Picaretagens das oficinas: os 10 mandamentos da ‘AMEPI’

Assistência técnica dá margem à toda sorte de maracutaias, seja de aparelhos elétricos, eletrônicos e... automóveis

Por Boris Feldman 20/06/20 às 09h00

A maioria dos mecânicos é correta, atualizada e atende com eficiência. Mas, existem os que decidem trilhar o caminho da pi-ca-re-ta-gem e seguem cartilha própria, como se existisse uma “Associação dos Mecânicos Picaretas” (AMEPI) ditando suas (questionáveis) regras…

 I – Limparás inutilmente componentes da injeção de combustível alegando estarem sujos, mas que estão limpos. Bicos injetores, corpo da borboleta (TBI) e outros podem mesmo se sujar, principalmente com o combustível adulterado. Mas, se o motor estiver normal, sem tossir, engasgar, vacilar na marcha lenta, ou problemas no desempenho e consumo, não passa de “empurroterapia”. Outra inacreditável cara de pau dos picaretas é “limpar” o tanque de combustível.

II – Trocarás desnecessariamente a bateria só por ter se acendido a luz de alerta. O mecânico honesto logo descobre algum problema no sistema elétrico, coisa simples como a correia do alternador partida, por exemplo. O desonesto já vai logo trocando a bateria. “Que está – diz ele – nas últimas e já não presta. Por isso – completa do alto de sua sabedoria – acendeu-se a luzinha…”.

III – Jogarás a válvula termostática no lixo, alegando ser necessária nos gelados países europeus, mas jamais num de clima tropical como o nosso. E ainda cobra algum. O bom mecânico sabe que ela é fundamental para manter a temperatura ideal de funcionamento do motor.

IV – Substituirás o rolamento (tensor) da correia dentada juntamente com a própria, alegando que já “eram”… Porém o manual só especifica quilometragem máxima para a correia, não para o rolamento. Mas tem fabricante de autopeças mau caráter (como a Gates) que embala os dois juntos, para avalizar o mecânico picareta. Perguntinha inocente: se rolamento não aguenta – como ele diz – mais que 60 mil ou 80 mil km, como explicar que algumas correias (da Ford, por exemplo) duram até 250 mil km, sem necessidade de se trocar os rolamentos antes desse prazo?

V – Lubrificarás a suspensão apesar desta operação ter sido abolida há dezenas de anos. Aproveita e inclui portas, maçanetas e outras peças para engordar a nota do cliente.

VI – Venderás amortecedores recondicionados alegando serem tão bons quando os novos, mesmo sabendo que não o são, pois seu reparo não é viável. O custo para que volte a funcionar perfeitamente seria superior ao de um novo e, portanto, não vale a pena. Mas os desonestos dão “um jeitinho”: trocam o óleo, aplicam uma pinturinha externa para melhorar a aparência e coloca a vida do cliente em risco. Sim, a remanufatura é possível tecnicamente mas, pelo custo elevado, só vale a pena quando não se encontra mais o original no mercado. De um modelo especial, importado ou fora de linha.

VII – Turbinarás o motor do cliente sob promessa de maior desempenho do carro. Não tem dúvida de que cumpre o anunciado: a turbina vai efetivamente dotar o carro de mais  uns cavalinhos. Porém oficinas criteriosas sabem que o motor não foi projetado para essa potência extra e que sua durabilidade será reduzida. O argumento preferido dos mecânicos irresponsáveis é de que ela não prejudica, tanto que a própria fábrica turbina o motor. Mas aí está o xis da questão: ao ser turbinado pela própria fábrica, ela introduz no motor  uma série de reforços estruturais e novos componentes redimensionados para a nova potência.

VIII – Balancearás as rodas do carro que passou por um serviço de alinhamento de direção sob o pretexto de que “alinhou…tem que balancear”. Nada disso.  É pura “empurroterapia” pois o balanceamento só é necessário na troca dos pneus ou quando se manifesta por uma vibração do volante em determinada velocidade.

IX – Empurrarás toda a sorte de “picaretalhas” com a finalidade de aumentar seu faturamento e o dos fabricantes, às custas do saldo bancário de seus clientes. Na “empurroterapia”, vale tudo: além de serviços desnecessários, produtos questionáveis como aditivos, equipamentos, acessórios, economizadores, etc.

