Militec: testado e reprovado nos EUA e no Brasil

Órgãos governamentais dos dois países detectaram a presença de cloro que pode danificar componentes do motor

Por Boris Feldman 25/08/20 às 19h29

Dono do carro leva-o à oficina especializada e pede a troca do óleo do motor. Quem o atende, sugere: “Vamos prolongar a vida do motor com o Militec?” E explica que o produto, embora colocado no óleo, não é um aditivo nem interfere nas propriedades físico-químicas do óleo lubrificante, mas somente pega uma “carona” com ele para chegar nas partes móveis desgastadas.

O fabricante (norte-americano) declara que o Militec é um condicionador de partes metálicas. E que, além de motores, conserva e recupera também câmbios, ar condicionado, compressores, máquina hidráulicas, etc.

Mentiras

Quem entra na internet encontra dezenas de elogios ao produto.  Mas, se pesquisar mais atentamente começa a descobrir mentiras. A empresa que o fabrica afirma que o Militec foi testado – e aprovado – no final da década de 80 pela marinha norte-americana. Mas, obviamente omite que, em 1994, numa nova bateria de testes realizada pelo mesmo órgão, foi reprovado em 9 dos 11 testes.

E, por que reprovado? Por conter cloro. Componente químico que gera cloreto ácido, que pode oxidar rolamentos e outros componentes do motor.

A Militec é criativa, faz variações sobre o tema e não economiza loas a si mesma. Em outro texto, o produto não foi apenas testado, mas desenvolvido pela própria marinha dos EUA na mesma década de 80.

Na verdade, quem o desenvolveu foi Brad Giordani, um militar que criou a Giordani Enterprises. Que depois virou Militec, uma nome mais sonoro e “sugestivo”: E o aditivo é Militec-1: soa como tecnologia, faz alusão a militar e o número “1”, de primeiro. (Bom de marketing, o tal do Giordani…).

Miltec foi reprovado em testes

militec

Além dos testes que o reprovaram nos EUA, também a ANP (Agência Nacional de Petróleo e Biocombustíveis) deu bomba no Militec. Um laudo “sigiloso” emitido pela agência e publicado pelo site da revista “Quatro Rodas” revela que o produto omite a presença de cloro na composição química registrada no rótulo do frasco.

Sua subsidiária brasileira foi multada pela agência governamental que faz também a mesma objeção da marinha norte-americana ao produto.

Veja um dos trechos do extenso laudo emitido pela ANP que condena o Militec-1:

A composição está em desacordo com a declarada pelo produtor. Destaca-se, ainda, que a presença de cloro pode levar à formação de cloretos ácidos, mesmo a baixas temperaturas (120°C), que podem ocasionar a elevação do índice de acidez do produto, acarretando em problemas de corrosão dos motores, diminuindo sua vida útil.”

Testes ‘da internet’ têm validade?

Alguns motoristas prestam depoimentos favoráveis ao produto, mas não realizaram testes científicos em dinamômetros nem em prazos mais longos. O Militec pode até apresentar resultados favoráveis a curto prazo, mas seu uso continuado pode danificar o motor devido ao cloreto ácido.

Dono de uma prestigiada rede de oficinas mecânicas com forte presença na internet, bem conceituada pela qualidade dos serviços prestados, realizou seu próprio teste com o Militec: tirou todo o óleo do cárter de um automóvel Honda e rodou quase 20 km sem aparentemente nenhum dano ao motor. Porém, é mais que suspeito: vai criticar um produto que ele próprio vende em sua oficina?

Que validade tem esse teste? Engenheiro chefe da área técnica da Petronas (famosa fábrica de lubrificantes que patrocina as Mercedes de Fórmula 1), consultado a respeito do motor funcionar sem óleo, não se impressionou: afirmou que, vários deles – de boa qualidade – permitem que o carro ainda rode alguns quilômetros só com a película residual do lubrificante nas peças móveis.

A propósito, tem um teste muitas vezes mais rigoroso: veja o vídeo de um inglês “doidão” (clique aqui) que tira o óleo do cárter e todo o líquido do sistema de arrefecimento de três carros sucateados na Inglaterra. E ainda coloca Coca-Cola em seus reservatórios. Os três motores são submetidos a aceleração máxima e o do Honda resiste cerca de 7 minutos!

civic 208 focus sem oleo
Youtube inglês mostrou que carros funcionam sem óleo (Foto: Reprodução)

Aditivo no óleo representa perigo!

Apesar de existir no mercado uma quantidade de aditivos para o óleo do motor, não se recomenda usar nenhum deles. Primeiro, porque o sugerido pelo manual já vem com a aditivação necessária, conforme desenvolvimento conjunto entre engenheiros da fábrica do carro e da que produz o lubrificante.

O pior é que nem sempre o aditivo extra representa apenas um custo desnecessário, pois pode não combinar com a aditivação do óleo original. E resultar numa reação química de consequências imprevisíveis para a integridade do motor.

O fabricante do Militec-1 declara não se tratar de um aditivo e não alterar as características químicas e de viscosidade do óleo. Explica que sua função é aderir às superfícies desgastadas de partes móveis, reduzindo folgas e devolvendo a eficiência original do motor.

