Não faça errado: veja 10 dicas para usar o câmbio automático

Confira algumas dicas para dirigir carro com a transmissão que dispensa o pedal da embreagem e fazer o sistema durar mais

fiat strada ranch interior detalhe alavanca do cambio cvt
Câmbio automático popularizou-se bastante nos últimos anos (Foto: Fiat | Divulgação )
Por Fernando Miragaya
30 de março de 2022 08:43

Em um passado não tão distante, carro com câmbio  automático era sinônimo de preocupação. Nos anos 1980 e 1990, ter esse tipo de transmissão causava receio. O equipamento tinha estigma de manutenção cara e consumo bem mais elevado de combustível. Esses rótulos caíram por terra conforme as caixas automáticas se modernizaram.

VEJA TAMBÉM:

Hoje, o item é praticamente majoritário em alguns segmentos, como o de sedãs e SUVs médios. Na categoria de crossovers compactos, já responde por mais de 70% dos emplacamentos e no mercado geral como um todo, pelo menos seis em cada 10 carros vendidos no Brasil têm câmbio automático.

Como usar o câmbio automático?

Ou seja, ter veículo com transmissão manual, provavelmente, implicará em desvalorização no futuro ou baixa liquidez. Como ter carro com câmbio automático será inevitável, já deixamos aqui 10 dicas para você dirigir o seu – caso já tenha ou vá ter no futuro. Confira o que fazer de certo e o que não fazer de errado com esse tipo de transmissão.

1. Antes de mais nada, pé no freio

fading a pi-ca-re-ta-gem pe no freio
Acionamento do freio é praticamente obrigatório na hora de ligar um carro automático

Pois é, para ligar o motor de carro automático você terá de pisar no pedal do freio. É um sistema de segurança que os veículos ATs trazem justamente para evitar que a pessoa vire a chave da ignição – ou aperte o botão de start do propulsor – com o carro em drive e cause acidentes.

2. Esqueça a perna esquerda…

Muita gente que tem carro automático pela primeira vez tem medo de pisar equivocadamente no pedal do freio com o pé esquerdo por força do hábito de acionar a embreagem para passar marchas nas caixas convencionais. Isso pode resultar em uma frenagem brusca, justamente pela falta sensibilidade em usar este lado do pé nas frenagens.

A sugestão é você meio que esquecer e parar sua perna esquerda. Pode ser articulando bem o joelho e encostando o calcanhar ao máximo na parte inferior do assento, mas essa posição tende a cansar, especialmente em viagens longas. Outra dica é esticar a perna e repousar o membro nos descansa-pé que carro automático geralmente traz na parte mais à esquerda da região dos pedais.

Mas tem gente também que usa o pé esquerdo para frear o carro automático. Aí é preciso um pouco de prática para você calibrar sua perna e não pisar forte demais no freio sem necessidade, o que pode ocasionar acidentes. Vale fazer esse exercício caso seu pé ainda não esteja “na forma” e para você ter uma condução até mais ágil.

3. Glossário do câmbio automático

cambio automatico carro automovel travado p parking
Letras indicam, em inglês, as funções da caixa

Repare que a base da alavanca dos câmbios automáticos geralmente têm uma sequência de letras que indicam a função para cada posição da caixa. Basicamente, são essas:

  • “P” – (“park” – estacionar)
  • “R” – (“reverse” – marcha-a-ré)
  • “N” – (“neutral” – neutro/ponto morto)
  • “D” – (“drive” – dirigir)

4. Na ordem e com leveza

Para não sobrecarregar o conjunto da transmissão, o ideal é você fazer movimentos suaves e seguir uma rotina na hora de sair com o carro automático, ou de estacioná-lo. Quando for começar a viagem, engate primeiro o câmbio automático – em “D” ou “R”, conforme a necessidade da manobra inicial – e só depois baixe o freio de mão – ou desacione o freio de estacionamento.

Na hora de parar, faça o oposto. Estacione o carro e acione o freio de mão ou botão do freio de estacionamento antes de colocar a alavanca do câmbio em “P”. Especialmente nestas situações, ao colocar a caixa em “park” com o carro “solto”, o peso daquele pequeno deslocamento que o carro fará vai forçar o conjunto da transmissão.

Além disso, só acione essas posições com o veículo totalmente parado – evite colocar de “D” para “R” ou vice-e-versa com o automóvel em movimento. Isso gera trancos desconfortáveis e faz mal para o sistema.

