Volvo XC40 Recharge suaviza transição para os elétricos

'Motoristas estão sendo arrastados para a mudança gostem ou não. Pelo menos o XC40 ajuda a suavizar a transição'

frente do volvo xc40 recharge rodando em poste estaiada
SUV 100% elétrico é uma das apostas da marca sueca (Foto: Volvo | Divulgação)
Por Jeremy Clarkson
25 de junho de 2021 16:03
Nick Rufford substituiu Jeremy Clarkson nesta coluna (traduzido por Bob Sharp)

A primeira coisa que se nota no XC40 Recharge, a versão elétrica do premiado Volvo XC40, é como é fácil dirigi-lo. Entra-se nele, seleciona-se “D” e pronto, basta acelerar que ele anda. Nem precisa ligá-lo, há um sensor no banco do motorista que energiza os motores.

É desnecessário soltar o freio de estacionamento ou passar marchas. Antes mesmo de entrar ele já detectou a chave com você e aqueceu — ou refrigerou — o interior à temperatura que você pré-selecionou.

VEJA TAMBÉM:

A corrida para as fabricantes de automóveis produzirem o carro elétrico atraente, um que deslumbre o vital mercado intermediário, está em curso. Consumidores desta faixa gostam da ideia de emissões zero mas não querem pagar alto preço por isso e almejam algo que seja mais prático.

O Volvo Recharge Twin de tração integral não satisfaz essa condição por ser caro – vendido a R$ 389.950 no Brasil. Mas quando a versão de tração em apenas duas rodas vier no ano que vem (na Inglaterra), vai chegar perto.

É um SUV compacto com conectividade Apple e uma cabine praticamente sem ruído. É espaçoso, mas não enorme, inteligente sem ser complicado e simples sem ser espartano. Se o XC40 Recharge aparenta ser o primeiro de uma nova geração, ele de fato o é.

Cinco carros elétricos mais se juntarão à gama Volvo nos próximos cinco anos, todos de nome Recharge, que é o emblema pertinente aos modelos de ligar na tomada da fabricante.

O modelo de dois motores que testei — só tem ele hoje — conta com a generosa potência de 407 cv, o que lhe proporciona rápida saída da imobilidade quando se precisa. É veloz na estrada e some quando abre o sinal.

Possui excelente visibilidade para o motorista pela posição elevada de dirigir e espaço de sobra atrás para passageiros e bagagem. Tudo fácil e sem gases de escapamento.

Ao longo de décadas a Volvo passou de fabricante de inexpressivos cupês esportivos nos anos 1960 como o P1800 da série da TV inglesa “Saint” (“O Santo”), à quadradonas peruas nos anos 1980 que protagonizam outra série da TV britânica, “Lovejoy”, e à grande família de SUVs nos anos 2000 (Jeremy Clarkson teve quatro XC90).

Sua mais recente ambição, sob a regência da gigante automobilística chinesa Geely, sua dona, é ser líder dos ecocarros. Com o XC40 Recharge, sua primeira experiência num modelo totalmente elétrico, a Volvo deu um grande passo. Eu adoraria saber o que Simon Templar, também conhecido como “Santo”, talvez o mais conhecido dono de Volvo, teria feito dele.

Desempenho

Levando 4,9 segundos para chegar a 100 km/h a partir da imobilidade, duas vezes mais rápido que o P1800 1962 de Templar, lhe possibilitaria deixar facilmente para trás os maus elementos e ir conversando com seus —  geralmente glamurosos — passageiros sem precisar falar em nível de voz mais alto que o do motor.

Lovejoy, o outro famoso protagonista da TV dono de Volvo, poderia ficar menos contente. A antiga estante de livros ou guarda-roupas que ele sempre levava provavelmente seriam cuspidos para fora do porta-malas assim que ele acelerasse a fundo.

Por sorte, a potência de frenagem do Recharge é bem casada com a aceleração, mesmo que o ponteiro da balança acuse meia tonelada a mais em relação a versão a gasolina. A bateria contribui para esse peso, mas ela confere ao carro um centro de gravidade mais baixo.

Andando na cidade o XC40 faz um trabalho decente na transposição de lombadas e ao engolir obstáculos e buracos na pista. A Volvo compartilha componentes com a Polestar, também da Geely, e sob a carroceria, o XC40 é semelhante ao Polestar 2.

A “casa-mãe” chinesa diz que faz sentido do ponto de vista de marketing dividir as marcas dessa maneira. A Tesla é a rival a combater e o Polestar destina-se aos donos de Model 3 e Model S com suas golas rolês, enquanto o XC40 Recharge visa famílias que desejam uma alternativa elétrica aos seus SUVs a gasolina ou a diesel.

Não faltam sistemas de segurança, como se espera de uma marca pioneira do cinto de segurança e câmeras periféricas que ajudam a evitar buracos e outros percalços. A Volvo diz que o interior e o espaço do porta-malas (452 litros) do elétrico XC40 são iguais aos do carro normal.

Sem motor a combustão sob o capô, há um espaço extra de 31 litros a título de porta-malas dianteiro que serve para guardar os cabos de carregamento da bateria. Alguns carros elétricos modernos são feitos para isso, como o Ford Mustang Mach-E e o Jaguar I-Pace. O Volvo XC40, não. O veículo básico foi concebido para receber tanto propulsão elétrica quanto convencional.