Ainda que essas funções fossem comprovadas, o que a Marinha dos EUA e a ANP afirmam é que a presença do cloro pode prejudicar o motor. Ou seja, experiências a curto prazo podem apresentar resultados favoráveis, mas, no uso continuado…

Censura!

Enquanto redigia esta matéria, a Militec conseguiu uma liminar para que a revista Quatro Rodas retirasse de seu site a reportagem informando que a ANP multou a empresa e condenou seu aditivo. A revista não se referiu ao produto ter sido condenado também pela Marinha norte-americana, somente pela agência brasileira.

Fica uma pergunta no ar: se uma empresa tem seu produto criticado pela imprensa e certeza de sua qualidade, deveria exigir uma publicação esclarecendo os fatos. Existe uma lei que a protege. Só recorre à violência da censura quem não tem argumento embasado cientificamente para se defender. Pois o laudo que tinha a favor de seu produto foi derrubado pelos testes da ANP. (B.F.)

SOBRE
90 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    Eduardo 21 de setembro de 2020

    Como eu não acredito em órgão estatal e nem na extrema imprensa continuarei usando Militec, eu nunca vi comentários negativos para quem usa militec e a maioria de pessoas que usaram nos comentários também se surpreendeu com o o tal relatório de que contém cloro no aditivo pois nós que ultilizamos esse produto e só tivemos bons resultados, o motor trabalha mais leve, menos ruidoso e parece que o carro quando quente está desligado de tão silencioso que fica.

  • Avatar
    NAILTON SILVA 11 de setembro de 2020

    Quem quiser gastar dinheiro com o militec o milico malandro agradece! É um produto inócuo no curto prazo!

  • Avatar
    Ivan Placca 11 de setembro de 2020

    Eu uso Militec faz 10 anos tenho amigos que usa a vinte e nunca fundiu um motor ou câmbio, será que não tem dor de cotovelo aí , agora usar óleo lubrificantes da Petrobrás faz bem né, gasolina ruim faz bem né.

    • Avatar
      Daniel Alves 13 de setembro de 2020

      Petronas não é Petrobrás. É uma empresa multinacional. Credo. Este país não tem como dar certo mesmo. Cidadão rodo 100 mil km ao ano. Nunca usei nada além do óleo do fabricante. Troco de acordo com o manual e a cada 3 anos troco de carro. Nunca fundi um único motor.

  • Avatar
    Tiago 10 de setembro de 2020

    Um ponto importante a ser discutido não vi ser mencionado nas discussões. A embalagem do produto traz a informação que a composição do mesmo não contém cloro, fato contestado pelos teste da ANP. Fica a questão; dá pra confiar em um produto que, em sua formulação traz um composto que o próprio rótulo alega não conter? Como fica a credibilidade? Difícil a vida do consumidor…

  • Avatar
    Eduardo 29 de agosto de 2020

    Apenas respondendo à pergunta dentro da reportagem: ” Porém, é mais que suspeito: vai criticar um produto que ele próprio vende em sua oficina?”
    É logico que sim. Se um produto não entregou o resultado prometido vai sim ser criticado e imediatamente banido em minha oficina e qualquer outra que trabalhe com ética. Por que motivos trabalhar com algo que não funciona quando tem tantos outros produtos de qualidade pra vender?? Só pra se incomodar?? Problemas de motor causados dentro da oficina por peças ou produtos ruins nunca geram lucro pro mecânico. Somente retrabalho e muita dor de cabeça.

    • Avatar
      Em Dúvida 9 de setembro de 2020

      Não! Não vai criticar esse produto se o contrato de marketing e exclusividade (à época) garantem a ele um bom faturamento…. E mais: Instalar peças de qualidade duvidosa vão, sim, trazer problemas a oficina sendo, portanto, uma atividade não recomendada mas, recomendar um produto que vai trazer problemas futuramente, sem que o proprietário do veículo consiga imputar a causa ao produto adicionado, pode ser um bom negócio, tendo em vista o lucro obtido pela oficina “no presente”…

  • Avatar
    Paulo 28 de agosto de 2020

    Quando eu troco o óleo eu sempre coloco 100 ml de óleo de coco porque me disseram que é bom pro motor. Meu Gol tem 160 mil km rodados e nunca tive problemas no motor.
    PORTANTO, óleo de coco faz bem pro motor mesmo que qualquer órgão diga que não. E é mais barato que Militec.

    • Avatar
      Eduardo 28 de agosto de 2020

      Coloquei na minha moto que estava com 40 mil km e nao tinha defeitos… 5 mil km depois eu estava com o motor batendo, ao abrir vi que os rolamentos foram corroídos e desgastaram o pino da biela e acabou gastando também pistão e cilindro.

      • Avatar
        Paulo 28 de agosto de 2020

        É que pra motor de 2 tempos, não é óleo de coco, é muito viscoso. Pra moto tem que ser óleo de amendoim.

      • Avatar
        PAULO 28 de agosto de 2020

        E, pra esclarecer, eu estou brincando (você pôs mesmo óleo de coco na sua moto???).
        Eu estava apenas usando um exemplo absurdo (aparentemente não tão absurdo quanto imaginei) pra satirizar o tipo de falácia lógica em que incide quem diz “Se meu carro não teve problemas, então o produto é bom.”

