[Vídeo] Accord 2021: o Honda mais caro do país é também o mais econômico

Com dois motores elétricos e um a gasolina, primeiro híbrido da marca economiza no posto, mas custa R$ 300 mil

honda accord hibrido branco de frente na estrada
Modelo é o top de linha da Honda no Brasil (Fotos: Honda | Divulgação)
Por Hairton Ponciano Voz
13 de setembro de 2021 19:03
Especial para o AutoPapo

Nem Fit, nem City. Tampouco HR-V ou Civic. Por uma dessas contradições da vida, o Honda mais econômico do Brasil é o luxuoso Accord. Apesar de seus 1.555 kg e 4,9 metros de comprimento, o espaçoso sedã esnoba postos de combustível e ostenta médias de consumo acima dos 17 km/l. Mais precisamente, a Honda divulga 17,6 km/l na cidade e 17,1 km/l na estrada.

A questão é que, por outra dessas contradições do universo, o Honda de quatro rodas que menos gasta gasolina é também o mais caro. O Accord e:HEV (denominação da tecnologia híbrida da marca) estreia no Brasil por R$ 299.900. Ou seja: antes de economizar um pouco, é preciso gastar muito.

Ao contrário da rival Toyota, que concentra sua artilharia híbrida no segmento médio, de maior volume de vendas (Corolla e Corolla Cross, além do Prius), a conterrânea Honda decidiu estrear no andar de cima. Só depois dessa festa para poucos, na cobertura, é que a marca pretende ampliar a oferta. O lote inicial tem pouco mais de 60 unidades, e o sedã já está nas lojas.

VEJA TAMBÉM:

Importado dos EUA, o Accord é o primeiro de três modelos que a Honda planeja lançar no país até 2023. A empresa não divulga quais serão os próximos, mas em outros países Fit, City e HR-V já utilizam a tecnologia.

Apesar da demora para adotar a eletrificação por aqui (o sistema e:HEV foi apresentado pela Honda há dois anos, em Tóquio), com o Accord a Honda ao menos começa a sair do prejuízo. O sedã agradou na avaliação de 135 km, em um percurso misto que incluiu trecho urbano (em São Paulo) e rodoviário.

Saímos com tanque cheio e autonomia no painel estimada em cerca de 670 km. Quando voltamos ao escritório da Honda, apenas uma barrinha digital do marcador de combustível havia se apagado, e a tela da central multimídia informava autonomia para mais 653 km. E olhem que o tanque tem apenas 48,5 litros!

Mais elétrico do que híbrido

Ao contrário do que normalmente ocorre nos híbridos, o Accord e:HEV privilegia muito mais o uso do motor elétrico. Há três modos de funcionamento: EV Drive, Hybrid Drive e Engine Drive. Segundo a Honda, nos dois primeiros a tração é sempre feita pelo motor elétrico, uma pequena peça de cerca de 30 cm de diâmetro capaz de gerar 184 cv de potência e 32,1 mkgf.

Na cidade, o motor 2.0 a gasolina de ciclo Atkinson é um mero coadjuvante, e tem por função apenas gerar energia para a bateria. Já o modo Engine Drive é acionado quando o Accord atinge velocidade de cruzeiro em estrada. Nesse caso, o motor a combustão (145 cv e 17,8 mkgf) conecta-se diretamente às rodas dianteiras por meio de uma embreagem.

Segundo a Honda, isso ocorre porque é nessa situação que ele apresenta maior eficiência energética. Há ainda um segundo motor elétrico, que atua como gerador. O conjunto elétrico é compacto e ocupa o lugar onde ficaria o câmbio CVT.

Potência total do Accord híbrido

honda accord hibrido motor mecanica

A Honda não divulga a potência combinada total, provavelmente porque, embora habitem o mesmo espaço sob o capô, os motores elétrico e a gasolina não trabalham muito em conjunto. Em resumo, o elétrico é um ser urbano que gosta do agito da cidade, enquanto o 2.0 curte mesmo uma viagem.

A montadora também não informa dados de desempenho, mas na prática o Accord mostra muito vigor, e sem fazer barulho. Saímos da sede da Honda com o sistema de som desligado. O objetivo era auscultar quando (e se) o motor a gasolina iria funcionar. Não demorou muito, e numa parada de semáforo um leve sussurro abafado pôde ser ouvido, indicando que o propulsor havia acordado para dar uma leve carga na bateria.

O Accord, no entanto, estava se movendo com desenvoltura graças ao motor elétrico, o que podia ser comprovado na tela da central multimídia, que mostra o fluxo de corrente da bateria para o motor, e dali para as rodas. A tração é sempre dianteira.

Até 26 km/l

Na marginal do Pinheiros, um leve toque no acelerador foi o suficiente para mudar de faixa e fazer ultrapassagem sem perda de tempo. Em pouco tempo ao volante, a média de consumo no painel foi subindo e chegou aos 26 km/l, provando que o sedã de luxo estava funcionando a conta-gotas, quase como uma moto. Só que com muito conforto.

Na estrada, o 2.0 se apresentou para o serviço, e além de carregar a bateria passou a enviar força para as rodas. Quando o motorista exige pouco do acelerador (caso de velocidade de cruzeiro), ele dá conta do recado praticamente sozinho. Mas se a pressão no pedal aumenta, os dois motores funcionam em conjunto, para privilegiar o desempenho. Nessa condição, o ponteiro do velocímetro sobe com ânimo, e sem preguiça. O marcador tem escala até 240 km/h.

