O que tem o brasileiro a ver com carros vendidos na Colômbia?

Latin NCAP se "esquece" que carro barato só tem equipamento de segurança se for obrigatório para ser competitivo

Por Boris Feldman 14/11/20 às 07h00
kia picanto crash test seguranca ocupantes latin ncap
Kia Picanto em crash test feito pelo Latin NCAP (Foto: Latin NCAP | Divulgação)

A Renault errou em sua estratégia de lançamento do Clio no Brasil em 2000, quando iniciou sua produção na fábrica de São José dos Pinhais (PR). O destaque do hatch compacto era ser, desde a versão básica, o único brasileiro do segmento equipado com airbags frontais.

Alguns jornalistas do setor (eu entre eles) foram convidados meses depois  por Luc Alexandre Ménard, seu presidente, para um almoço na fábrica da Renault no Paraná.

Ménard estava de “saia justa”: sua equipe calculou mal a receptividade do mercado aos airbags no Clio. Por não serem obrigatórios na época, não equipavam nenhum de seus concorrentes. E, por isso, o Clio era cerca de 10% mais caro. Suficiente para, no segmento de entrada, afastar fregueses. E nos perguntou qual seria a reação do mercado se os airbags fossem removidos.

VEJA TAMBÉM:

Nós o lembramos então de que a Volkswagen tinha acabado de lançar o Golf produzido na fábrica bem ao lado da Renault, também em São José dos Pinhais. E que os alemães tiveram de projetar um novo volante, pois na Alemanha sequer existia a opção sem o airbag.

O Golf brasileiro seria o único no mundo sem o equipamento, pois a Volkswagen não cometeu o mesmo “erro” e o removeu antes de iniciar sua produção. Ménard se sentiu então menos constrangido em eliminar o equipamento do Clio.

Kia Picanto… na Colômbia

Conto essas histórias a propósito do crash-test realizado no mês passado pelo Latin NCAP com o Kia Picanto comercializado na Colômbia. E que tomou bomba da entidade uruguaia por ter airbag apenas para o motorista, além de outros problemas de segurança.

Além de classificar o modelo coreano com zero estrela (das cinco possíveis), seu diretor ainda se deu ao direito de “puxar a orelha” da Kia, irado com o baixo nível de proteção aos ocupantes do Picanto e lembrou que o mesmo carro comercializado nos países desenvolvidos é equipado com dois ou quatro airbags. “Por que – perguntou arrogantemente – o cidadão da Colômbia não merece o mesmo nível de proteção?”

Mais irresponsável ainda é que a avaliação do Kia Picanto foi divulgada no Brasil, onde a marca também comercializa o modelo. Exatamente a mesma trapalhada do Latin NCAP com a Ford Ranger: informou a imprensa brasileira que a picape foi reprovada nos testes, sem deixar claro que se tratava de uma unidade vendida na Colômbia. Claro que Picanto e Ranger são comercializados no Brasil com airbags e seriam melhor avaliados nos testes.

kia picanto crash test seguranca ocupantes latin ncap
Teste de colisão do Kia Picanto feito pelo Latin NCAP – versão colmbiana (Foto: Latin NCAP | Divulgação)

Resumo da ópera é que o Latin NCAP:

1 – Faz de conta desconhecer a falta de padronização das legislações de segurança veicular na America do Sul. E divulga num país, avaliações negativas de carros da mesma marca e modelo vendidos em outros. Confundiram o consumidor brasileiro nos casos do Picanto e da Ranger vendidos na Colômbia;

2 – Não explica o critério para decidir quais modelos serão testados em cada país: os mais vendidos? Os mais baratos? Fiz essa pergunta ao engenheiro Furas, diretor do Latin NCAP, numa entrevista coletiva e ele “enrolou” a resposta;

3- Parece ignorar que uma fábrica não pode equipar um carro de entrada com equipamento de segurança não obrigatório no país. Renault e VW não o fizeram aqui pois seus modelos iriam custar muito mais e obviamente alijados da concorrência. Em carros de menor valor, cada centavo acrescido no preço é crucial para o consumidor;

4 – Repreende com arrogância as fábricas com modelos reprovados em seus testes, como se fosse um órgão regulador do governo para a segurança veicular, desconsiderando as características de cada país e impondo seus próprios protocolos sem ouvir suas entidades representativas.