        1 – Se o fato de existir um veículo cujo motor durou 200 mil km usando Militec prova que Militec é bom, ENTÃO, usando a mesma lógica, o fato de haver inúmeros veículos cujo motores duraram 200 mil km sem usar Militec prova que Militec não faz diferença alguma.
        2 – Se o fato de um motor não estragar

        O estudo da ANP não fala sobre o desempenho do produto, apenas sobre a composição, onde há itens

      • Avatar
        Gercino 31 de agosto de 2020

        Óleo de côco?

    • Avatar
      PAULO 28 de agosto de 2020

      E, pra esclarecer, eu estou brincando (você pôs mesmo óleo de coco na sua moto???).
      Eu estava apenas usando um exemplo absurdo (aparentemente não tão absurdo quanto imaginei) pra satirizar o tipo de falácia lógica em que incide quem diz “Se meu carro não teve problemas, então o produto é bom.”

      Se o fato de existir um veículo cujo motor durou 200 mil km usando Militec prova que Militec é bom, ENTÃO, usando a mesma lógica, o fato de haver inúmeros veículos cujo motores duraram 200 mil km sem usar Militec prova que Militec não serve pra nada.

  • Avatar
    Getulio 28 de agosto de 2020

    Vi alguma coisa sobre o Milites e resolvi usar no meu Gol 2009, com 90 mil km. Notei uma melhora significativa no consumo de combustível. Diante de tantas polêmicas do produto vou continuar usando pois eu mesmo estarei testando o produto. Só sei que até o momento está dando resultado positivo.

    • Avatar
      Eliakim 1 de setembro de 2020

      Eu usei MILITEC no meu Renault Sandero 1.0 16V 2011 umas 4 vezes. Peguei o carro com 77mil Km e vendi com 177mil motor estava mesma coisa, apenas fiz manutenções normais. Andava que nem 1.6 ( lomba abaixo ), utilizei o produto por recomendação e agora vejo estas notícias dizendo que é ruim. Mas no meu caso foi satisfatório, o carro fazia 17km/l na cidade ( Porto Alegre ).

      • Avatar
        Em dúvida 9 de setembro de 2020

        Então vamos fazer a pergunta novamente: O que garante que se você não utilizasse Militec (e economizasse uma boa grana!) e fizesse apenas as trocas normais, com um lubrificante de qualidade, o seu carro não rodaria o mesmo tanto, com a mesma economia de combustível????

  • Avatar
    Anderson de Deus Tosta 28 de agosto de 2020

    Acho que o que destrói nossos carros, está longe de ser o Militec, e sim todo esse sistema podre que protege empresários do ramo petroleiro e donos de postos que misturam água e outros na gasolina, tomam multa, pagam ou não e no outro dia está aberto. Acredito sim que o Militec ajuda, já usei no meu carro por 1 ano, não tive alteração alguma, na verdade me senti mais seguro, e só me sentia inseguro quando ia a postos rezando pra não receber gasolina alterada, o que já aconteceu comigo 2x nesse mesmo ano. Então, o nosso inimigo está muito acima dos nossos olhos, vendo lá de cima nós nós degladiarmos aqui em baixo com extremo sucesso. Pare e pensem, tudo, absolutamente tudo que é feito – e não me refiro só Militec – pra beneficiar a massa, se não tiver um interesse de gigantes em lucrar com isso, simplesmente nunca chega a sair do papel. Nada na indústria hoje em dia é feito pra durar, vocês acham que os óleos que vem e nos dá a reincidência de ter que ficar trocando o tempo todo é por acaso? Nada é feito pra durar. Pensem nisso, alguém está perdendo muito, e esse alguém nesse caso, não fomos nós, agora sim falando em Miltec.

    • Avatar
      Moises 15 de setembro de 2020

      Militec , muito bom usei 15 anos vendi o carro com mais de 200000km (blazer 4.3)sem nenhum problema com o motor .👏👏👏👏👏👏👏

  • Avatar
    Eduardo 27 de agosto de 2020

    Realmente é lamentavel como tem gente que ainda acredita em “papai noel” e aditivo para lubrificante. E ainda criticam o Boris que sempre esteve do lado de ca do consumidor, me poupe, vai indo que eu não!

    • Avatar
      Luiz Claudio 29 de agosto de 2020

      Boa noite ao amigo. O Boris um dia já teve a infelicidade de falar contra o aditivo para radiador, e eu trabalho no ramo desde 1986,no dia que ele fez isso em um programa de tv , fui logo tentando corrigi ló ,mas não tive resposta. Então hj dou minha opinião somente do que experimento , Tenho um Honda Civic 2001 e um fit
      O Civic já com 250 mil e std e só por curiosidade retirei o carter verifiquei casa.movel parece novo e com militec. Tenho formação ,cursor mas um pouco mais que teoria e jornalismo a prática de alguns anos no ramo e aprendendo a cada dia. Obrigado

  • Avatar
    MILTON QUADROS 27 de agosto de 2020

    Nunca vi nada a respeito desse aditivo que não fosse anedótico. Até desconhecia os testes da ANP e US NAVY. Acho que é um placebo, pois mal, ao menos imediato, não faz. É como meu chapéu anti-meteoro, nunca permitiu que eu fosse atingindo por um meteoro.

