Lançamentos decepcionantes: 10 carros abaixo das expectativas

Seja por falta de qualidades ou simplesmente por falha no posicionamento do fabricante, esse modelos não estavam à altura do que se esperava deles

Por Alexandre Carneiro 25/10/20 às 08h20
chevrolet agile vermelho dianteira grade
Chevrolet Agile (Chevrolet | Divulgação)

Expectativas podem criar problemas: quando elas não são atendidas, o resultado é a frustração. Isso acontece inclusive com os carros, cujos lançamentos são antecedidos por aparições midiáticas e campanhas publicitárias. Às vezes, porém, determinadas características que são esperadas acabam não chegando ao mercado.

VEJA TAMBÉM:

O listão de hoje é sobre esses modelos: o AutoPapo enumerou 10 carros que não atenderam às expectativas geradas antes de seus lançamentos. Em alguns casos, faltou qualidades ao produto. Em outros, nem é o caso de dizer que o veículo é ruim: ele só não correspondeu ao que se esperava dele. Confira o listão!

1. Chevrolet Agile

chevrolet agile vermelho dianteira grade
Primeiro veículo lançado após a reestruturação da GM trazia mecânica e plataforma dos antigos produtos

Apresentado tanto à imprensa quanto ao público como símbolo da reestruturação da empresa, o hatch era, na realidade, um compilado de velhas tecnologias. Construído sobre a plataforma 4.200 (a mesma do Celta), o Agile tinha uma estrutura mais antiga que a o do próprio antecessor: o Corsa de segunda geração, que já utilizava a base Gamma.

Para completar, o design também não agradou. Com tantas limitações, o hatch não conseguiu se destacar no mercado e foi ofuscado não só pelos concorrentes, mas também pelo “irmão” Onix, que já utilizava a plataforma Gamma II e oferecia equipamentos como central multimídia e câmbio automático. A trajetória do Agile no Brasil chegou ao fim em 2014, menos de cinco anos após o lançamento.

2. Fiat Linea

fiat linea 1 4 16v t jet 2008 preto de frente
Vendido como sedã médio, Linea era baseado no compacto Punto

Na época do lançamento, em 2008, o Linea foi apresentado como terceiro de uma linha sucessiva de sedãs, iniciada pelo Tempra e perpetuada pelo Marea. Na prática, porém, era uma derivação do Punto, um hatch compacto, enquanto os antecessores eram autênticos médios.

Para dar ao Linea maior espaço traseiro, a Fiat aumentou a distância entre eixos em 9 cm. O acabamento também era mais caprichado que no hatch. Mas o modelo não conseguia esconder totalmente as origens: o habitáculo era estreito diante dos sedãs médios. Além do mais, enquanto os concorrentes dispunham de câmbio automático, a Fiat oferecia o (extinto) automatizado Dualogic.

Não há problema algum em criar um sedã com base em um hatch compacto. Essa prática, aliás, é comum para a indústria automobilística. A falha da Fiat foi tentar vender o Linea com preço de modelo médio. O fabricante até tentou reposicioná-lo, mas era tarde demais. O modelo saiu de linha em 2016 e entrou para a história como um dos lançamentos de carros mais pretensiosos da marca italiana no Brasil.

3. Hyundai Veloster

hyundai veloster cinza lateral
Veloster tinha cara de esportivo e desempenho de hatch compacto

Com design invocado e uma incomum carroceria de três portas, o Veloster chamou muita atenção quando chegou ao país, em 2011. Havia só um problema: o desempenho era bem inferior ao que a aparência insinuava. É que, embaixo do capô, havia um modesto motor 1.6, o mesmo que equipa a linha HB20.

Para piorar ainda mais, a Hyundai anunciava que a potência do Veloster era de 140 cv. O “detalhe” é que esse número dizia respeito às versões equipadas com injeção direta, vendidas no exterior. Porém, elas não vieram para o Brasil: todos os lotes trazidos pela importadora eram compostos unicamente por veículos com a tradicional injeção indireta. Nesse caso, a potência era de 128 cv.