Não há dúvida que as avaliações do nível de proteção aos ocupantes de um carro são de extrema importância para tornar os veículos mais seguros.

Mas há que se fazer os testes dentro de critérios bem definidos, levar em conta a legislação e as características do país e ouvir as entidades representativas das fábricas, do governo e da sociedade. O LatinNCAP não é comprometido com nenhuma destas premissas.

SOBRE
7 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
17 de novembro de 2020

De novo esse decrépito querendo polemizar e tripudiar do único órgão que jogou luz sobre a quantas anda a segurança dos carros vendidos no Brasil e na América Latina. O nome do órgão é LATIN NCAP, e desde o início ficou bem evidente que sua proposta é analisar a proteção proporcionada pelos mercados de todos os países que compõem a América Latina, não só o Brasil. Testa-los é caro e poucas montadoras oferecem seus carros para serem avaliados, é preciso comprar pelo menos 2 exemplares para os crash-tests frontais e laterais. Qual é sua proposta para mudar esta situação, ao invés de só ficar reclamando?

Avatar
Mario Neves 18 de novembro de 2020

A responsabilidade de explicar, que o carro testado não tinha os equipamentos de segurança exigidos no Brasil, é da imprensa. Simples assim.

Avatar
Fábio Colla de Andrade 16 de novembro de 2020

Fiz diversos comentários coerentes ao tópico, educados, ilustrativos e que agregavam muitas informações a discussão !
Caiu na censura do “prohibitus ex indice verborum” !
Total falta de isenção, e parcialidade extrema !

Avatar
Miguel Garro 14 de novembro de 2020

Se o mercado prefere o mais barato ao mais seguro, q a pressão para q os carros sejam mais seguros seja feita primordialmente sobre governos, mas também sobre montadoras, já q, na teoria, as marcas deveriam se preocupar em oferecer um produto seguro, não um q apenas siga as normas vigentes… Então, mesmo q na prática seja o mercado q dite o q é oferecido no carro, e q as normas de segurança do país sejam frouxas, isso não exime as montadoras de ter uma responsabilidade social sobre o produto q oferecem
Outra coisa q me chama a atenção na sua escrita é criticar o fato de os modelos testados serem os para o mercado colombiano, não podendo, assim, representar fidedignamente os respectivos modelos adaptados às demandas do nosso país. O Latin NCAP não teria condições de desempenhar testes específicos para cada país, seja pela logística da coisa, seja pelo financiamento a q dispõe. Sendo uma entidade q presta um serviço de interesse público, e representando todo o subcontinente, é lógico se pensar q os testes serão desempenhados na versão mais básica possível disponível, sendo q o q será feito com os dados obtidos dos testes vai depender de como a mídia expõe as condições dos testes.

Avatar
Calatrava1410 14 de novembro de 2020

Quando em 2004 comprei um Clio 1.6 com airbags, muitos riram porque não consideravam necessário.
Quando se tornou lei e obteve status, notei que muitos, novamente, faziam questão de dizer que seus carros eram equipados com esse dispositivo.
Nosso povo é um povo de onda, que só se preocupa em mostrar o que tem, e claro, de novidade.
Recentemente fui pesquisar um automóvel em site de certa fábrica de automóveis, e notei que davam mais ênfase a multimídia do que ao próprio carro.
Até parecei que vendiam multimídia e o carro ia como acessório e não o contrário.
PS.: é um carro de grande vendagem no país.

Avatar
CALATRAVA1410 14 de novembro de 2020

Correção: Até parecia que vendiam multimídia…

Avatar
Fernando B 14 de novembro de 2020

Discordo. As montadoras querem empobrecer os carros utilizando o mínimo possível de itens que a legislação local permite, portanto creio que realmente se deva usar o modelo mais básico no país que tenha menos itens para avaliar. Se não eu monto um carro extremamente reforçado no Chile e nos outros 9 países do Mercosul eu mando qualquer lixo pois a avaliação será feita no carro chileno.

Avatar
Deixe um comentário