  • Avatar
    Jonathan barros salgueiro 27 de agosto de 2020

    Uso no meu carro desde os 90.000km. Aplico conforme o recomendado, a cada 20.000km. Hoje ele esta com 245.000km, e faz 12,5 km/l. Motor stander. Sandero vibe 2010 1.6. Se quiser abrir meu motor pra analisar a corrosão e confirmar o desgaste… eu topo.

  • Avatar
    Paulo Henrique 27 de agosto de 2020

    Eu quero deixar minha experiência com Militec-1, tive um Gol 2013 e fiquei com esse veiculo ate 2018, eu utilizei o Militec-1 de 30mil km pra frente, e vou dizer que foi muito bom para o veiculo. Rodei com veículo ate vender com 120mil km, o motor estava zero, não tinha o que reclamar ate a loja que comprou elogiou o estado do motor, dado que muitos motores Flex são retificado próximo de 100mil km. Não sei se o próximo dono se lascou, mais durante todo o período que usei não tenho o que reclamar, ate o barulho dos tuchos que são famosos nessa geração da VW, foi minimizado. E o motor rodava lisinho. Troquei o veiculo por um novo polo e ate dentro da volks era oferecido o Militec-1… E coloquei. Mas derepente a cs VW nao estão mais oferecendo o produto pro motor, apenas ar condicionado, então nao sei se eles descobriram algo. Estou contando apenas um fato desde então não coloquei mais por conta da garantia do veículo.

  • Avatar
    paulo ernesto frederico diehl 27 de agosto de 2020

    in causa nomino, caro Boris, após longa busca no motor do google , sobre o Militek 1,que começou a ser usado na 2º guerra para proteger as máquinas dos navios das águas salgadas e funcionava e posteriormente nos EUA era usado na limpeza de armas , mas que concordo com seu comentário, pois ele contém CLORO que danifica vários itens do motor e é vendido como um ADSORSANTE’, para diminuir apenas o atrito entre suas parte móveis dele , e que funciona realmente, principalmente nas partidas a frio. Mas gostaria de abusar dos conhecimentos do Mestre , e receber algum comentário sobre o outro ADSORSANTE o Alfa X puls, [ do japona da Saito] que não contém CLORO , e é recomendado até para câmbios automático e que fiz uma experiência no meu Corolla e o câmbio ficou uma beleza. pois o conversor de torque estava causando certa trepidação em marcha lenta att Paulo

  • Avatar
    César 27 de agosto de 2020

    Uma coisa que me deixa realmente intrigado…. sou leitor da quatro rodas desde que me conheço por gente. O que eu percebi foi que a revista SEMPRE testou o produto antes de dar algum parecer. Inclusive existe a seção “cumpre o que promete”, que ao meu ver trata exatamente sobre isso. No caso do Militec, ela simplesmente se comportou como um ” papagaio de pirata” repetindo exatamente o que eu e muitos outros receberam pelo zap antes da publicação da revista. A pergunta é: Já que existe esta polêmica do cloro, por quê a revista não fez um teste para que seus leitores pudessem acompanhar se o produto realmente corrói ou não o motor? Se o produto realmente corroi, por quê não vemos nada relevante quando pesquisamos na internet? Se o produto fosse novo, até poderia levantar essa polêmica… mas com mais de 20 anos de mercado…Estranho neh? Se é para comprar uma revista e ler aquilo que recebo pelo zap não vejo vantagem alguma em continuar assinando… o zap me deixa informado de uma forma mais rápida e barata. Quanto a confiar em órgãos como a ANP, alguém pode me informar alguma vantagem para o consumidor em se autorizar a venda de gasolina formulada? Abram o olho…

    • Avatar
      boris 27 de agosto de 2020

      Cesar, aditivo era ótimo para motores e óleos antigos. Hoje não se recomenda mais nenhum, pois o de fábrica já vem com o aditivo necessário (e suficiente). Quanto à gasolina, a formulada pode ser melhor que a refinada, tudo depende da origem, da formulação…

    • Avatar
      Davi dos Santos 4 de setembro de 2020

      Talvez algum patrocinador acha que tudo anda bem com outro aditivo no óleo faça essa revistinha ainda existir logo ela bate sem sequer dar a chance de investigar a veracidade na prática. Nos dias de hj a quatro rodas se não voltar a abrir o acervo digital com as matérias antigas tá fadada ao esquecimento.

  • Avatar
    Bilugs 27 de agosto de 2020

    Alguém aqui teve problema comprovado por usar Militec? Abram o olho… Estão politizando até o lubrificante do motor.

  • Avatar
    Thiago Garcia 26 de agosto de 2020

    Quem quiser ler o despacho do governo americano proibindo as forças armadas de comprar o produto é só traduzir o link abaixo.

    https://www.gao.gov/mobile/products/A86506

  • Avatar
    Thiago Garcia 26 de agosto de 2020

    Esse povo é muito tapado, vem com essa conversa de que eu uso há dez anos e é muito bom. É muito bom pra os donos da empresa nadarem de braçada com o dinheiro dos trouxas isso sim.