Caro e arrojado em design, mas com desempenho digno de modelo compacto, o modelo logo virou tema de piada. Quando o efeito da novidade passou, as vendas minguaram. Consequentemente, as importações foram suspensas já em 2013. Desde então, a Hyundai protagonizou diversos lançamentos no país, mas o Veloster nunca mais voltou à gama de carros da marca.

4. Renault Kwid

renault kwid intense laranja de frente
Anunciado como “SUV dos compactos”, Kwid é um subcompacto de entrada

O problema não é o automóvel propriamente dito, e sim a expectativa que a Renault criou antes de apresentá-lo. Afinal, o Kwid foi tema de um dos lançamentos de carros mais propagandeados dos últimos tempos: no material publicitário, a empresa o anunciava como “o SUV dos compactos”. Na verdade, o modelo não é nem SUV, nem compacto, e sim um um subcompacto de entrada.

Já avaliamos o Renault Kwid Outsider: assista ao vídeo!

Essa constatação não tardou a ser feita pelos consumidores. Algumas pessoas que reservaram o Kwid durante a fase de pré-venda simplesmente desistiram do negócio ao vê-lo pessoalmente. A Renault, por sua vez, alegava que o modelo se enquadrava como SUV na classificação do Inmetro, que leva em consideração apenas a altura do solo e os ângulos de entrada e de saída.

Vale destacar que, tendo em vista a proposta de veículo econômico e acessível, o Kwid é, sim, interessante. Tanto que a aceitação foi boa e o hatch tem conseguido obter bons números de venda. Mas, daí a chamá-lo de SUV, ou até mesmo de compacto, há uma distância bem grande… Não por acaso, a Renault deixou de utilizar tal slogan para o modelo.

5. Peugeot 207

Peugeot 207 série especial Quicksilver prata de frente
Em vez de lançar no Brasil o 207 europeu, Peugeot reestilizou e rebatizou o 206

A Peugeot adotou uma polêmica e desastrada estratégia comercial quando lançou o 207 nacional, em 2008. Em vez de fabricar o similar europeu, que era um projeto inteiramente novo, a empresa optou por reestilizar o 206 e rebatizá-lo com o nome do sucessor. Assim, o hatch ganhou uma nova frente e um painel atualizado, mas manteve a carroceria e a mecânica já utilizadas.

A prática de fazer alterações estilísticas em um projeto já existente é corriqueira entre os fabricantes de veículos. O pênalti da Peugeot foi querer convencer o mercado que um produto inteiramente novo havia surgido a partir dessas modificações. Em outras palavras, o fabricante vendeu gato por lebre.

O resultado, entretanto, acabou sendo ruim para a própria Peugeot, uma vez que o 207 teve vendas bastante fracas. O hatch recauchutado logo foi ofuscado por vários lançamentos da concorrência, em uma época na qual o mercado de carros estava em franco crescimento. Anos depois, a marca francesa o substituiu pelo 208: este, sim, um projeto novo, que acaba de chegar à segunda geração.

6. Volkswagen Apollo

volkswagen apollo série especial vip de frente
Clone do Verona, Apollo não justificava preço mais alto

Entre 1987, Ford e Volkswagen trabalharam juntas no Brasil e em outros países da América do Sul, em uma associação batizada de Autolatina. A ideia de ambas era compartilhar motores e plataformas, de modo a reduzir custos. O primeiro dos carros ditos novos resultantes dessa união foi o Apollo, protagonista de um dos lançamentos mais esperados do ano de 1990.

O caso é que o Apollo estava longe de ser um carro realmente novo. Ele não passava de um clone do Verona, que por sua vez era uma derivação do Escort. A Volkswagen dizia que o modelo era mais esportivo devido ao câmbio com relações de marchas um pouco mais curtas, para proporcionar maior agilidade em retomadas de velocidade. Por outro lado, essa solução trazia prejuízos ao consumo e ao nível de ruído.