5. Deixe o câmbio automático quieto

Nada de pousar a mão sobre a manopla do câmbio automático – isso também vale para os automóveis com caixa manual. Também não adianta colocar a alavanca na posição “N” a cada semáforo fechado ou no anda e para do engarrafamento.

Mudar a todo momento a posição da caixa sobrecarrega os componentes da transmissão prematuramente. Só vale colocar o carro automático em ponto morto se a parada for realmente para valer e de mais de dois ou três minutos.

6. “L”? E o que são esses números?

cambio automatico 3 marchas shut
Alguns sistemas permitem que o motorista mantenha o câmbio em marchas mais fortes

Alguns câmbios automáticos, em especial da Ford e da Nissan, oferecem opções como “L” (“low” – baixa). Outros ainda agregam numerações “3”, “2” e “1”. Essas marchas são boas de usar em declives, pois seguram bem as rotações e funcionam como uma espécie de freio-motor. Desta forma, em descidas de serra, por exemplo, você poupa o freio, evita o superaquecimento das pastilhas e minimiza a possibilidade de fading.

7. O “S” vai deixar meu carro mais potente?

Geralmente, não. A não ser que seu carro tenha modos de condução que, além de elevar os giros do motor, atuem na direção, câmbio, gerenciamento eletrônico e suspensão. É que normalmente a função “S” (“sport” – ou esportiva) no carro automático passa a impressão de que a performance está esperta, pois estica mais as mudanças de marcha.

8. Trocas sequenciais no câmbio automático

cambio sequencial
Borboletas no volante tornam as trocas sequenciais mais cômodas

Muita gente – inclusive esse que vos escreve – acha um contra senso ter um carro automático e ficar mudando marcha, seja na alavanca ou nas borboletas do volante, especialmente na cidade. Na estrada e em trechos de serra e muitas curvas, contudo, é inegável que a mudança sequencial é útil para você, de repente, segurar melhor o carro ou mesmo fazer uma ultrapassagem.

Isso porque as caixas com mudanças manuais sequenciais permitem uma interação melhor com o desempenho do veículo. Mas muitos câmbios não são tão obedientes: em muitos modelos, a caixa muda automaticamente a marcha se o sistema perceber que o carro está com uma relação não adequada por muito tempo.

Ou seja, se você reduziu para terceira, o carro está evoluindo e já passou muito tempo,  provavelmente o sistema vai entender que já está na hora de passar a quarta e fará a mudança sozinho.

9. E como faço para brincar de play station?

Para acionar essa opção de mudanças sequenciais, em geral, é necessário colocar o câmbio na posição “M” (“manual”) ou deslocar a manopla para o lado. No quadro de instrumentos, deve aparecer imediatamente o número da marcha que está engatada.

A partir daí, você pode reduzir ou aumentar as marchas pela alavanca (para a frente ou para trás) ou nos já citados paddle shifters, as aletas atrás do volantes – preste atenção nas posições dos símbolos de “-” ou “+” para ver como funciona no seu carro. Tem modelos da General Motors e da Ford nos quais que essas mudanças são por meio de… teclas no pomo da manopla.

10. Kickdown

acelerador acelerar pedais istock
Quando o motorista pisa fundo, a central eletrônica reduz automaticamente a marcha

Uma dica importante de uso das mudanças sequenciais de marcha  no câmbio automático é, na hora de retomadas ou de fazer ultrapassagens na estrada, recorrer ao kickdown. Ao pisar fundo no acelerador, a central eletrônica do automóvel entende que o motorista precisa de uma aceleração mais vigorosa.

Assim, evitará aquele delay típico desse câmbio, vai reduzir rapidamente uma ou duas marchas e vai esticar as próximas trocas até o condutor aliviar o pedal.

Bônus: Enguiçou, e agora?

Se o carro automático enguiçou na posição “P”, não precisa se desesperar. Veículos com esse tipo de transmissão geralmente trazem uma plaqueta removível posicionada na base ou perto da alavanca. Essa tampa pode ser destacada e um pequeno botãozinho interno destrava o sistema e deixa o carro solto – esse mecanismo pode ser destravado com uma chave de fenda ou a própria chave do carro.

De qualquer modo, consulte o Manual do Proprietário para ter acesso a todas as explicações e orientações.

👍  Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.