    • Avatar
      Carlos Alberto 27 de agosto de 2020

      Pois é … haja lucro! 200mL de um óleo qualquer + um “cloro mágico” = R$100,00. Lucro estratosférico! (Bom, gastam muito com propaganda)

  • Avatar
    Leandro 26 de agosto de 2020

    Não usaria isso aí nem no meu carrinho de cortar grama.

  • Avatar
    Nicolau Sallay 26 de agosto de 2020

    O conteúdo de cloro em aditivo ou lubrificante de qualquer tipo, é adição de um corrosivo que vai atacar a médio prazo as bronzinas que são o material mais sensível no motor. As consequências sao evidentes.

  • Avatar
    Ivan Vargas 26 de agosto de 2020

    Srs…meu depoimento. Reportagem altamente tendenciosa. Aliás qual o interesse dos EUA afirmar que um produto brasileiro é bom? Zero chance! Corri 4 anos arrancada e TODOS os carros usam e aprovam. Certa vez o computador de bordo acusou falta de lubrificação. Achamos que era falha de leitura. Fiz 3 puxadas SEM ÓLEO…só no Militec. Depois vimos que o pescador do óleo havia quebrado. Era para ter moído o motor…mas é assim que a coisa funciona, se pagar a imprensa ate pode elogiar…

    • AutoPapo
      AutoPapo 26 de agosto de 2020

      Olá, Ivan. Talvez você não tenha lido a parte na qual o Boris explica que o Militec foi desenvolvido nos EUA. Além disso, até hoje, ele é fabricado lá e não é um produto brasileiro: ele é importado.

    • Avatar
      boris 27 de agosto de 2020

      Prezado Sr. Ivan – Antes de prestar seu depoimento seria interessante informar-se melhor sobre os fatos, sob pena de ninguém acreditar em seus argumentos. E a prova cabal de que teria sido melhor manter-se em silencio é que a situação é rigorosamente inversa: o produto é norte-americano e importado para mercado brasileiro.

    • Avatar
      Em dúvida 9 de setembro de 2020

      Apaga que dá tempo!!!!

  • Avatar
    Rfc 26 de agosto de 2020

    Anp estivesse preocupada com consumidores ele não deixava essa gasolina lixo ser vendida nos postos, empurram 30% de álcool anidro pro carro consumir mais e os brasileiros pecisarem gastar mais em manutenção como bomba de combustível, escapamento, velas, filtro de combustível! Depois vem dizer que quer vender combustível igual ao Europeu que piada! Gasolina la fora é Pura e mais barata! O motor dura mais e tem maior autonomia. #Palhaçada

    • Avatar
      Cesar 26 de agosto de 2020

      E isso ai amigo, a ANP é tão preocupada com qualidade e o consumidor, que aprovou a distribuição de GASOLINA FORMULADA, que nada mais é que uma gasolina adulterada. Quem quiser saber mais e só procurar no google para ver do que se trata. Têm muito mais interesse em jogo que imaginamos.

      • Avatar
        boris 27 de agosto de 2020

        Cesar, aditivo era ótimo para motores e óleos antigos. Hoje não se recomenda mais nenhum, pois o de fábrica já vem com o aditivo necessário (e suficiente). Quanto à gasolina, a formulada pode ser melhor que a refinada, tudo depende da origem, da formulação…

    • Avatar
      Lucas 31 de agosto de 2020

      Lá fora não se vende gasolina pura, não faz sentido na verdade, o mais próximo da pura se vende nos EUA, bem semelhante a podium aqui que tem uma proporção de 85/15.

  • Avatar
    Rfc 26 de agosto de 2020

    Militec já salvou um motor novo que eu montei!
    O filtro de óleo travou a válvula , ele ficou ligado durante 45 minutos e não estragou nenhuma peça móvel, abri o motor para conferir e estava tudo 100% após tal fato utilizo nos motores originais e preparados e nunca tive nenhum problema, tem mais de 10 anos que uso.

    • Avatar
      Carlos 28 de agosto de 2020

      Poxa, vc montou um motor novo? O filtro de óleo travou a válvula, tão zeloso e comprou um filtro de óleo de marca ruim …, tão zeloso, afinal colocou Militec mas não acompanhou a luz-espia acusando que havia algo de errado, ou o manômetro de pressão de óleo … Esse Militec é milagreiro mesmo pois vc montou um motor novo, o Militec que é misturado no óleo não se espalhou no motor, em especial no cabeçote e mesmo assim POR MILAGRE tudo 100% no motor !

  • Avatar
    Esfolado 26 de agosto de 2020

    Simples, quem acredita que use. Não venha tentar convencer os demais que é bom. Drogados fazem o mesmo.

