Venda de autopeças falsificadas dá cadeia – e pena pode aumentar

No mundo, o comércio de peças irregulares de carro e moto gera um prejuízo de mais de R$ 46 bilhões; deputado quer coibir ação no Brasil

Por AutoPapo 10/02/21 às 12h02
Com Agência Câmara de Notícias
homem de macacão azul faz busca em deposito de autopecas
Fraude no comércio de autopeças é punida com prisão de um a cinco anos e multa (Foto: Shutterstock)

O Projeto de Lei 5258/20 quer aumentar a pena para quem comercializar autopeças falsificadas. O texto tramita na Câmara dos Deputados.

Atualmente a fraude no comércio é punida com prisão de um a cinco anos e multa. A proposta aumenta esse prazo em um terço se envolver a compra e venda de peças de carro e moto falsificadas. A matéria é do deputado Lincoln Portela (PL-MG) e altera o Código Penal.

LEIA MAIS

Segundo Portela, o comércio de autopeças irregulares vem crescendo no Brasil. O executivo deu como exemplo a apreensão, em 2019, de mais de 100 mil peças falsificadas em Goiás. A mercadoria irregular foi avaliada em R$ 5 milhões e era revendida em vários estados do país.

“É imperioso endurecer o nosso sistema penal a fim de coibir duramente conduta tão nefasta”, disse o deputado.

O projeto equipara ainda o comércio irregular ou clandestino à atividade comercial. O objetivo é permitir que o conceito de fraude no comércio, previsto no Código Penal, seja aplicado a um maior número de condutas criminosas.

Falsificação de autopeças em números

No mundo, a falsificação de peças automotivas gera um prejuízo de U$ 12 bilhões (R$ 46 bilhões 295 mil, em conversão direta), segundo estimativa da Comissão Federal de Comércio (Federal Trade Commission, com sede nos EUA). Apenas no Brasil, de acordo com a Associação Brasileira do Combate à Falsificação (ABCF), R$ 3 bilhões em arrecadação são perdidos anualmente em razão das autopeças falsificadas.

O setor automobilístico só perde para os cigarros. As autopeças sem procedência são mais baratas, cerca de 30%, afirma a ABCF. A economia, no entanto, não vale a pena, já que coloca em risco a vida de motoristas, passageiros e terceiros.

A maior parte (60%) das autopeças falsificadas chegam ao Brasil pelo Paraguai ou direto da China. Ainda segundo a Associação, os profissionais do ramo das oficinas mecânicas conseguem perceber que a peça não é original, mas optam por usá-las em razão do baixo custo.

Como diferenciar as peças do mercado de reposição:

  • Autopeças similares: são reconhecidas no mercado em que atuam, possuem a devida identificação de procedência, ou seja, a própria marca, e dão garantia. São aquelas produzidas pelas empresas independentes, encontradas nos varejos, ou seja, nas lojas de autopeças.
  • Autopeças originais: produzidas pelos mesmos fornecedores das montadoras.
  • Autopeças falsificadas: são fruto utilização indevida de marcas alheias ou de contrabando (entram no país sem o recolhimento de impostos). Não oferecem garantia de procedência nem passam por testes para serem certificadas.
  • Autopeças usadas: são demandadas de atividades de desmanche.

As definições acima foram disponibilizadas pela Associação Nacional das Fabricantes de Autopeças (Anfape).

SOBRE
2 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
PEDRO PAULO 10 de fevereiro de 2021

TEM QUE DAR 10 ANOS DE CADEIA PRAS REVENDAS DESSAS PEÇAS – MADE IN CHINA, FABRICADAS COM AÇO RECICLADO DE QUINTA CATEGORIA, EM FUNDO DE QUINTAIS. É PREJUÍZO CERTO E RISCO DE ACIDENTE.

Avatar
Andre Rocha 10 de fevereiro de 2021

Não adianta dar cadeia em quem as fabrica. Ele vai preso e no lugar dele terão trocentos outros mais. O consumidor SIM é quem tem que ser o responsável por não comprar essas peças. Enquanto tiver quem compre, tem quem venda! Muitos reclamam que uma bobina do CrossFox, por exemplo, custe R$350,00, e compram essas porcarias XingLing por R$150,00. Quem tem que ser preso é quem tá vendendo? Quem tá comprando é quem tá financiando isso e permitindo que isso continue! Não estou removendo a culpa de quem vende.

Avatar
Deixe um comentário