TikTok TikTok YouTube YouTube Facebook Facebook Twitter Twitter Instagram Instagram

Ah, e se você é fã dos áudios do Boris, procure o AutoPapo nas principais plataformas de podcasts:

Spotify Spotify Google PodCast Google PodCasts Deezer Deezer Apple PodCast Apple PodCasts Amazon Music Amazon Music
11 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Celia costa 6 de abril de 2022

Gostei das dicas …
Nunca tinha ouvido falar este assunto..muito interessante…

Avatar
Paulo Celio fonseca 4 de abril de 2022

Gostei deals dicas sobre câmbio automático . Muito bem explicado com linguagem simples , objetivas , direta ao ponto sem muita delongas . Parabéns !

Avatar
Wilson 4 de abril de 2022

Ficou faltando falar do botão que fica na canopla do câmbio

Avatar
Neiton 4 de abril de 2022

Não tenho carro automático, dirigi uma vez um Taurus do aeroporto de Brasília até Anápolis Go, gosto de ler matérias sobre carros automáticos, mas uma prática que muitas pessoas fazem é no momento da parada do veículo em um estacionamento ou estacionado na rua, no momento da parada é colocar o câmbio direto no”P” e desligar o motor, isso com o tempo danifica o câmbio, e o certo é: 1º colocar o câmbio no “N” pra desengatar a marcha puxar o freio de mão e só depois colocar o câmbio no “P”

Avatar
Devaldo Valadão 4 de abril de 2022

Parabéns Neílton,esta é a maneira correta, só faltou ponderar que ao sair,deve se fazer o processo inverso,ou seja:dar partida no P,pisar no freio levar ao N, soltar freio estacionamento,aliviar o pé do freio, pisando novamente,levar D ou R .PS.dos oito comentários citados só o seu está correto, todos os demais representam sérios danos ao conjunto câmbio e + R$ PROS Bolsos.(banguelas?nem pensar)

Avatar
Antonio Luiz Rodrigues 4 de abril de 2022

Bom dia, com o preço do óleo disel nas alturas posso aproveitar as desidas longas com o câmbio na letra n ?

Avatar
Pedro C. 4 de abril de 2022

Boa tarde amigo
Pide sim, o que pide, de maneira nenhuma é desligar a chave do motor, se fizer isso vc vai danificar seu câmbio…agora com o motor em funcionamento pode aproveitar a Benguela sim, não causa danos ao sistema.

Avatar
Polvo 1 de abril de 2022

Nos engarrafamento com muito anda-e-pára, às vezes costumo deixar em a alavanca em “D” e acionar o freio de mão para descansar o pé direito. Essa prática causa algum prejuízo ao câmbio?

Avatar
Joaquim 1 de abril de 2022

Eu utilizo muito o recurso mencionado no último item.
Esse recurso é muito útil em manobras em garagens planas, como em vagas de condomínio (empurrar o carro pra trás ou frente).
Deixo em N, volante o alinhado e, sem acionar o freio de estacionamento.
Desta forma, é possível empurrar um carro fechado, sem a necessidade de ter a chave.

Avatar
Santiago 31 de março de 2022

Sempre leio com atenção as diversas matérias sobre câmbios automáticos. Só por curiosidade mesmo, já que, por acaso, eu nunca dirigi um automático na minha vida.
E nem faço ideia de quando vou dirigir um desses, pois acabo de “firmar um contrato de longo prazo” com o meu Etios manual/seis marchas.
Além do mais, com os preços surreais praticados hoje em dia…

Avatar
Israel Diniz 31 de março de 2022

O problema maior é a manutenção, que não existe nem nas autorizadas….. Tenho um Cobalt 2013, com 75 mil km que seguiu todas as revisões na autorizada e um mês após a última revisão tive o câmbio danificado, devido ao rompimento do disco mola e mesmo levando o carro na autorizada após o surgimento dos primeiros sintomas o mecânico disse que era ruído do freio… Resultado, após o carro parar na rua e acender a luz de erro, levei na autorizada que diagnosticou problema na solenóide do câmbio… sem manutenção por lá… e a troca do câmbio novo custaria 38 mil reais e o recondicionado 18 mil… No final arrumei numa oficina que me cobrou 9000 reais… E dps vc vê que o câmbio 6T30 é problemático nesta peça, com várias ocorrências…..

Avatar
Deixe um comentário