  • Avatar
    César 26 de agosto de 2020

    Sou mecânico ha mais de 20 anos e dei treinamentos técnicos para algumas montadoras e portanto não sou nenhum leigo no assunto. Sobre a reportagem da quatro rodas, achei a reportagem muito tendenciosa. Inclusive sou (vou deixar de ser) assinante. Me causou muita estranheza o modo de como eles publicaram essa reportagem. Nunca vi fazerem isso com nenhum outro produto, por mais lixo que ele possa ser. Uso o produto há mais de 15 anos e nunca tive um problema sequer e desafio você ou qualquer outra pessoa que mostre ao menos um motor onde houve qualquer tipo de corrosão ou pitting ocasionado pelo Militec. Quanto a você meu caro Boris, estou cansado desse vitimismo alegando censura por ter tirado a reportagem do ar. Acredito que ela tenha sido retirada exatamente por ter sido parcial e tendenciosa. É mais fácil para vocês criticar o produto e depois pedir explicações do que procurar saber um pouco mais antes de publicar. Afinal o que importa hoje e ser polemico certo? Ou seria corporativismo? Lamentável.

    • AutoPapo
      Boris Feldman 26 de agosto de 2020

      Respeito sua posição, mas acho leviano de sua parte dizer que “é mais fácil para vocês criticar o produto…”.
      “Vocês” quem? Eu me considero do ramo, fui sócio de oficina mecânica, preparava meus carros de competição, me formei em engenharia, tenho e cuido de carros antigos.
      Fui, como você, professor de curso de mecânica e engenheiro da Metal Leve (pistões e bronzinas) por 20 anos.
      Na minha carreira de jornalista sempre defendi o consumidor e isso já me valeu muitos problemas, de boicote publicitário a várias ações judiciais. Mas sempre me saí bem, pois não falo por falar, porém com um embasamento científico.
      As empresas envolvidas no nosso setor são muito poderosas e usam (ou tentam)… seu poder econômico para calar a imprensa.
      Lamentável é assumir uma posição neutra e imparcial que foi sempre minha postura em mais de 50 anos de jornalismo e, como retorno, ainda receber críticas infundadas como a sua. Felizmente, a maior parte dos retornos é positiva.
      No caso do Militec, você está enganado: minha matéria não foi tirada do ar, apenas a da Quatro Rodas. Porem, se vier uma decisão judicial neste sentido, não terei outra solução. Mas provarei estar agindo corretamente pois, como jornalista, apenas citei fontes super fidedignas: órgãos governamentais (Marinha dos EUA e a ANP) que realizaram testes com o produto. É nestes que eu confio.

      • Avatar
        Vile Molinari 27 de agosto de 2020

        Pois é, Boris, o que mais a gente vê no pessoal que defende esse produto é uma defesa sem critério – na base do grito. A maioria diz coisas que na realidade só tendem a comprovar que em situações de curto prazo, onde a presença do cloro não tenha tempo de agir, ou ainda, onde ela nem chegue a ser importante, pode haver resultado positivo. Mas são situações específicas, que não têm correlação com o uso comum e que se pretende vender pelo fabricante.

      • Avatar
        ALÉCIO CÂNDIDO PIMENTEL 27 de agosto de 2020

        NA MINHA HUMILDE OPINIÃO ESSE MILITEC É MODINHA!
        JAMAIS USARIA EM MEU CARRO ISSO
        COMO VOCÊ FALOU ÓLEO JÁ TEM ADITIVO E SEM A NECESSIDADE DE SER ADICIONADO QUALQUER OUTRO PRODUTO!

      • Avatar
        agent008 1 de setembro de 2020

        Prezado Boris, sou leitor do AutoEntusiastas onde acompanho seus artigos, aqui vai meu breve relato. Tinha um Peugeot 407 com motor 3.0 V6. Certa feita ganhei de um posto de gasolina, um sorteio para viajar para São Paulo assistir à corrida de F1 em Interlagos. Patrocinado pelo revendedor de produtos de limpeza e lavação (shampoo, detergentes, silicones, etc.) que fornecia estes ao posto, e também revendia o Militec. Contente com o resultado do sorteio resolvi colocar o produto em meu carro na próxima troca de óleo. Uns 20 a 30 mil quilômetros mais tarde, não lembro bem quanto, o motor começou a, no momento da partida, emitir um som de peças metálicas nos comandos de válvulas (neste V6, DOHC, são quatro comandos), como se estivessem trabalhando sem óleo. Durava apenas alguns segundos e nas próximas partidas não ocorria. Pesquisando descobri que as polias variadoras dos comandos de admissão começam a descarregar o óleo quando em repouso por algumas horas, e nos segundos iniciais da partida, trabalhavam a seco. Tive que fazer a troca, que na concessionária (junto com correia dentada e tensionadores, bomba d’água, etc.) sairia por R$10 mil. Consegui que as peças viessem “na mala” em uma viagem à Itália, e trocamos na oficina da empresa, eu e nosso mecânico da época, de modo que todo o trabalho saiu por R$ 4.500,00. Culpa do Militec? Jamais saberei ao certo. Ao comentar com mecânicos, mesmo sem sabermos a respeito do cloro presente no produto, foi considerado como possível causa. Por outro lado em fóruns europeus e australianos havia alguns relatos mais de problemas idênticos com estas polias, então pode ser algum defeito de fabricação. Fato é que nunca mais usei o Militec e as polias novas não incomodaram mais.

  • Avatar
    Jorge 26 de agosto de 2020

    Respeito a analise da ANP, entretanto sou consumidor do Militec 1 a mais de 5 anos e utilizo em vários veículos e ferramentas, nunca apresentou nenhuma corrosão nas peças.

