
Siena G1 para G2 – o G2 foi um dos mais bonitos, mais até do que o Grand Siena
Palio G1 para G2 – um dos Palios mais bonitos que existiu
Escort 96 e meio para 97 – o Zetec, o Escort mais bonito que existiu
Cobalt – do primeiro para o segundo, melhoria incrível
Logan – do G1 para o G2, absolutamente mais bonito, até hoje

Avatar
Fernando B 31 de janeiro de 2021

O primeiro facelift do Ka Rocam (joaninha) tbm foi algo deplorável, talvez pior que todos os citados aqui.

Avatar
Fabio Santos 31 de janeiro de 2021

Na parte de harmonização facial mal feita faltou o boca de peixe do HB20. Um exemplo mais atual era bonito ate fazerem essa harmonização.

Avatar
Deixe um comentário