Volkswagen Passat deixa de ser importado e ‘sai de linha’ no Brasil

Desvalorização cambial e queda da demanda por sedãs seriam os principais motivos para a retirada do modelo do mercado

Por AutoPapo 13/08/20 às 09h00
r novo passat 1
Passat era vendido em versão única por R$ 164.620 (Volkswagen | Divulgação)

O consumidor brasileiro não poderá mais comprar o Volkswagen Passat, ao menos no mercado de veículos novos. É que ele deixará de ser importado para o país. Por enquanto, ainda existem algumas unidades nos estoques da rede de concessionárias: quem é fã do modelo, portanto, deve correr.

VEJA TAMBÉM:

A Volkswagen atribui a saída do Passat do mercado à alta do dólar, que elevou de modo generalizado os preços dos veículos importados. Porém, a redução da demanda por sedãs em virtude da ascensão dos SUVs também deve ter contribuído para a decisão do fabricante.

De acordo com a Volkswagen, os modelos Jetta GLI e Tiguan atenderão à demanda dos (poucos) consumidores do Passat. O modelo era importado da Alemanha na versão única Highline, com motor 2.0 TSI de 220 cv de potência e 35,7 kgfm de torque. O preço sugerido era de R$ 164.620.

volkswagen passat de frente em movimento
Sedã era vendido em versão única por R$ 164.620

Com o fim das importações do Volkswagen Passat, a categoria de sedãs grandes sofre outra baixa relevante em 2020. Em maio, a Ford confirmou a saída do Fusion do mercado brasileiro. Agora, com exceção dos modelos de marcas premium, o segmento conta apenas com os asiáticos Honda Accord, Toyota Camry e Hyundai Azera.

Passat é um dos produtos mais tradicionais da Volkswagen

O Passat é um dos produtos mais tradicionais da Volkswagen: lançado mundialmente em 1973, o modelo evoluiu continuamente e, hoje, está na sexta geração. Contabilizando todas as safras, a produção já supera a marca de 30 milhões de unidades em todo o mundo.

No Brasil, o Volkswagen Passat de primeira geração foi fabricado de 1974 a 1988. A segunda safra do modelo também foi nacionalizada, mas mudou de nome: por aqui, ele foi rebatizado de Santana. Desde os anos 90, a marca alemã importava regularmente o sedã da Europa.

Foto: Volkswagen | Divulgação

4 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
rosana hashimoto 15 de agosto de 2020

Carro maravilhoso, estou no segundo e manteria para sempre pois segurança é um ítem que desbanca muitos , é uma pena , ainda mais era importado da alemanha e tudo tem uma durabilidade que é incomparável aos nacionais e do México, fiquei chateada

Avatar
Eloi Camara 14 de agosto de 2020

Que triste! adoro o Passat já tive 8, contando com o que tenho agora, este que será o último exemplar, está com 6300km 18/18, simplesmente sem palavras,

vai um amigo que nunca me deixou na mão, uma pena! saudades.

Avatar
Flauber 13 de agosto de 2020

Mais um sedã grande que deixa de ser vendido no mercado brasileiro… Que pena! Não troco meu sedã grande por SUV alguma!

Avatar
Fernando 13 de agosto de 2020

Tenho um 2015 e é uma joia pra mim. Um carro lindo e estupendo. Gasto uma grana preta com manutenção pois comprei usado, porém, o prazer que te proporciona ao pilotá-lo , não tem preço.

Avatar
Deixe um comentário