  • Avatar
    Carlos Alberto 26 de agosto de 2020

    A ANP testou e reprovou o militec, divulgando em sua página. A revista 4R não testou o militec, somente divulgou o que foi divulgado na ANP. PERGUNTO: Por que a militec não processou a ANP ao invés da 4R ?

  • Avatar
    Victor 26 de agosto de 2020

    O Problema da Mídia Brasileira é que falam e reportam sem apresentar provas concretas, falar por falar até papagaio fala.

    Apresentem laudos, comparem o militec com esses aditivos que há no Mercado.

    Fica claro que a concorrência ta babando pra Derrubar o Militec por não poder supera-lo.

    Obrigado

    • AutoPapo
      AutoPapo 26 de agosto de 2020

      Olá, Victor.

      A matéria foi feita baseada nos laudos da marinha norte-americana e da ANP. Nosso único compromisso é com o consumidor.

    • Avatar
      Fernando 26 de agosto de 2020

      Victor, tem link no texto com o relatório americano. É só clicar, baixar e ler!

  • Avatar
    Saulo de Tarso Pereira 26 de agosto de 2020

    Agora sabemos do que se trata. Até que enfim a ANP se pronunciou.

  • Avatar
    Maicon 26 de agosto de 2020

    Uso a mais de 7 anos em meu carro, motor está intacto, por esse tipo de matérias alguns da imprensa brasileira estao com tanta credibilidade..kkkkk….MILiTEC 1, simplesmente o melhor..recomendo!!! mais de 5 milhões de consumidores sem nenhum caso de danos ao motor!

    • Avatar
      Carlos Alberto 26 de agosto de 2020

      Se vc não usasse o militec nesses 7 anos, procedendo a manutenção correta (óleo especificado, troca dentro do prazo quilometragem/tempo e troca de filtro) o motor de seu carro estaria igualmente intacto ou até melhor.

      • Avatar
        flavio 27 de agosto de 2020

        pelo que entendi, em casos de motor cansado, ele pode ser útil, mas com motor em estado normal, basta usar o óleo específico e fazer as trocas no tempo e/ou km certos, acho que é tipo uma menina de 20 anos passar creme antirugas e dizer que não teve rugas por causa do creme…… detalhe 150 pratas esses creme….

  • Avatar
    Luciano 26 de agosto de 2020

    Uso nos meus 3 carros, sem problema nenhum, qual longo prazo de uso pode danificar o motor? 200 mil? 400mil tenho um Mazda mx3 com 370000 e uso tranquilo.

  • Avatar
    Fernando B. 26 de agosto de 2020

    O motorista brasileiro, em boa parte dos casos, é algo a ser estudado. O cara coloca combustível no posto pirata por causa de 5 a 10 centavos no litro, completa óleo no posto de combustível, troca o óleo apenas na quilometragem (mesmo que demore 2 anos pra atingir ou use em condições extremamente severas) – detalhe, muitas vezes usando viscosidade errada ou base errada -, aí quando o motor começa a dar problema, ele resolve usar um negócio milagroso que NENHUMA montadora no mundo usa. Por isso eu prefiro comprar carro zero, usar por 8 a 10 anos e quando vendo, compro outro zero. Eu não tenho coragem de comprar carro usado no Brasil.

    • Avatar
      DAVI JOSÉ SOUZA FERREIRA 26 de agosto de 2020

      O povo brasileiro, em comparação com o povo estadunidense, é infinitamente mais cuidadoso com seus veículos. Exemplo disso são os diversos lixões abarrotados de carros lá. O porquê? Por que nem óleo de motor eles têm o costume de trocar, quem dirá óleo de câmbio, diferenciais…
      Eu só compro carro usado, nunca tive problemas.. mas examino de parafuso em parafuso para não ter empecilhos futuros.

      • Avatar
        Cleber 26 de agosto de 2020

        Lá existe lixões abarrotados de carros por q os veículos são baratos de se comprar, pra que vai gastar em arrumar um carro se pode comprar um novo. Não tem nada a ver com manutenção, e não sei aonde que os brasileiros são cuidadosos com os veículos, o que mais se vê é carro com problema por relaxamento dos donos.

      • Avatar
        Rodrigo 1 de setembro de 2020

        “O povo brasileiro, em comparação com o povo estadunidense, é infinitamente mais cuidadoso com seus veículos….”
        Isso não se aplica nem a 1% dos motoristas brasileiros…infelizmente…

  • Avatar
    Alexandre 26 de agosto de 2020

    Militec é um fluido lubrificante para ser usado em torno, máquinas operatrizes, gente, nunca para uso em motor de carro, não é normatizado para essa aplicação ! Muito menos em motor novo !

    • Avatar
      Vile Molinari 27 de agosto de 2020

      Agora vi um comentário que chegou no ponto certo. Usei esse produto em máquinas operatrizes por uns vinte anos e nesse caso pode-se dizer que é espetacular. Mas, ainda assim, para esses casos existem marcas equivalentes, sem todo esse marketing e que conseguem os mesmos resultados com custo significativamente menor.

      • Avatar
        Anderson de Deus Tosta 28 de agosto de 2020

        Diz uma marca alternativa por favor!