A dita esportividade, porém, acabava por aí, uma vez que o motor, um 1.8 de origem Volkswagen, era exatamente igual nos dois veículos (embora o similar da Ford pudesse ser equipado também com um 1.6 na versão de entrada LX). Para piorar, o preço era cerca de 20% mais alto que o do Verona. Não poderia ter sido diferente: após vender apenas cerca de 53 mil unidades, o Apollo saiu de linha precocemente em 1992.

7. Ford Royale

ford versailles royale ghia prata traseira
Perua de duas portas já não tinha lugar no mercado quando a Royale foi lançada, em 1991

Outro dos carros criados pela Autolatina que não corresponderam às expectativas dos lançamentos foi a Royale. A perua era uma repaginação feita pela Ford a partir da Quantum, exatamente como acontecia com o Versailles em relação ao Santana.

Não que faltassem atributos técnicos à linha Versailles. Pelo contrário: o sedã e a perua tinham bom acabamento e desempenho bastante interessante para os padrões de 1991, quando chegaram ao mercado. O caso é que faltava personalidade a ambos: vários consumidores fiéis à Ford não se identificavam com produtos tão diferentes dos demais oferecidos até então pela empresa.

O caso da Royale era particularmente mais dramático, pois, para diferenciá-la da Quantum, a Autolatina optou por oferecê-la com apenas duas portas. Naquela época, a demanda por carros quatro portas estava em franca ascensão, principalmente em modelos com proposta familiar. Somente em 1995 a perua, enfim, adotou as portas adicionais. Era tarde demais: no ano seguinte, a produção de toda a Versailles chegava ao fim.

8. Mitsubishi Outlander Sport

mitsubishi outlander sport 2021 cinza frente
Outlander Sport é, na verdade, o ASX com uma reestilização frontal

No último mês de julho, a Mitsubishi apresentou um dito  produto inédito: o Outlander Sport. Porém, o modelo não é exatamente novo: trata-se do velho modelo ASX, apenas atualizado com os atuais elementos de estilo do fabricante. A dianteira ganhou faróis afilados, grade com três lâminas e elementos em formato de bumerangue ao redor dos faróis de neblina. Tudo com muito cromado.

Basta, entretanto, olhar as laterais para constatar que a carroceria é exatamente a mesma do ASX. A traseira também é quase igual, exceto pelo para-choque e pelas lanternas. E, no interior, os dois modelos exibem exatamente o mesmo painel. Assim como a Peugeot fez com o 207, a Mitsubishi atualizou um projeto com nada menos que 13 anos (o lançamento global ocorreu em 2007) e passou a comercializá-lo como veículo inédito.

E por que, então, o Grupo Souza Ramos, que representa a Mitsubishi no Brasil, não o apresentou como uma evolução do modelo anterior, tal qual ele é? Simplesmente porque o ASX segue em produção, ocupando uma faixa de mercado inferior. Assim, o mesmo projeto deu origem a dois produtos. Em 2020, todos os lançamentos da marca japonesa em 2020 resumiram-se a atualizações de carros já existentes.

9. Chery Celer

chery celer branco 2015 de frente em movimento
Primeiro carro nacional de origem chinesa, Celer fracassou no mercado

Pouco mais de uma década atrás, o mercado nacional começou a receber os carros chineses. Quase todos, porém, chegavam ao país via importação. A Chery foi a primeira a dar um passo à frente: construiu uma fábrica própria em Jacareí (SP) e, assim, o Celer tornou-se o primeiro automóvel sino-brasileiro.

A Chery queria alcançar grande volumes de vendas e concorrer em pé de igualdade com as concorrentes instaladas no país décadas antes. Mas nada saiu como o esperado. Em parte, porque o fabricante apostou em veículos compactos, como o Celer e o QQ, enquanto o segmento que mais cresceu foi o de SUVs. Mas houve ainda uma crise financeira logo depois da inauguração da planta, em 2015.