O quadro de instrumentos virtual é personalizável, e muda de cor conforme o modo de dirigir escolhido. No console, o motorista tem à disposição botões que alternam entre EV (100% elétrico), Econ (híbrido econômico) e Sport (híbrido esportivo). Nesse último, o painel muda de verde para vermelho.

honda accord hibrido branco painel

Ainda falando em console, ele é formado apenas por botões. Isso porque o freio é eletromecânico e a alavanca de câmbio foi substituída por teclas. A transmissão recebeu a denominação e-CVT. Trata-se de um sistema automático, que conecta o motor elétrico ao diferencial, sem as perdas de um câmbio convencional. A cada oito voltas do motor, o diferencial gira uma vez.

Boa dirigibilidade de sempre com a economia de nunca

O Accord mostrou a boa dirigibilidade de sempre com a economia de nunca. A única diferença para o motorista é que as borboletas no volante não têm a função costumeira de simular trocas de marchas. Em vez disso, a missão é mais nobre (e útil): elas servem para ajustar em quatro níveis a regeneração de energia, que ocorre ao frear e ao tirar o pé do acelerador. No nível mais forte (de maior recuperação de energia), basta liberar o acelerador para o carro perder velocidade rapidamente. Nesse caso, dirige-se praticamente sem pisar no freio.

Por fora, a tecnologia híbrida pode ser identificada pelo logo da marca na frente e atrás decorado de azul, indicando que o carro é… “verde”. Além disso, o sedã, que chega como linha 2021, apresenta uma leve reestilização, que inclui novo para-choque e grade redesenhada.

Os faróis full-LED ganharam a companhia das luzes de neblina, agora também de LED. De lado, um dos destaques são as rodas de 17″, que têm visual escurecido e boa parte fechada, para melhorar a aerodinâmica. Na traseira, a parte inferior do para-choque foi alterada.

Voltando para dentro do sedã, o conforto continua sendo seu ponto mais forte. Esta décima geração é de 2017 e foi lançada no Brasil em 2018. A suspensão (McPherson na frente e multilink atrás) garante bom compromisso entre conforto e estabilidade.

Espaço para cinco pessoas

Graças aos 2,83 m de distância entre eixos, há bom espaço para cinco pessoas. Atrás, pode-se literalmente cruzar as pernas. As portas amplas permitem entrar e sair com facilidade. Ali há também duas portas USB, além de saída de ar-condicionado.

A bateria formada por 72 células fica sob o banco traseiro, e é tão compacta que não compromete o espaço interno, nem de pessoas, nem do porta-malas (574 litros).

Por ser leve, também não comprometeu o peso do sedã, que, a despeito do tamanho, pesa pouco mais de 1,5 tonelada. O lado negativo é que ela fornece autonomia para apenas 1,5 km ao motor elétrico.

O acabamento é de primeira, e o revestimento de painel e portas é macio, suave ao toque. Na unidade avaliada, o interior veio na cor marfim, que deixa o ambiente mais claro. Mas é uma tonalidade que só pode ser combinada com a pintura branca perolizada. As outras três opções de cores externas (prata, cinza e preta) vêm com interior preto.

A tela da central multimídia tem 8″ e teclas físicas nas laterais, que facilitam a operação.

honda accord hibrido carregador wireless celular

Há compatibilidade com Apple CarPlay e Android Auto sem fio, além de carregamento de celular por indução (15 Watts). Também em nome da facilidade, há head up display, que projeta informações no para-brisa.

Carros híbridos naturalmente são mais silenciosos, mas o Accord é ainda mais quieto, por causa do sistema de cancelamento de barulhos indesejáveis. Trata-se de um dispositivo que gera a mesma frequência do som que se deseja anular (ou reduzir), só que em fase contrária. Com isso, o interior fica ainda mais acolhedor. E bota acolhimento nisso! Os bancos ajustáveis eletricamente têm ventilação, e o ar-condicionado digital oferece regulagens em duas zonas.

Assistentes de direção

De acordo com a Honda, o pacote tecnológico de auxílio à condução (batizado de Honda Sensing) foi aprimorado e está mais preciso. Ele inclui itens como controlador de velocidade adaptativo, frenagem automática e sistema de manutenção em faixa com correção de volante.

Uma novidade é o alerta de esquecimento de ocupante no banco traseiro. Caso a porta de trás seja aberta antes de o carro sair, no destino o Accord avisa o motorista de que alguém ou algo pode estar no banco de trás, se a porta não for aberta.

Ainda no quesito segurança, o modelo tem oito airbags: frontais, laterais, de cortina e de joelhos, para o motorista e passageiro da frente.

A Honda oferece garantia de três anos para o carro e oito anos ou 160 mil km para a bateria e motores elétricos.

2 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
yuri 14 de setembro de 2021

Tem explicação um Accord V6 de 10 anos custar 40 mil e um zero km custar 300 mil? O quê mudou na renda das pessoas para tal inflação?

Avatar
Jo 13 de setembro de 2021

Baita carro. Mas em conversão direta, custa 55 mil dólares ou 280 salários mínimos locais? Acho que não…

Avatar
Deixe um comentário