X – Anunciarás serviços impossíveis de serem realizados, como, por exemplo, reparo de airbag que inflou num impacto e que só tem uma solução: ser substituído.

oficina despesa manutencao cara shutterstock
SOBRE
12 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    DANIEL MENDES DE LIMA 21 de junho de 2020

    Cara, esse Boris Feldman está precisando passar por uma reciclagem. Obviamente muitos destes itens colocados aqui realmente são má fé mas, a parte da troca do tensor e chamar o fabricante de picareta? Puts, ele é um imbecil. Bóris, troca-se o tensor por um motivo muito simples: Economizar na mão de obra! Conta pra gente o que acontece quando um tensor trava meu querido! E outra, conta pra gente qual é a quilometragem correta da troca do tensor! E a melhor, conta pra gente o motivo de alguns motores serem obrigados a trocar a correia com 40 mil km, outros 60 mil km, outros 120 mil km… Então o fabricante é picareta também?

    • Avatar
      Renan 22 de junho de 2020

      Perfeita colocação.
      É a tal da preventiva. Assim como a limpeza dos bicos e TBI. Não é pq não tá falhando que não precisa fazer. São serviços preventivos.
      Infelizmente tem mto picareta por ai, aí nós que somos honestos acabamos pagando o pato.

    • AutoPapo
      Boris Feldman 22 de junho de 2020

      Prezado Daniel

      A mentira repetida vai virando verdade!
      A troca do tensor junto da correia só é recomendada pela Renault, entre os manuais que eu consultei. Um mecânico bom e honesto sabe perfeitamente se o rolamento está com problema ou não. E mais, se os das rodas traseiras suportam o peso do carro e duram centenas de milhares de quilômetros, porquê o da correia vai pifar antes dos 100 mil km? E porque o da Ford dura os mesmos 240 mil km da correia banhada em óleo?
      Não tem que trocar rolamento bom nem limpar bico injetor limpo “preventivamente” É empurroterapia e estamos conversados.
      Mas, aos mecânicos “trocadores de peças” não faltam argumentos. E ainda são apoiados, é claro, pelas empresas fabricantes das correias que juntam rolamento e correia num pacote só. Assim, dão força ao falso argumento e todo mundo fatura às custas do consumidor.

  • Avatar
    Correa 21 de junho de 2020

    Isso é leve, pior e quando o sujeito vai trocar os pneus e condenam amortecedor, coxim, pivô, ponteiras, balança e etc…
    Eu não caio nessa.

  • Avatar
    Igor 21 de junho de 2020

    Vergonha alheia dessa matéria feito por quem tem preguiça de consultar um bom mecânico para se orientar antes de sair falando abobrinha.

  • Avatar
    Mario 21 de junho de 2020

    O bico e o tbi sujam mesmo sem o combustível ser adulterado, o alcool forma tipo uma camada de açúcar e. Oxida a ponta do bico pela presença de água e, a gasolina, mesmo a aditivada forma sujeira por carbonização mas o alcool e a gasolina aditivada formam em proporção menor, a limpeza deve ser feita não constantemente, mas quando tossir e dar falha de partida no carro, o tensot da correia dentada é aconselhada a cada troca de correia por questão de segurança, tanto que vende o kit de correia e tensor

    • Avatar
      Jair Oliv Moreira 22 de junho de 2020

      Concordo em partes, acho prudente e alternância de bandeira diferente nos abastecimentos, pq elas usam aditivos diferentes, faço está prática e nunca fiz limpeza de tbi e bicos.

  • Avatar
    Anderson Liberman 20 de junho de 2020

    Faltou o empurrãozinho do alinhamento da suspensão traseira, incluindo cambagem das rodas.

  • Avatar
    Tonho 20 de junho de 2020

    Faltou….. Completar o nível dos câmbios dualogic com fluido de freios.
    Isso vi aos montes.

  • Avatar
    Sergio 20 de junho de 2020

    O tensor ser trocado nas trocas de correia é aconselhável!
    Antes de mandar trocar a correia, o rolamento do tensor começou a zoar!

  • Avatar
    Leandro Garcia de Almeida 20 de junho de 2020

    Sobre o item IV, da pra ver que a matéria foi feita por um leigo, que nunca, jamais colocou as mãos em um motor pra trocar uma correria dentada,trabalhei em concessionárias de 4 marcas diferentes em 12 anos de profissão e em nenhuma delas o fabricante aconselha trocar apenas a correria dentada, sempre o rolamento tensor deve ser sim trocado.

  • Avatar
    Paulo R D F:. 20 de junho de 2020

    Tem mais três clássicas, quando a correia do motor está um pouco frouxa, tem que trocar o alternador e a bateria e lá se vão mais R$ 2.000 !!! Também tem a das pastilhas de freio grátis, mas tem que retificar os tambores de freio pois tem sulco, mais R$ 1.500 , completar o nível do óleo e aí vai ….

Avatar
Deixe um comentário