Após seguidos prejuízos, as operações locais da Chery, incluindo a fábrica, foram repassadas, em 2017, ao Grupo Caoa. De lá para cá, a nova empresa realizou lançamentos de diversos carros. Já o Celer, que deveria ter sido um marco para a indústria chinesa no Brasil, saiu de linha precocemente em 2018. Entretanto, seu projeto sobrevive, rebatizado de Tiggo 2: além do novo nome, recebeu suspensão elevada e frente, traseira e painel reestilizados.

10. Kia Rio

kia rio 2020 vermelho de frente em movimento
Kia Rio demorou cerca de 10 anos para ser lançado e acabou chegando após a desvalorização do Real

A chegada do Rio ao país bem que poderia virar tema de novela. O modelo era prometido para o mercado nacional há cerca de 10 anos: o Grupo Gandini, que representa a Kia no Brasil, confirmou a chegada dele em diferentes ocasiões ao longo desse período. No último mês de janeiro, o modelo finalmente desembarcou no país.

Não é o caso de dizer que o Rio seja, em si, decepcionante. O AutoPapo já teve contato com ele e gostou da dirigibilidade e do padrão de construção. Mas essas qualidades não parecem justificar os preços, que começam em R$ 69.990 e vão até R$ 79.990. Para piorar, o hatch sequer tem motor turbo: sob o capô, está o conhecido 1.6 utilizado em outros veículos da Kia.

O Grupo Gandini atribui os preços à alta do Dólar, que impacta diretamente sobre os produtos importados. Independentemente disso, não dá para dizer que a espera por um dos lançamentos de carros mais demorados da história valeu a pena. Sem preços competitivos, o Rio ainda está bem distante de conseguir dar à Kia maior participação no mercado.

Fotos: Divulgação

46 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Marcelo 5 de novembro de 2020

Olha aí Turma…nós temos agora no Brasil a (anmocar-br), Associação Nacional dos Motoristas de Carros de Passeio e Similares do Brasil…Ela veio pra defender nossos interesses neste setor…e tem um Corpo Jurídico de Renomados Advogados para nos representar mediante as Montadoras…entram lá e vamos combater juntos a má fé…faça a sua parte, entra lá…

Avatar
Osvaldo 1 de novembro de 2020

Pra mim é um bom carro

Avatar
Fernando Lacerda 29 de outubro de 2020

Não sei porque vivem falando que o Kwid não é SUV. Não basta criticar no comentário. O RENAULT KIWD. PELAS NORMAS DO INMETRO É UM SUV. Não se confunda SUV com “essas barcas com rodas” à venda. Para ser SUV, na dição do INMETRO tem que se levar em consideração os ângulos de entrada e saída. Pediria que, antes, o opinante se desse ao desfrute de ler as normas técnicas o dito INMETRO.

Avatar
Gilberto 30 de outubro de 2020

Cala a boca

Avatar
Irlan 29 de outubro de 2020

O analfabetismo funcional é terrível! A matéria fala do engodo que o Agile foi, pois ele foi feito em cima de uma estrutura mais velha que a do Corsa, mas foi vendido como sendo um carro acima do Corsa, além de apresentar vários defeitos na época do lançamento devido as gambiarras que a Chevrolet fez nele, mas os espertões que compraram nem prestaram atenção nesses detalhes e só ficam falando que o carro é “fantástico”
kkkkkkkkkkkkk

Avatar
Levi Dutra 28 de outubro de 2020

Tenho um Agile LTZ 2013 e posso dizer que é um carro excelente

Avatar
Moizes Donizeti Felicio 27 de outubro de 2020

Gosto muito do autopapo, pois suas dicas sobre veiculos são excelentes e evitam de sermos enganados quando procuramos serviços em oficinas.
Se for possível gostaria de saber do autopapo se é seguro comprar carro zero em auto shopping do tipo shopping global.
um abraço

Avatar
Jomar 26 de outubro de 2020

Onix 1.0 turbo quem achar que pode encarar…

Avatar
José Maria da Silva 26 de outubro de 2020

Cara tenho um Agile carro muito bom e econômico só fala mau quem nunca teve.

