Moss (*), Nasser e… eu

Stirling Moss: carinho pelo 'especialíssimo' Mercedes-Benz 300 SLR e... porrada na bunda do 'compatriota' Triumph

Por Boris Feldman 14/04/20 às 16h03
stirling moss mille miglia 1955

E lá fomos nós, dois jornalistas brasileiros irresponsáveis (eu, Boris Feldman, e Roberto Nasser), participar do mais famoso rali do mundo, a Mille Miglia, em 1999.

Quem convidou o Nasser e a mim foi o Classic Center da Mercedes. Iríamos dirigir um sedã 180 D, exatamente o mesmo carro campeão da categoria diesel em 1955 (13 mil km no odômetro), numa das últimas Mille Miglia, ainda como prova de velocidade.

Roberto Nasser e eu comentamos sobre a emoção de participar da prova:

A Mille Miglia foi abolida em 1957 devido a dois acidentes fatais e voltou em 1977 como prova de regularidade, só admitindo modelos idênticos aos que competiram entre 1927 e 1957. Nas mesmas estradas da prova original.

A prova larga de Brescia, no norte da Itália, vai a Roma e volta ao ponto de partida num total de 1600 km. Daí o nome Mille Miglia ou (ou Mil Milhas, em tradução).

A Mercedes sempre inscrevia diversos carros de sua coleção e apoiava outros da marca pilotados por gente famosa. E convidava cada ano uma dupla de jornalistas ligados ao antigomobilismo.

Mas a “cereja do bolo” era a 300 SLR, campeã da prova em 1955 (Fangio, com outra SLR em segundo) com Stirling Moss ao volante e o jornalista inglês Denis Jenkison como navegador. Em 1999, ele era a maior atração na prova e sua esposa ocupava o banco do passageiro.

Outros ilustres da equipe eram o norte-americano Roger Penske, Pablito Picasso (com a Asa de Gaivota do avô), Jochen Mass (ex-piloto de F-1), Herr Sixt (da locadora que leva o seu nome) e outros do naipe.

O Mercedes SLR de Moss ficou famoso pelo número 722, que registrava o momento de sua largada (7 h e 22 min.). Faz lembrar a versão roadster da 300 SL (Asa de Gaivota) mas sob o capô um oito cilindros em linha com 302 cv.

mercedes slr stirling moss mille miglia 1955
Mercedes-Benz 300 SLR 1955 número 722 pilotada por Stirling Moss

Lembrei-me de uma visita de um grupo de jornalistas brasileiros ao Classic Center da Mercedes em Fellbach (bairro de Stutgart, na Alemanha). Quando o diretor ligou o SLR, um jornalista do grupo (Mario Patti) chorou de emoção. Patti era ligadíssimo em competições e – coincidência – foi o diretor de prova da minha primeira corrida, num DKW em Interlagos em 1966.

A Mille Miglia, apesar das médias baixas, era emocionante. O roteiro cortava dezenas de cidades italianas, algumas literalmente pelo centro histórico, aberto apenas para os competidores, como Siena.

Milhares de fanáticos postados nas estradas admiravam, gritavam e acenavam para os carros. Em muitas cidades, motos dos “Carabinieri” (polícia italiana) abriam caminho para nós.

mercedes benz 180d mille miglia 2011
Mercedes-Benz 180D: esta unidade venceu em 1955 na categoria Diesel - Boris Feldman e Nasser a usaram em 199

Nossa largada foi logo depois do Moss e rodávamos várias vezes próximo do “722”. Em algumas ruas de acesso ao centro das cidades, o trânsito congestionava e foi aí que o Nasser e eu, bem atrás do inglês, percebemos uma cena inusitada: a embreagem do SLR, um carro de competição, era do tipo “tudo ou nada” e não projetada para enfrentar trânsito lento!

Moss ficava aflito com o castigo para o disco de embreagem ao tentar manter o carro na fila rodando superdevagar, às vezes a 5 km/h. Pois seu amor pelo 300 SLR era tão grande que ele (e a esposa) saiam do carro e iam empurrá-lo para evitar “queimar” o disco!

Uma cena inacreditável!

Em compensação, meses depois, lembrei-me nos EUA de uma observação que Enzo Ferrari fez a seu respeito: se tivesse um pouco mais de razão e menos emoção, ele teria com certeza conquistado mais títulos (nunca foi campeão da F-1).

Eu estava na pista de Laguna Seca (California) com meu GT Malzoni numa prova de antigos e Moss pilotando um carro inglês (acho que um Triumph V6).  Apesar da mesma nacionalidade, ele não tinha a metade do apego que pelo Mercedes.

Nasser (lá, também) me chamou atenção para Moss pisando fundo e sem dó naquela raridade britânica dos anos 60. Pisou tanto que, no final do retão (uma descida forte antes de uma curva apertadíssima para a esquerda) o carro da frente freou cedo demais e ele deu-lhe uma exemplar “xapuletada” nos traseiros. Fim de corrida para ambos..

*Stirling Moss faleceu neste domingo de páscoa, dia 12, em Londres

SOBRE
2 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Franco Vieira 18 de abril de 2020

Stirling Moss… maior que vários “campeões”.
Boris, essas histórias/ participações e seu conhecimento para mim são o motivo de tê-lo como referência no jornalismo automotivo.
Parabéns e obrigado.

Avatar
Claudio Drummond 16 de abril de 2020

Excelente matéria Boris! Obrigado por compartilhar conosco!

Avatar
Deixe um comentário