Interior do XC40 Recharge

Essa decisão traz algumas desvantagens, mas significa também o uso de controles dos modelos normais no Recharge. Os engenheiros da Volvo eliminaram diversos interruptores e instrumentos, mas os manteve em número suficiente para evitar ter que rolar a tela em meio a um excesso de submenus.

A cabine é revestida com material adesivo Scandi-Cool de motivo grão de madeira e vidro preto e tudo parece simples e intuitivo. Ela é realçada com software do Google com um excelente assistente de voz — uma melhora importante em relação aos antigos sistemas difíceis de entender mesmo quando se tratava de instruções básicas. Diga-lhe o CEP e ele acha. A tela de navegação mostra não apenas distância para o destino e a hora estimada de chegada, como também qual será a carga da bateria ao chegar lá.

A Volvo informa que o veículo roda 415 quilômetros com uma carga, e baseado nos nossos testes a estimativa é correta. Sua recarga completa é razoavelmente rápida supondo que se ache um carregador de alta potência que funcione. Ligado a um ponto de 150 kW, uma carga de 80% é feita em aproximadamente 40 minutos.

Custos

Seu alcance é menor do que o de concorrentes como o VW ID.4 (500 quilômetros), porém maior que o do Hyundai Kona (305 quilômetros).Se suas viagens rotineiras não excederem 415 quilômetros, os benefícios do baixo custo de rodagem são convincentes. O Recharge roda 5,3 km com 1 kW·h, segundo a Volvo. Isso é o equivalente a 3,35 pence por km ao custo de uma tarifa típica de 17,8 pence por kW·h.

Uma viagem de 160 quilômetros custará 5.39 libras, que na conversão direta são R$ 37,30. O XC40 tem as vantagens de impostos, em que não se paga taxa rodoviária, portanto menos benefício em espécie caso seja um carro de empresa.

A Volvo espera que 95% dos compradores do XC40 financiem a compra de seus carros pelo serviço da assinatura Care by Volvo. Pode-se também acrescentar seguro e manutenções e diluí-los nesse custo. A Volvo prevê que isso é o futuro, com mais compradores optando pela modalidade “telefone celular” de pagamentos mensais.

Só carros elétricos

Em 2025 a Volvo quer que carros elétricos representem 50% das vendas e planeja vender só carros elétricos a partir de 2030. Ela se curvou às mudanças que estão varrendo a indústria e não vende mais o XC40 a diesel no Reino Unido. Por toda a Europa as fabricantes estão sendo forçadas a essa mudança para os elétricos, com penalidades pesadas se não atingirem os objetivos de emissões.

Será essa uma medida sensata? Os governos não avaliaram bem a tecnologia antes e há inúmeras perguntas sem resposta sobre a energia provida pelas baterias, incluindo como as demandas de energia elétrica serão atendidas, de onde virão materiais como o lítio para produzir milhões de enormes baterias, e como elas serão descartadas.

Motoristas estão sendo arrastados para a mudança gostem ou não. Pelo menos o XC40 ajuda a suavizar a transição.

Fotos: Volvo | Divulgação

SOBRE
4 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Jair 6 de julho de 2021

O Jeremy e o Bóris de vocês deveriam dar as mãos e criar uma dupla de gagás. O AutoPapoFurado já está cansando com comentários tão superficiais e sem conteúdo real como esse. Esse Jeremy só falou bobagens, e o pior que diz algo num dia e algo no outro. Demonstra falta de conhecimento dos assuntos que aborda.

Avatar
Jorge Braga 6 de julho de 2021

Pelo jeito, mais uma vez o Jeremy não entendeu nada. A política de mudança de tecnologia de combustão para elétrico não é mais novidade. Todas as indagações que ele fez já foram respondidas há muito tempo.
Não se trata de empurrar algo novo ao consumidor, mas de uma política ambiental atrelada à própria evolução tecnológica. Não se está criando uma novidade, mas aperfeiçoando uma tecnologia que já existe há décadas.
Enquanto o Jeremy fica cheio de dúvidas apenas para criar polêmica, aqui mesmo no Brasil está tecnologia já era estudada e chegou a ser utilizada nos anos 70 e 80.
Ele está tão mal informado que deveria primeiro tomar conhecimento das novidades nesse campo antes de fazer seus comentários inúteis.

Avatar
Jorge Braga 6 de julho de 2021

Esse Jeremy é um falastrão. Lá fora se tornou um comentarista sem respeito, mas como sempre acontece, o que não serve mais para os outros vem parar aqui.
Tanta gente boa e capaz aqui no Brasil, vocês tinham que importar um gringo arrogante e que se contradiz a cada texto que escreve.
Um dia o que é ruim, em outra vez é algo digno de elogios.
Vocês estão matando o Autopapo com reportagens ruins, erradas e tendenciosas.

Avatar
Renô Jorge da Silva 29 de junho de 2021

Gosto muito dos comentários do Jeremy sobre veículos, que são precisos e detalhados. Acredito que este XC40 comentado acima, deverá ser um sucesso de vendas aqui no Brasil. Carro muito lindo!!

Avatar
Deixe um comentário