Avatar
assis 26 de outubro de 2020

Concordo. Também tenho um Agile e é um ótimo carro, não tenho nada a reclamar.

Avatar
Samuel gomes 26 de outubro de 2020

Carros bons são com Motores ap 1.5 1.6 1.8 2.0 carburador depois deles zetec rocan 1.6

Avatar
José Luiz Mariano. 26 de outubro de 2020

Kkk. O que eu mais gosto de ver são os comentários. Mas é verdade. Precisa andar nos veículos por algum tempo pra saber realmente se ele atende as especificações ou não. Tem carro aí que são muito bom sim, o meu é um prisma ltz, mas meu vizinho tem um ágile, e não reclama não. Abraços. Otima semana a todos. Que Deus abençoe.

Avatar
Baiano 26 de outubro de 2020

Melhor carro ja feito foi a Toro

Avatar
Neto 26 de outubro de 2020

Aquilo tá mais e pra bezerro a flex da 5km por litro no etanol a diesel custa o valor de uma GM S10 a suspensão não aguenta serviço pesado e camionete para a geração Nutella

Avatar
Luiz 26 de outubro de 2020

Recalque detected.

Avatar
Irving 26 de outubro de 2020

Concordando com os comentários anteriores, realmente o Agile apesar de poucos anos no mercado vendeu muitas unidades. É um mini suv por ser alto e espaçoso para o padrão da época de lançamento.

Avatar
David 25 de outubro de 2020

Faltou nesta lista o Sonic que não durou muito

Avatar
Odilon Inácio da Rosa Júnior 25 de outubro de 2020

Tenho um Agile não tenho oque reclamar carro ótima performance econômico ótimo carro

Avatar
Marcelo 25 de outubro de 2020

Faltou citar o Sonic.

Avatar
Júnior 26 de outubro de 2020

Eu tenho um Sonic 13/14 top de linha com todos os opcionais, excelente carro, top, acabamento impecável…

Avatar
Dário Minto 25 de outubro de 2020

O Agile é um excelente carro, me arrependo de ter vendido o meu. Quem escreveu isso provavelmente nunca andou no carro.

Avatar
José Maria da Silva 26 de outubro de 2020

Verdade amigo !
Tenho um Agile gostei muito ele supre toda expectativas muito bom mesmo……

Avatar
LUCAS ALVES MONTEIRO 25 de outubro de 2020

Faltou o mobi, um Fiat uno diminuído. Descepcionante fazerem carros como esse nos dias atuais.

Avatar
Rafael Gama silva 25 de outubro de 2020

Cara, eu já tive um Agile ltz 2010 excelente carro melhor que muito motor 1.0 o povo defamam o carro sem nem ao menos conhecê-lo

Avatar
Carlos Eduardo Paiva 25 de outubro de 2020

Concordo, tenho um aínda e estou muito feliz, antes de criticar precisa conhecer.

Avatar
Adailton 25 de outubro de 2020

Esperei ver o WV Up! Nessa lista

Avatar
Marco 25 de outubro de 2020

Não entendi o Kwid estar nessa matéria. Ele vende bem e a Fiat até elevou a suspensão do Mobi 2021 para ficar mais parecido com ele.

