Moss (*), Nasser e… eu

Stirling Moss: carinho pelo 'especialíssimo' Mercedes-Benz 300 SLR e... porrada na bunda do 'compatriota' Triumph

Por Boris Feldman 14/04/20 às 16h03

E lá fomos nós, dois jornalistas brasileiros irresponsáveis (eu, Boris Feldman, e Roberto Nasser), participar do mais famoso rali do mundo, a Mille Miglia, em 1999.

Quem convidou o Nasser e a mim foi o Classic Center da Mercedes. Iríamos dirigir um sedã 180 D, exatamente o mesmo carro campeão da categoria diesel em 1955 (13 mil km no odômetro), numa das últimas Mille Miglia, ainda como prova de velocidade.

Roberto Nasser e eu comentamos sobre a emoção de participar da prova:

A Mille Miglia foi abolida em 1957 devido a dois acidentes fatais e voltou em 1977 como prova de regularidade, só admitindo modelos idênticos aos que competiram entre 1927 e 1957. Nas mesmas estradas da prova original.

A prova larga de Brescia, no norte da Itália, vai a Roma e volta ao ponto de partida num total de 1600 km. Daí o nome Mille Miglia ou (ou Mil Milhas, em tradução).

A Mercedes sempre inscrevia diversos carros de sua coleção e apoiava outros da marca pilotados por gente famosa. E convidava cada ano uma dupla de jornalistas ligados ao antigomobilismo.

Mas a “cereja do bolo” era a 300 SLR, campeã da prova em 1955 (Fangio, com outra SLR em segundo) com Stirling Moss ao volante e o jornalista inglês Denis Jenkison como navegador. Em 1999, ele era a maior atração na prova e sua esposa ocupava o banco do passageiro.

Outros ilustres da equipe eram o norte-americano Roger Penske, Pablito Picasso (com a Asa de Gaivota do avô), Jochen Mass (ex-piloto de F-1), Herr Sixt (da locadora que leva o seu nome) e outros do naipe.

O Mercedes SLR de Moss ficou famoso pelo número 722, que registrava o momento de sua largada (7 h e 22 min.). Faz lembrar a versão roadster da 300 SL (Asa de Gaivota) mas sob o capô um oito cilindros em linha com 302 cv.

mercedes slr stirling moss mille miglia 1955
Mercedes-Benz 300 SLR 1955 número 722 pilotada por Stirling Moss

Lembrei-me de uma visita de um grupo de jornalistas brasileiros ao Classic Center da Mercedes em Fellbach (bairro de Stutgart, na Alemanha). Quando o diretor ligou o SLR, um jornalista do grupo (Mario Patti) chorou de emoção. Patti era ligadíssimo em competições e – coincidência – foi o diretor de prova da minha primeira corrida, num DKW em Interlagos em 1966.

A Mille Miglia, apesar das médias baixas, era emocionante. O roteiro cortava dezenas de cidades italianas, algumas literalmente pelo centro histórico, aberto apenas para os competidores, como Siena.

Milhares de fanáticos postados nas estradas admiravam, gritavam e acenavam para os carros. Em muitas cidades, motos dos “Carabinieri” (polícia italiana) abriam caminho para nós.

mercedes benz 180d mille miglia 2011
Mercedes-Benz 180D: esta unidade venceu em 1955 na categoria Diesel - Boris Feldman e Nasser a usaram em 199

Nossa largada foi logo depois do Moss e rodávamos várias vezes próximo do “722”. Em algumas ruas de acesso ao centro das cidades, o trânsito congestionava e foi aí que o Nasser e eu, bem atrás do inglês, percebemos uma cena inusitada: a embreagem do SLR, um carro de competição, era do tipo “tudo ou nada” e não projetada para enfrentar trânsito lento!

Moss ficava aflito com o castigo para o disco de embreagem ao tentar manter o carro na fila rodando superdevagar, às vezes a 5 km/h. Pois seu amor pelo 300 SLR era tão grande que ele (e a esposa) saiam do carro e iam empurrá-lo para evitar “queimar” o disco!

Uma cena inacreditável!

Em compensação, meses depois, lembrei-me nos EUA de uma observação que Enzo Ferrari fez a seu respeito: se tivesse um pouco mais de razão e menos emoção, ele teria com certeza conquistado mais títulos (nunca foi campeão da F-1).

Eu estava na pista de Laguna Seca (California) com meu GT Malzoni numa prova de antigos e Moss pilotando um carro inglês (acho que um Triumph V6).  Apesar da mesma nacionalidade, ele não tinha a metade do apego que pelo Mercedes.

Nasser (lá, também) me chamou atenção para Moss pisando fundo e sem dó naquela raridade britânica dos anos 60. Pisou tanto que, no final do retão (uma descida forte antes de uma curva apertadíssima para a esquerda) o carro da frente freou cedo demais e ele deu-lhe uma exemplar “xapuletada” nos traseiros. Fim de corrida para ambos..

*Stirling Moss faleceu neste domingo de páscoa, dia 12, em Londres

2 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    Franco Vieira 18 de abril de 2020

    Stirling Moss… maior que vários “campeões”.
    Boris, essas histórias/ participações e seu conhecimento para mim são o motivo de tê-lo como referência no jornalismo automotivo.
    Parabéns e obrigado.

  • Avatar
    Claudio Drummond 16 de abril de 2020

    Excelente matéria Boris! Obrigado por compartilhar conosco!

Avatar
Deixe um comentário