Depois de dois fracassos, Peugeot conseguirá emplacar picape Landtrek?

Marca francesa já lançou outras caminhonetes no passado, mas não conseguiu se estabelecer no segmento: agora, empreende enorme esforço em nova tentativa

peugeot landtrek estrada fantasmas do passado portal
Landtrek terá que exorcizar antigos fantasmas do fabricante (Arte: Ernani Abrahão | AutoPapo)
Por Alexandre Carneiro
19 de fevereiro de 2022 10:03

A maior novidade que a Peugeot prepara para o mercado brasileiro em 2022 é a Landtrek. Prevista para chegar ao mercado no segundo semestre, ela será a primeira picape média da marca francesa. A pergunta que não quer calar é: será que o modelo fará sucesso? Afinal, o fabricante fracassou nas duas vezes outras em que tentou entrar nesse segmento no Brasil, com a 504 Pickup e com a Hoggar, respectivamente.

VEJA TAMBÉM:

Peugeot 504 Pickup: a pioneira

A primeira tentativa ocorreu logo após a abertura do mercado nacional aos produtos importados. Em 1994, a Peugeot 504 Pickup começou a desembarcar no país. A caminhonete tinha ótima capacidade de carga: suportava nada menos que 1,3 tonelada. Além do mais, vinha com um motor a 2.3 a diesel de 70 cv de potência (número que parece pífio atualmente, mas que estava coerente com o padrão dos veículos utilitários da época).

picape peugeot 504 pick up
Peugeot 504 foi a primeira picape da marca francesa no Brasil

Aliás, utilidade é palavra que melhor define a Peugeot 504 Pickup. Hoje em dia, muitos compradores utilizam caminhonetes como carros de passeio, mas, na década de 1990, o perfil do consumidor desse tipo de veículo era diferente: a maioria estava interessado no uso comercial. Nisso, o modelo agradou em cheio e logo ganhou fama de robustez. Além do mais, mesmo com cabine simples, podia acomodar três ocupantes.

O que acabou prejudicando a Peugeot 504 Pickup foi o pós-vendas falho, em uma época na qual a Peugeot ainda era somente importadora. Relatos de falta de peças e de mão-de-obra especializada tornaram-se comuns. Outro problema era o projeto ultrapassado: o sedan no qual a picape se baseava data de 1968! Em fim de carreira, a caminhonete acabou saindo de linha na Argentina em 1999, o que colocou fim às exportações ao Brasil.

Fracasso com a Hoggar

Depois da 504 Pickup, a Peugeot voltou ter uma caminhonete na gama de produtos em 2010, quando lançou a Hoggar. Baseado no hatch 207, que por sua vez era apenas uma reestilização do 206, o modelo tinha como principal atrativo a caçamba de 1.151 litros de volume: o maior da categoria na época. Já a capacidade de carga, de 660 kg, estava na média da concorrência.

Peugeot Hoggar
Em 2010, a Peugeot apostou na picape Hoggar, cujas vendas foram pífias

A Peugeot ofereceu a Hoggar com três versões de acabamento e duas opções de motorização, ambas flex: 1.4 de até 82 cv e 1.6 de até 113 cv. Porém, a picape teve vendas pífias, e a produção em Porto Real (RJ) foi encerrada precocemente, em 2012. Pesaram a má fama das gamas 206 e 207 no que diz respeito à robustez da suspensão (item essencial em veículos utilitários) e a ausência de uma variação com cabine estendida.

Com a Landtrek, a Peugeot voltará a ter uma picape após um hiato de 10 anos. E, ainda por cima, será a primeira de porte médio, para concorrer diretamente com Toyota Hilux, Chevrolet S10, Ford Ranger, Mitsubishi L200, Nissan Frontier e Volkswagen Amarok. Ela virá importada do Uruguai, beneficiando-se dos acordos fiscais estabelecidos pelo Mercosul.

Peugeot dará volta por cima com a Landtrek?

Para tentar finalmente obter sucesso no segmento, a Peugeot realiza aperfeiçoamentos na Landtrek local. Para começar, a picape uruguaia será mais potente que as similares vendidas em outros países. Isso porque, segundo o site Autos Segredos, ela adotará o motor PSA DW10, um 2.0 turbodiesel que equipa veículos utilitários do grupo Stellantis na Europa: por lá, ele rende 181 cv e 40,8 kgfm, mas esses números podem crescer por aqui.

peugeot landtrek 2011pj010
Landtrek passa por aperfeiçoamentos antes de ser lançada no Brasil

Outra exclusividade será a adoção de um câmbio automático Aisin, de seis marchas, associado a um sistema de tração 4×4 com reduzida. No exterior, atualmente, a Peugeot Landetrek vem com um motor 1.9 turbodiesel de 150 cv e 35,6 kgfm, acoplado a uma caixa manual. Há também um 2.4 turbo a gasolina, com 210 cv e 32,6 kgfm, que está descartado para o Brasil.

No mais, a Peugeot Landtrek manterá várias das qualidades do projeto original, como grande capacidade de carga (as versões estrangeiras transportam até 1.200 kg) e o interior sofisticado. O desenvolvimento local conta com profissionais da Fiat, que também integra o Grupo Stellantis e tem maior experiência com picapes. Será que, enfim, a marca francesa terá um produto de sucesso nessa categoria?

Como Peugeot e Citroën conseguiram começar a virar o jogo em 2021? Boris Feldman comenta em vídeo!

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
4 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Sir.Alves 22 de fevereiro de 2022

A RECEITA do SUCESSO é simples dona Peugeot: 1)Vender preço um pouco abaixo da concorrência com a mesma qualidade + 2)Uma versão a diesel, pois se for só Flex… nem tentem… pickup tem quer a diesel, a Flex é só para os entusiastas. 3)Aumentem a cadeia de concessionárias pelo menos uma em cada capital… simples!

Avatar
Santiago 21 de fevereiro de 2022

O 504 Pickup era um excelente utilitário, e tinha tudo pra tirar o sono dos concorrentes.
Mas infelizmente, como bem frisou a matéria, ele chegou numa epoca em que a Peugeot tinha acabado de desembarcar no Brasil, e ainda precisava fazer mercado e estabelecer uma rede confiável de pos venta.

Avatar
rodrigo 20 de fevereiro de 2022

a 504 foi fracasso aonde, era muito boa, pena que pararam de vender, aguentava peso, a diesel, barata e duravel.

Avatar
Carlos 19 de fevereiro de 2022

A 504 e uma puta picape. Se talvez a outra tivesse as mesmas características mecânica faria sucesso. Agora com a gerência do grupo stallins talvez a Fiat os ensinam e orientem melhor.

Avatar
Deixe um comentário