Avatar
Adriano 25 de outubro de 2020

A roda do kwid só tem 3 parafusos, não tem pino central, pra trocar o pneu tem que pedir ajuda pra alguém, comprei um e me arrependi,se tivesse comprado um bicicleta teria feito melhor negócio

Avatar
Wolmer 25 de outubro de 2020

Falta de informação e ignorância é foda….o kwid vem bem acoplado no pino que tira o estepe um parafuso que é exclusivo para colocar e centrar a roda em caso de trocar o pneu,abestado,fala asneira não.mal informado

Avatar
Um Anonimo 25 de outubro de 2020

Realmente tem muita gente mal informada, tem o próprio carro e bem sabe como usa, falta de cultura, leitura e interesse próprio… Falar oque disso! Por essa razão tem muita crítica de diversos carros, donos nem sabem o tipo de óleo que vai no motor e muito menos a quantidade …, Espera uma segunda pessoa ajudar a trocar pneu? Orra vá se informar mais e e deixa de preguiça.

Avatar
Júnior 26 de outubro de 2020

O cara pra comprar carro da Renault tem que ser muito caba… Não entende nada de carro… Um carro todo atrasado… A Renault não tem um carro bonito.

Avatar
Neto 26 de outubro de 2020

Mas tu e Nutella em não dar conta de trocar um pneu de carro só pq não tem o centralizador e do tipo que se for trocar um pneu de uma Pajero não dá conta de carregar o estepe kkkkkkkkkkkkk

Avatar
Joe 26 de outubro de 2020

vai ler o manual – se o fizesse não precisaria de ajuda

Avatar
Irlan 29 de outubro de 2020

A questão da roda é o de menos… O MP deveria pedir a justiça que determine o recolhimento e desmanche dos Kwids vendidos até hoje, pois um carro que já passou por recall para trocar o cofre do motor por causa de rachaduras, e agora está tendo vários relatos de que a solda da barra de direção é podre e o volante está caindo no colo dos motoristas, faz esse carro ser considerado um perigo ambulante extremo

Avatar
Joe 26 de outubro de 2020

como dito, o carro não tem nada com o babado – a renault é q fez estardalhaço por pouco, enganando o povo; eu tenho um, ja fez 20mk, e só rio da economia

Avatar
Maurício 25 de outubro de 2020

Faltou vários carros como Chevrolet Suprema,Fiat Tipo e Oggi.

Avatar
Marcelo 25 de outubro de 2020

Pura verdade! Quem não gostar que arrume uma desculpa. Prefiro um carro TSI “milsinho” com 128 cv de potência 💪😉

Avatar
Marcelo 25 de outubro de 2020

Pura verdade! Quem não gostou que arrume uma desculpa. Prefiro um carro TSI “milsinho” com 128 cv de potência. 💪 😉

Avatar
Esequias 25 de outubro de 2020

Minha filha comprou um Agile agora nesse mês10/20 está muito contente,pois é um LTZ 1.4 e não esses milsinhos que quando voltámos da praia carregado tem que ajudar pedalando,e tem muito opcionais.

Avatar
Então 25 de outubro de 2020

Mais contente está quem se vendeu o Agile.

Avatar
Fabiano 25 de outubro de 2020

Verdade…com certeza o pior carro que a GM fez….eu tinha um paguei 42000 e depois de 1 ano e meio a própria GM me dava 23000.

Avatar
Adilson 25 de outubro de 2020

Tenho um Agile 2010,comprei novo, na época achei que era o pior carro que tinha comprado estou com ele até hoje, 85000 mil km, acabei acostumado com o carro, estou vendendo agora pra comprar um Sportage 2015 ex

Avatar
Tiago 25 de outubro de 2020

Tenho um Ágile LTZ,1.4, azul infinity, 2014, aro 16.
O Carro é muito confortável, excelente espaço interno. Se vc pisar ele bebe, mas se tiver educação pra dirigir, vai fazer 12 km/l igual o meu.
Abraço a todos!

Avatar
Antonio 25 de outubro de 2020

Depende do ano do milsinho kkkkk

Avatar
Renato 25 de outubro de 2020

Informativo muito útil pra nos resguardar desses vigaristas

Avatar
Brittus 25 de outubro de 2020

Mais uma materia feita pelo Enzo de 13 anos…kkkkkkkkk

Avatar
Deixe um comentário