  • Avatar
    André Garcia 25 de agosto de 2020

    Brasileiro é um ser a estudar, não tem jeito. Engenheiro se forma, participa de projetos de motores, lubrificantes, pneus e aí o caboclo que “acha-se” o senhor da sapiência com base no achismo, quer discutir. Processo só procurar. discutir contra fatos embasados pela engenheira é surreal. Infelizmente esse ser que discute VOTA…pqp

  • Avatar
    André Brandão 25 de agosto de 2020

    Uso e recomendo ! meu carro possuia relogio de pressao de oleo, e apos o Militec a pressao melhorou muito.

    • Avatar
      André Garcia 25 de agosto de 2020

      Quando vender seu carro, por favor seja honesto de informar que usava Militec…rs..rs

  • Avatar
    Sebastião 25 de agosto de 2020

    Existe um teste com uma maquininha chamada Tinken que simula o teste de atrito entre partes metálicas em que, usando esse tal de Militec a maquinha não trava, pois eu sei que, então se vc (eu não) no lugar do Militec vc usar uma graxa de banana verde frita (de preferencia banana) a maquinha tbm não vai travar. Então use graxa de banana nanica verde frita no seu carro, é mais barato.

  • Avatar
    luiz 25 de agosto de 2020

    putz, ainda bem que só coloquei uma vez, nunca mais.

  • Avatar
    Evandro Cerdeira Dos Santos 25 de agosto de 2020

    Se você trocar o óleo e filtro do seu carro até 5 mil kms,usando filtro de qualidade e o óleo recomendado, provavelmente nunca terá problemas com o motor do seu carro,logico, nunca deixe ele ferver ou esquentar demasiadamente.

  • Avatar
    Diego 25 de agosto de 2020

    Disse a agência nacional que permite combustíveis adulterados e que danificam muito mais os carros…

    • Avatar
      André Garcia 25 de agosto de 2020

      Já fechei vários postos com ajuda da ANP. Basta denunciar e provar. Brasileiro tem a mania de não valorizar o trabalho sério. Lamentável.

      • Avatar
        Leandro 26 de agosto de 2020

        Tb denunciei um BR aqui da minha cidade e 1 mês depois estava fechado. Agora abriu um de bandeira branca que parece ser pior do que o anterior naushuahsua

  • Avatar
    DANIEL VELOSO PEREIRA 25 de agosto de 2020

    Muitos canais no youtube fizeram inumeros testes e à época pareciam promissores. Mas se a ANP diz que não serve tá falado.

  • Avatar
    DANIEL VELOSO PEREIRA 25 de agosto de 2020

    O ADG fez inumeros testes e à época pareciam promissores. Mas se a ANP diz que não serve tá falado.

    • Avatar
      Carlos Alberto 26 de agosto de 2020

      ADG não vale né ??!! Ele vende nas lojas dele. Assim com a PneuFree testa “imparcialmente” os pneus Momo e por aí vai … Vc acha que o Silvio Santos vai falar mal dos perfumes Jequiti ?

  • Avatar
    ADONIS FERREIRA 25 de agosto de 2020

    Cadê o númro processo de “censura”?

  • Avatar
    ADONIS FERREIRA 25 de agosto de 2020

    Esclareça pra nós Senhor Bóris, porquê os motores sem o militec, batem e com militec não? Cadê o laborat[orio da ANP, cadê o laboratório da 4 rodas! Mais uma reportagem de chupa cabras automotivo!

    • Avatar
      Fernando B. 26 de agosto de 2020

      Se você trocar seu óleo na km correta e utilizando o óleo certo, assim como abastecer em posto confiável, também não terá problema no motor. O grande problema do brasileiro é que ele acredita e milagres. Anos de desleixo podem ser corrigidos usando um potinho de 200 ml. É duro morar aqui.

    • Avatar
      Leandro 26 de agosto de 2020

      Na matéria ele diz que até pode funcionar, mas esse produto a longo prazo vai trazer mais prejuízos do que vantagens…

      • Avatar
        flavio 27 de agosto de 2020

        eu tenho uma fiorino 2003 e já esta com uns 250.000km, vou fazer um teste nela….. pelos relatos no caso dela deve ser útil…. agora em veículos normais, nunca botei fé, mesmo antes da matéria sair, ja tentaram me vender e nunca comprei… oleo de qualidade realmente vale a pena, mas barulho no motor obvio que vai ter, são peças metálicas trabalhando em atrito, queria ver esse militec numa ducati 2 , akilo normal parece que ta moendo o motor….kkkkk

  • Avatar
    Fernando 25 de agosto de 2020

    boa matéria ! Esclarecedora e definitiva. Porém utilizo um aditivo com outras características e gosto do resultado, po menos a curto prazo e não tenho como avaliar molecularmente como fica o meu motor. Mas sigo usando pois sinto melhoras na performance do mesmo .

  • Avatar
    Bino 25 de agosto de 2020

    O AVC vai ter um ADG.

    • Avatar
      MILTON QUADROS 27 de agosto de 2020

      O ADG é de boa fé. Quando ele ver testes semelhantes em carros sem aditivo nenhum que tiveram seus lubrificantes retirados e rodaram até em alta rotação em autódromos, ele reconsiderará a efetividade de seu teste.

Avatar
Deixe um comentário