Tecnologia e conforto destacam-se no Ford Territory

"Uma vantagem indiscutível é o acabamento interno com bons materiais e o conforto também nos bancos dianteiros"

Por Fernando Calmon 14/08/20 às 09h30
ford territory branco 13 1
Ford Territory (Ford | Divulgação)

Desde que foi apresentado, no Salão do Automóvel de 2018, como “teste” de mercado, a Ford já tinha decido trazer da China o SUV médio-grande Territory.

O modelo que chega agora ao Brasil recebeu nova grade e para-choque dianteiro, embora o estilo se identifique menos com a marca americana e mais com sua parceira oriental JMC.

Os para-lamas dianteiros bojudos explicam a largura de 194 cm, 10 cm superior ao Equinox, um dos 10 rivais que compõem o segmento amplamente dominado pelo Jeep Compass.

VEJA TAMBÉM:

Embora o Territory tenha distância entre-eixos de 276 cm, só perdendo por 1 cm para o Equinox, o espaço para as pernas, joelhos e ombros no banco traseiro, de fato, surpreende. Exigência típica do consumidor chinês, mas que levou a sacrificar a capacidade do porta-malas: 348 litros contra 410 litros do Compass.

Uma vantagem indiscutível é o acabamento interno com bons materiais e o conforto também nos bancos dianteiros. A ergonomia dos comandos dos vidros elétricos, outro destaque.

Tecnologia de bordo inclui central multimídia de 10,1 polegadas que contém um modem e um chip de tráfego de dados para o aplicativo de celular FordPass (primeiro ano grátis). É possível checar remotamente nível de combustível e várias outras funções.

É o único no segmento com quatro câmeras de alta definição de 360°. Tem quatro portas USB, sendo uma no alto do para-brisa para acoplar câmera de gravação de vídeo, apreciada em países como China e Rússia. Controle de velocidade de cruzeiro adaptativo inclui a função para-e-anda.

Há freada automática de emergência, a partir de 30 km/h e também função de estacionamento automático. Ao contrário de outros chineses a volante de direção dispõe de regulagem de distância e altura. Freio de estacionamento eletromecânico tem função autohold.

Motor a gasolina turbo, injeção direta de 1,5 L, 150 cv e 22,9 kgfm, acoplado a um câmbio CVT de oito marchas, formam um conjunto suave e silencioso (a 120 km/h, motor gira a apenas 1.900 rpm).

Consumo de combustível homologado entre 9,2 km/l (urbano) e 10 km/l (estrada), mas a Ford corrigiu a informação para 10,2 km/l. No uso diário os números efetivos são um pouco melhores em estrada (cerca de 11 km/l) e urbano em torno de 9 km/l.

O peso em ordem de marcha, 1.632 kg, limita o desempenho: 0 a 100 km/h, 11,8 s (dado de fábrica). Suspensão independente nas quatro rodas, além de eficiente, bem silenciosa em qualquer tipo de piso.

Preços: R$ 165.900 (SEL) a R$ 187.900 (Titanium). Tudo incluído, sem opcionais.

Anfavea pede mais prazo para emissões e segurança

As normas técnicas para veículos leves no Brasil costumam ser muito discutidas e lentas. As de segurança, conduzidas pelo Contran/Denatran, e as que envolvem emissões pelo Conama.

Especificamente sobre emissões o país tem avançado mais que os seus vizinhos porque nossas regras são mais severas. O Proconve (Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores) existe há quase 40 anos e desde o início se inspirou nas normas dos EUA que eram até mais duras que as europeias.

Os níveis de emissões de poluentes, em seis fases do Proconve, reduziram em 95% monóxido de carbono (CO), 98% hidrocarbonetos (HC) e 96% óxidos de nitrogênio (NOx). No Estado de São Paulo, nas principais cidades monitoradas pela Cetesb entre 2006 e 2018 a queda foi de cerca de 50%, em média, apesar da frota ter aumentado 66% no mesmo período.

A Anfavea pediu adiamento por dois anos da próxima fase, que começa em 2022, para veículos leves. Os desenvolvimentos foram interrompidos pela crise pandêmica e a brutal queda de faturamento.

Representantes do Ministério Público Federal (MPF) são contra e indicam os casos de Índia e México que mantiveram seus cronogramas. Mas há uma diferença: nos dois países podem conviver carros novos com a fase anterior e a mais restrita (estes mais caros, claro).

No Brasil, todos os modelos novos que não atendem a legislação devem ser retirados de linha. Não há uma transição para diluir os altos investimentos.

Estivesse o MPF realmente interessado em melhorar o ar que respiramos, cobraria a Inspeção Técnica Veicular que existe há décadas nos EUA e na Europa. Está no Código de Trânsito Brasileiro faz 23 anos e simplesmente não aparece coragem política para tal exigência mesmo de forma bastante gradual. Agora, menos ainda, com a grave crise de saúde e econômica.

Audi promove avant-première

Numa ação audaciosa, a Audi importou temporariamente alguns modelos (que pretende vender entre este ano e o próximo) e os colocou à disposição de clientes selecionados no Autódromo Capuava, em Indaiatuba (SP).

Jornalistas também puderam ter as primeiras impressões em cada um dos veículos da linha de maior desempenho da marca: RS Q8, RS Q3 Sportback, RS 6 Avant, RS 7 Sportback e R8 (versão especial). Os cinco carros, entre perua, SUV e cupê, somavam 1.810 cv de potência com cinco, oito e dez cilindros.

Fiquei particularmente impressionado com o R8 e seu motor V10 de aspiração natural, 610 cv, que divide com os Lamborghini, marca administrada pela Audi.

SOBRE
2 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
NERI ANTONIO VARNIER 14 de agosto de 2020

BONITA MUITO DINHEIRO MOTOR MUITO FRACO

Avatar
Leandro 14 de agosto de 2020

Pra mim o que mais se destaca aí é o preço rs

Avatar
Deixe um comentário